A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 21 de Novembro de 2017

08/10/2014 14:09

Corrupção em Naviraí incluía extorsão de empresários e fraude em licitações

Helio de Freitas, de Dourados
Policiais federais ocupam o prédio da Câmara de Vereadores para recolher documentos e computadores (Foto: Divulgação/PF)Policiais federais ocupam o prédio da Câmara de Vereadores para recolher documentos e computadores (Foto: Divulgação/PF)

O esquema desvendado pela Operação Atenas da Polícia Federal em Naviraí, a 366 km de Campo Grande, incluía uma série de atividades criminosas. A rede de corrupção era ampla, conforme explicaram em entrevista coletiva os delegados responsáveis pela operação. O superintendente da PF em Mato Grosso do Sul, Edgar Paulo Marcon, participou da entrevista ao lado de dois promotores de Justiça.

As dez pessoas presas – seis vereadores, três assessores desses mesmos vereadores e a mulher do presidente da Câmara – são acusadas de extorquir empresários em troca da liberação de alvará, fraudar licitações, receber diárias da Câmara por viagens que nunca aconteceram e contratar funcionários para o Legislativo e obrigá-los a fazer empréstimos consignados e ficar com parte desse dinheiro.

Sete acusados tiveram a prisão preventiva decretada – o presidente da Câmara Cícero dos Santos, o Cicinho do PT, os vereadores Marcus Douglas Miranda (PMN), Adriano José Silvério (PMDB), Solange Olímpia Pereira de Castro Melo (PSDB), Carlos Alberto Sanches, o Carlão (PSDB) e Vanderlei Chagas (PSD) e um assessor da Câmara. Outras três pessoas foram presas de forma temporária – dois assessores da Câmara e a mulher de Cicinho do PT, Mainara Santos, dona de uma loja em Naviraí.

Carlos Alberto Sanches e Vanderlei Chagas estavam em Campo Grande e quando souberam da operação procuraram a PF na capital e se entregaram. Os demais foram presos em Naviraí.

A vereadora Solange Melo, 55 anos, é policial civil aposentada e mulher do delegado federal Severino Alexandre de Andrade Melo, que por 16 anos foi titular da delegacia da PF em Naviraí. Em 2005 ele foi transferido para São Paulo.

Candidato a deputado estadual nas eleições deste ano, o vereador Marcus Douglas tinha sido detido no sábado, véspera da votação, por desrespeito à lei eleitoral e desacato ao juiz Eduardo Lacerda Trevisan. Marcus fazia uma carreta na cidade que passou em frente ao Cartório Eleitoral, contrariando a lei. No mesmo dia ele foi liberado. Cicinho do PT também foi candidato a deputado estadual e assim como o colega Marcus Douglas teve problema com a Justiça Eleitoral na véspera das eleições. Um assessor dele foi detido com R$ 19 mil em dinheiro.

Outras 28 pessoas foram levadas para a delegacia da Polícia Federal para depoimentos, que devem durar o dia todo. Também foram cumpridos 35 mandados de busca e apreensão em residências, lojas postos de combustíveis e na Câmara de Vereadores, que foi lacrada pela operação. A loja de Mainara também foi fechada.

Computadores e dezenas de malotes e pastas com documentos foram apreendidos, assim como 27 carros, motos, quatro armas, R$ 70 mil em dinheiro e até um barco de pesca. A Polícia Federal informou que serão necessários vários dias para analisar toda a documentação recolhida durante a operação. Os vereadores e as demais pessoas presas são acusados de formação de quadrilha, corrupção, desvio de recursos públicos e extorsão contra o poder Executivo.

Agentes federais conduzem um dos presos durante operação hoje em Naviraí (Foto: Osvaldo Duarte/Grande FM)Agentes federais conduzem um dos presos durante operação hoje em Naviraí (Foto: Osvaldo Duarte/Grande FM)

A operação – De acordo com a Polícia Federal, as investigações começaram em novembro de 2013. Através de escutas telefônicas autorizadas pela Justiça, os policiais em conjunto com o Ministério Público Estadual descobriram que vereadores da cidade exigiam e recebiam vantagens indevidas para aprovação de leis e para atuações ilegais na expedição de alvarás para estabelecimentos comerciais. Foi descoberto também um esquema ilegal de recebimento de diárias pagas a servidores públicos municipais por viagens que só existiram no papel.

Nesta quarta-feira de manhã, 200 policiais federais das delegacias de Dourados, Ponta Porã e Naviraí e da Superintendência em Campo Grande foram à Câmara Municipal, às residências dos vereadores e demais suspeitos, em várias empresas e escritórios para fazer as prisões, levar pessoas para depoimento e recolher documentos e computadores.

Brasileiro é morto a tiros em estrada vicinal de Pedro Juan Caballero
O brasileiro identificado como Fabio Pedrosa Gomes de Araujo foi encontrado morto, na noite de ontem (20), em uma estrada vicinal do país vizinho, o ...
Homem de 41 anos é morto a facadas por desentediamento com amigo
Roberto Dias de Oliveira, 41, morreu na noite de ontem (20) após ser esfaqueado por um colega, de 45 anos, durante uma briga. Caso aconteceu por volt...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions