ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, TERÇA  27    CAMPO GRANDE 24º

Cidades

Empresas terão que indenizar moradora de MS por acidente em pedágio de SP

Nadyenka Castro | 13/06/2013 19:20

Uma moradora de Mato Grosso do Sul conseguiu R$ 5 mil por indenização de uma empresa de cobrança de pedágio em São Paulo e de uma transportadora devido a um acidente. A determinação foi da 1ª Vara do Juizado Cível e Criminal de Três Lagoas, onde a mulher reside.

Ela contou à Justiça que no dia 16 de janeiro de 2013 trafegava pela Rodovia Rondon (SP-300), sentido Andradina – Três Lagoas, quando entrou na praça de pedágio na faixa destinada aos clientes do serviço “Sem Parar – Via Fácil” e foi surpreendida pela não abertura da cancela.

Ela conseguiu parar a tempo de não atingir a cancela, mas, logo em seguida, um caminhão conduzido por um funcionário de uma transportadora colidiu na traseira de um Fox, o qual bateu no carro dela.

A mulher arcou com os prejuízos materiais e diz que tentou resolver a situação com as empresas, mas, não conseguiu acordo e por isso acionou a Justiça.

Pediu que a Carvalhaes & Santos Transportes e Viarondon Concessionária de Rodovia sejam condenadas ao pagamento de indenização por danos materiais na quantia de R$ 5.000,00. Citadas, as rés apresentaram contestação defendendo a improcedência dos pedidos.

De acordo com a sentença, ficou comprovado que o motorista da transportadora adentrou na praça de pedágio acima da velocidade máxima permitida, de 40 Km/h. Segundo a sentença, “a leitura do tacógrafo da carreta registrou a velocidade de 70 Km/h no momento do acidente. Tal fato certamente impediu a frenagem do veículo conduzido pelo funcionário da primeira requerida, o que ocasionou o ‘engavetamento’ dos carros as à sua frente. Dessa forma, a transportadora deve responder pelos danos materiais causados à parte autora”.

Ainda conforme a decisão, “a segunda requerida deve ser condenada solidariamente a reparar os prejuízos materiais sofridos pela autora, porquanto evidenciada a má prestação de serviços consistente na não abertura da cancela para a usuária, em especial, pelo fato de a autora ter comprovado que estava adimplente com o sistema ‘Sem Parar – Via Fácil’”.

Nos siga no Google Notícias