ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, QUARTA  29    CAMPO GRANDE 16º

Interior

Servidores de duas cidades são obrigados a se imunizar contra covid

Ao todo, 19 cidades decretaram medidas para conter a nova onda da pandemia

Por Adriel Mattos | 24/01/2022 16:18
Vista aérea de Angélica. (Foto: Divulgação/Sanesul)
Vista aérea de Angélica. (Foto: Divulgação/Sanesul)

As prefeituras de Angélica e Chapadão do Sul emitiram decretos obrigando os servidores a se vacinarem contra a covid-19. Sonora e Santa Rita do Pardo também retomaram restrições contra a nova onda da pandemia.

Em Angélica - cidade no sudeste do Estado a 252 km da Capital - o funcionário público deve apresentar declaração ou o cartão de vacinação com o ciclo completo, incluindo as doses de reforço.

Quem se recusar pode ser afastado das funções e responder a procedimento administrativo, conforme o Estatuto do Servidor Público. Todo o funcionalismo tem 15 dias para apresentar a comprovação.

Já em Chapadão do Sul - cidade da região nordeste a 311 km de Campo Grande - a Secretaria Municipal de Saúde ficará responsável por identificar os servidores que não comprovaram que se vacinaram, ficando passíveis também de processo disciplinar.

Mais restrições – Com os decretos de Sonora e Santa Rita do Pardo, o Estado soma 17 cidades tentando evitar um colapso na saúde.

Em Sonora - município do norte do Estado a 362 km da Capital - o uso de máscara volta a ser obrigatório, cobrindo boca e nariz. O comércio fica obrigado a observar a utilização correta de clientes e funcionários, bem como oferecer álcool 70% na entrada e saída.

Já em Santa Rita do Pardo - cidade da região sudeste a 245 km de Campo Grande - estabelecimentos do ramo de alimentação devem abrir com apenas 50% da capacidade, limitando as mesas ao uso de quatro pessoas e as distanciando a pelo menos 2 metros.

Restaurantes que vendem no modo self-service devem fornecer luvas descartáveis para os clientes. Cursos e palestras podem ser ministrados com 30% de público. A utilização de máscara também é exigida em toda a cidade.

Vista aérea de Sonora. (Foto: Divulgação/PMS)
Vista aérea de Sonora. (Foto: Divulgação/PMS)

Preocupação – Outros 15 municípios baixaram mais uma vez normas de biossegurança. Itaporã, Aparecida do Taboado, Bataguassu, Ponta Porã, Antônio João, Nova Andradina, Fátima do Sul, Ribas do Rio Pardo, Selvíria, Inocência, Anastácio, Jardim, Água Clara, Figueirão e Maracaju também lançaram novos decretos.

Em Água Clara, estabelecimentos comerciais e religiosos podem abrir apenas com 50% da capacidade e garantindo o distanciamento de 1,5 metro. O uso de máscara de proteção facial volta a ser obrigatório em locais de grande circulação.

Em caso de descumprimento, a multa será de R$ 324,80 para pessoas físicas e de R$ 8,1 mil a R$ 32,4 mil para pessoas jurídicas, podendo ser dobrada se houver reincidência.

Figueirão também voltou a exigir o uso do EPI (Equipamento de Proteção Individual), cobrindo nariz e boca. Instituições religiosas podem abrir apenas uma vez por semana com 50% da capacidade.

O comércio pode funcionar normalmente, mas havendo caso de covid-19 entre funcionário, o fechamento é obrigatório e deve perdurar até a sanitização do prédio. Velórios de vítimas da doença estão vedados. Nos demais casos, apenas seis familiares e dois convidados podem participar.

Já a prefeitura de Maracaju suspendeu por 90 dias a concessão de férias de todos os servidores da Secretaria Municipal de Saúde. A contratação de pessoal para reforçar a linha de frente está permitida com dispensa de realização de concurso público.

Inocência voltou a proibir eventos como shows, festas, casamentos e similares. A realização de festas clandestinas acarretará em multa de R$ 5 mil aos organizadores. Se estes não forem identificados, cada participante será penalizado em R$ 1 mil.

O distanciamento também será cobrado em estabelecimentos comerciais e religiosos. O descumprimento também gera multa de R$ 5 mil ao comerciante e cassação do alvará em caso de reincidência.

E o uso de máscara de proteção facial também volta a ser exigido. Quem for flagrado sem o EPI (equipamento de proteção facial) ou utilizando de forma incorreta, sem cobrir totalmente nariz e boca, será penalizado em R$ 1 mil.

Em Anastácio, o uso de máscara novamente é obrigatório. Eventos também estão proibidos. Já em Jardim, o atendimento presencial nos órgãos públicos está suspenso. Cidadãos podem telefonar para a prefeitura no telefone (67) 3209-2500.

Itaporã voltou a obrigar o uso de máscara e proibiu todos os tipos de eventos. Festas de aniversário e encontros familiares não podem superar 20 pessoas.

Em Aparecida do Taboado também voltou a ser cobrado EPI (Equipamento de Proteção Individual) cobrindo nariz e boca e o limite de público em estabelecimentos comerciais e industriais volta a ser de 50% da capacidade. Eventos de qualquer natureza que superem o público de 25 pessoas serão considerados como aglomeração.

Fica proibido em Bataguassu até 30 de janeiro, a visitação a atrações turísticas, culturais e esportivas; funcionamento de áreas comuns de condomínios e espaços fechados de eventos e realizações de feiras de negócios e exposições. O uso de máscara também é obrigatório.

Em Ponta Porã, a cobrança do EPI foi retomada. O mesmo aconteceu em Antônio João. Além disso, o comércio deve observar as demais medidas de biossegurança, como o distanciamento de 1,5m e a disponibilização de álcool 70%. A Vigilância Sanitária efetuará a fiscalização e poderá até recolher o alvará em caso de descumprimento.

Nova Andradina proibiu eventos com mais de 400 pessoas. Shows, jantares, almoços e outros tipos de eventos podem ser realizados abaixo desse número, incluindo membros da organização, entre 7h e meia-noite. Porém, a Vigilância Sanitária ainda pode determinar, na vistoria ao local, a quantidade máxima de pessoas para que o evento ocorra de maneira segura.

A prefeitura de Fátima do Sul passou a exigir comprovante de vacinação de pelo menos duas doses para ingressar em parques aquáticos e qualquer outro espaço público ou privado que tenha piscina.

Em Ribas do Rio Pardo, cidade na região leste do Estado a 98 km da Capital, o toque de recolher e outras medidas de restrição contra a covid-19 foram prorrogadas por mais uma semana.

A restrição de circulação permanece começando às 22h de segunda a quinta-feira e às 23h entre sexta-feira e domingo. Em todos os dias, o toque de recolher se encerra às 5h.

Além disso, o uso de máscara de proteção facial permanece obrigatório em locais abertos e fechados. O comércio deve observar as medidas de prevenção como o distanciamento de 1,5m.

Com órgãos públicos fechados ao público por dez dias , a prefeitura de Selvíria reduziu o expediente. Agora o horário vai das 7h às 13h até 4 de fevereiro.

Nos siga no Google Notícias