ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, DOMINGO  03    CAMPO GRANDE 32º

Interior

Com mais médicos, hospital reduz para 30 minutos espera por atendimento

Diretora diz que número de atendimentos chega a cinco mil/mês porque muitos pacientes deixam de procurar postos de saúde

Helio de Freitas, de Dourados | 02/06/2015 15:38
Hospital municipal de Naviraí contratou mais médicos e técnicos e conseguiu reduzir espera por atendimento (Foto: Divulgação)
Hospital municipal de Naviraí contratou mais médicos e técnicos e conseguiu reduzir espera por atendimento (Foto: Divulgação)

Localizada a 366 km de Campo Grande, a cidade de Naviraí conseguiu reduzir meia hora em média o tempo de espera por atendimento no hospital municipal. De acordo com a Gerência de Saúde da prefeitura, antes a espera era de pelo menos duas horas.

A redução, de acordo com a assessoria da prefeitura, é resultado dos investimentos feitos no hospital. A ampliação incluiu a construção de um novo pronto socorro, feito com recursos viabilizados pelo deputado federal Geraldo Resende (PMDB), aumento do quadro de profissionais e instalação de mais equipamentos e serviços.

De acordo com o prefeito Léo Matos (sem partido), foram contratados oito técnicos de enfermagem e dois médicos para o pronto socorro. “Além disso, abrimos processo seletivo para dois técnicos em raio-X e nove técnicos de enfermagem que assumirão ainda nesta semana”.

Cinco mil por mêsA diretora do hospital, Claudia Gomes Pereira, disse que a unidade recebe em média 200 pacientes por dia e faz mais de cinco mil atendimentos mensais. Segundo ela, muitos pacientes procuram o hospital para tratar até mesmo uma simples dor de cabeça.

“Este é um dos grandes problemas que enfrentamos. As pessoas têm que entender que o hospital é para urgência e emergência. Para consultas existem as unidades de saúde e os PSFs, que estão todos equipados e com médicos”, afirmou a diretora.

Claudia Pereira afirma que é preciso mudar o hábito dos pacientes, que deixam de procurar as unidades de saúde para fazer tratamento preventivo. “Quando a dor aumenta procura o hospital, mas poderia ter evitado. Se conseguirmos mudar esse hábito, reduziremos a quantidade de procedimentos pela metade e com isso o atendimento ficará mais ágil”.

Nos siga no Google Notícias