A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

31/03/2012 08:57

No adeus ao TJ, Santini defende vale-caviar, rebate críticas e prepara retorno

Aline dos Santos

“Não sou pessoa de ficar parada”, diz, ao anunciar volta à área privada

O presidente do TJ, Luis Carlos Santini, se aposenta da Magistratura esta semana. (Foto: João Garrigó)O presidente do TJ, Luis Carlos Santini, se aposenta da Magistratura esta semana. (Foto: João Garrigó)

Às vésperas de completar 70 anos e dar adeus à presidência do TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), o desembargador Luiz Carlos Santini se prepara para voltar ao começo.

No dia 3 de abril, data do aniversário, segue para uma viagem de uma semana. No retorno, vai atuar como advogado tributarista comercial, função que exerceu no início da carreira em Bauru (SP), sua cidade natal. “Não sou pessoa de ficar parada”, diz, ao anunciar o retorno à área privada.

No comando do tribunal, o ainda “dono da caneta” conheceu opostos: enfrentou a vistoria do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) e, depois de um acirrada briga judicial, conseguiu colocar no comando dos cartórios titulares aprovado em concurso.

Também sob sua tutela, os magistrados ganharam direito ao auxílio-alimentação, em torno de R$ 940. O benefício, que foi taxado de regalia, ganhou até apelido: vale-caviar. Enquanto os outros servidores recebem o vale-coxinha.

Quanto à vistoria, critica o CNJ. “Das observações que eles fizeram, grande parte delas não tem fundamento, foi por uma visão não completa, não tiveram tempo de ver tudo”, afirma o entrevistado que, quando o assunto é lei, não dá resposta evasiva, checando cada artigo nos livros, sempre ao alcance das mãos.

Sobre o Judiciário, justifica que o Poder está, desde a década de 90, na berlinda. Quando ganhou projeção, mas, não soube, segundo ele, se explicar ao seu novo grande público: a população. “Em outras palavras, não soubemos nos comunicar, a ideia de que o juiz só fala nos autos ficou exageradamente sedimentado”, diz.

Em ano eleitoral, Santini, que também foi presidente do TRE/MS (Tribunal Regional Eleitoral), aponta que o sistema é falho e sugere a adoção do sistema distrital para atenuar o impacto do poder financeiro dos candidatos concorrentes.

Na despedida, há espaço para um pai orgulhoso e boas histórias. Como a audiência em que o fórum de Aquidauana foi cercado por homens armados.

Campo Grande News - Durante a administração do senhor, o CNJ fez uma vistoria no TJ/MS e surgiram denúncias até de enriquecimento ilícito. Os procedimentos já foram concluídos?

Eles viram várias coisas aqui; por exemplo, eles levaram varias decisões nossas. Esse relatório é publico, viram várias coisas em relação à administração do tribunal. Algumas coisas nós corrigimos, outras coisas ainda estão pendentes.

Enriquecimento até hoje ninguém discutiu nada sobre isso e nem provou nada e nem falou nada. O que posso dizer é que as observações que eles fizeram, grande parte delas não tem fundamento.

São por uma visão não completa, não tiveram tempo de ver tudo. Algumas tinham fundamento e corrigimos, como, por exemplo, nomeações de servidores. Estamos corrigindo cargo de provimento em comissão.

Para você ter uma ideia, há um limite de 50% do cargo de provimento em comissão para efetivo e para pessoas não efetivas, fora do quadro. Em 2010, nós tínhamos, além do limite, 38. Em 2009, nós passamos a ter 20 e hoje temos 18. Tenho servidor aqui que foi nomeado antes da Constituição de 1988, sem concurso.

Ele está, portanto, com 30 anos. Vamos com calma, não vamos jogar esse individuo na rua. Isso esta sendo consertado. O CNJ está vendo isso. Agora uma coisa é certa, o CNJ disse que o Mato Grosso do Sul é o segundo poder judiciário do país em julgamento, isso é da Justiça em Números.

Em termos de acórdão, só o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul produz mais do que o nosso tribunal. Em termos totais, tribunal e primeiro grau, só o Rio de Janeiro julgou mais do que o Mato Grosso do Sul.

Campo Grande News - Recentemente foi aprovado o vale-alimentação de 5% para os juízes. Para alguns, é regalia. Para outros, uma questão de Justiça pela função que desempenha. Qual a análise do senhor?

A Constituição estabelece dentre o Judiciário como poder e as carreiras essenciais à função da Justiça. Existe na constituição determinação de isonomia de tratamento, não igualdade, isonomia de tratamento. E os promotores e procuradores da República têm desde 2005.

Então o CNJ disse: ‘espera um pouco, precisa’. Os defensores ganham mais do que o juiz, nós temos um limite, eles não tem. Caíram de pau em cima de nós.

Saiu o vale-caviar e vale-coxinha dos servidores.

Aí eu falei, vou aplicar o vale-caviar para o sindicato. Ah não, não quero. Porque tem servidor que ganha 10%, 15% de auxílio-alimentação. O auxílio é R$ 374, quem ganha R$ 2.800, R$2.500, tinha R$ 312 de alimentação. Agora como ia fazer para o magistrado? Segui o que todo mundo estabelecia, os 5%.

Campo Grande News - O senhor acompanhou a polêmica na imprensa?

Eu falei na imprensa, vou dar o vale-caviar. Aí pararam, o servidor ia ganhar menos. O juiz tem uma função diferente, como o presidente da República, o governador. Seja ele federal ou estadual, ele é juiz 24 horas. Ele não tem horário de trabalho, ele tem horário de atendimento ao público.

Se você chegar em minha casa às 3 horas da manhã e eu estiver de plantão sou obrigado a atender, sob pena de responsabilidade funcional. O juiz é o que o americano chama de full time.

Campo Grande News - Mas o juiz inicial ingressa na carreira com salário de 18 mil?

É o inicial bruto, mas desconta o Imposto de Renda, a Previdência. O juiz inicial hoje não aposenta como eu, porque a reforma da previdência ressalvou quem já tinha tempo de se aposentar, como eu. Se ficasse, teria abono permanência.

A Constituição diz que os que entraram depois da emenda constitucional vão aposentar com teto limite da previdência, vai ter que ter previdência suplementar. Agora, ele não pode fazer mais nada. Não pode ter uma loja, um restaurante, uma empresa. É a única carreira que exige dedicação exclusiva.

Por exemplo, tenho um monte de juízes aqui, de assessores, que almoçam no restaurante. Então há esse fator, poderia até ser um privilégio do juiz, é um modo de pensar, eu não tiro. Mas também é a única profissão do Estado que está desde 2007 sem qualquer reajuste.

Campo Grande News - Para o senhor, que foi presidente do TRE/MS, a legislação eleitoral deveria abolir o período pré-eleitoral, pois está claro que a eleição começa muito antes do previsto no calendário, ou tornar a lei mais rígida?

A reeleição do Obama foi pensada desde o primeiro dia que ele assumiu. Você não pode desconhecer isso. Vou falar de maneira geral, como professor. Acontece que o sistema eleitoral a meu ver é falho. Não o sistema de votação, a urna eletrônica nem a Justiça Eleitoral, mas o sistema.

A legislação brasileira é arcaica, ultrapassada, não serve para escolher os representantes, principalmente do Legislativo. O melhor seria o voto distrital. Entenda, o Sarkozy quando assumiu a presidência da França já iniciou a sua campanha para reeleição.

Isso faz parte do jogo, é questão política, mas você tem que estabelecer determinadas circunstâncias e regras para que isso se faça de maneira a não impedir quem não está no poder.

Essas reuniões, você não consegue impedir. Proibiu o jogo do bicho em 1945, pararam o jogo do bicho, não. Então, você não consegue fazer uma lei para mudar um comportamento sedimentado do ser humano.

A Justiça Eleitoral precisa ter elementos, que muitas vezes lhe faltam, para punir adequadamente em termos do uso do poder econômico e do poder político na eleição.

Agora, dizer que o Obama quando assumiu já não começou a trabalhar para a reeleição é mais ou menos tapar o sol com a peneira. Dizer que o Sarkozy já não começou a trabalhar para voltar, é ilusão, mais ou menos acreditar que ovo possa ter pelo.

Isso é natural do ser humano, o ser humano é político. Tenho que encontrar os parâmetros, impedir que quem ocupe o cargo público utilize o seu cargo de poder para impedir o outro de tentar assumir o cargo de poder. Mas eu não posso impedir a vida íntima das pessoas.

Se tivéssemos sistema como nos países desenvolvidos, um sistema eleitoral distrital. Seria muito mais fácil o controle disso. Vamos pegar Campo Grande , que vai ter 29 vereadores, e dividir 29 distritos. Cada distrito com numero proporcional de votos.

Seria eleito o vereador do distrito, quem tiver o maior número de votos. Se começar a campanha antes, todo mundo vê, se começa a gastar dinheiro, todo mundo vê. Dá mais representatividade. Posso pegar voto aqui, voto lá, voto acolá, aí não tenho como controlar isso. Nos EUA e na Inglaterra é assim, mais justo.

Campo Grande News - Na gestão do senhor foi resolvida a questão do concurso público para cartórios, com a posse dos aprovados e também foi anunciado um novo concurso. Como está esse processo?

Tem cartórios vagos e vamos iniciar o edital, redividir as cidades, ver necessidade de cartório. Um edital sempre leva no mínimo um ano, se não tiver toda aquela briga judicial, com mandado de segurança para lá e para cá. O concurso deve levar um ano e meio.

O concurso de servidor, que é mais simples, leva um ano. E, provavelmente, vamos ter que abrir um concurso de servidor. Prorroguei [o último concurso], mas o CNJ tirou.

A Constituição estabelece limite de 4 anos, ficaram dois, prorroguei por mais dois. O concurso gasta dinheiro, mas o CNJ cortou. Morreu em 31 de janeiro. Às vezes, não entendem bem as coisas.

A Constituição Federal estabelece 4 anos, tenho discricionariedade, finalidade da eficiência, artigo 37 da Constituição. Eu posso fazer por mais dois anos, é interesse da população, mas o CNJ entendeu que não.

Campo Grande News - Como o senhor vê a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal), que manteve a competência do CNJ para investigar juízes?

Decisão judicial não se discute, a não ser com recurso. O CNJ estabeleceu algumas regras para o andamento dos processos administrativos. A discussão era se o CNJ podia isso ou não, diante das autonomias dos tribunais, e o Supremo entendeu que sim.

O CNJ foi um aperfeiçoamento ou uma tomada de decisão dos constituintes brasileiros, do Congresso. Dando prosseguimento como havia na lei orgânica da magistratura.

O poder judiciário encontra se desde a década de 1990 na berlinda no Brasil. Por quê? É bom que se esclareça. Porque até 1990, até o Collor, nunca haviam se preocupado com o Poder Judiciário, porque o Poder Judiciário julgava causas entre pessoas.

Entre o José e o Antônio, entre o Benedito e Sinfrônio, entre a Maria e a Heloisa e assim sucessivamente. Ou entre essas pessoas e o Estado, as decisões sempre eram individuais.

Então o Judiciário fazendo parte do governo, os três poderes, ficava numa situação que não era olhado pela mídia. A partir de 1990, quando o Collor resolve, isso é uma ideia minha, resolve discutir com o Congresso. Ele vai aonde? No outro poder do Estado.

Verificaram que as decisões do judiciário eram decisões que podiam ser coletivas. Até então o Brasil não conhecia isso. Só tinha uma ação coletiva no país, que era uma ação popular, muito pouco usada.

O Judiciário sendo exibido à população não soube explicar o seu funcionamento. Não soube explicar que para cada fato realizado entre os seres humanos, indivíduo ou Estado, Estado contra Estado, tem duas versões e você necessita, desde os tempos do julgamento de Cristo, ouvir os dois lados.

Por outro lado, o Judiciário também por tratar só de questões individuais anteriormente, isso é uma teoria minha, ele não se preocupava com o tempo de duração do processo. Ocorre o seguinte, foram jogando os encargos dessa ação coletiva e o Judiciário não teve o preparo para dizer por que demorava. A culpa não é minha.

Nós não exigimos dos advogados, a partir de um determinado momento, a responsabilidade. Você usava o Judiciário, simplesmente, para não cumprir obrigações, você ficava contestando, aproveitando todos os recursos possíveis. E o Judiciário não soube jogar a culpa em quem tinha culpa. Paralelamente a isso, nós passamos a ter no Brasil os chamados “movimentos sociais”.

Nestes movimentos sociais, vamos dar exemplo, o sem terra que invadia a determinado lugar. Então, os próceres dos movimentos, juristas famosos de São Paulo, diziam o seguinte: entre a vida e a propriedade, vale a vida. Começaram a pregar: o Judiciário tem que ser social. O Judiciário não soube se explicar, ficou acumulado de ações.

Por outro lado, foi o menos aquinhoado com os recursos da República. Essa minha tese tem um fundamento. Quando foi feita a CPI do Judiciário, falavam da caixa preta. O senador ACM disse que o Judiciário de 1988 até aquela época era o que mais tinha aumentado as despesas, ele tinha razão. As despesas em relação ao Executivo e ao Legislativo foram nesse período, de meados de 1990, infinitamente maior.

Porque a Constituição de 1988 criou vários tribunais, que tiveram que ser instalados, os Tribunais Regionais Federais, um Tribunal Regional do Trabalho em cada Estado. O senador Antônio Carlos Magalhães ficou como paladino da economia pública porque criticava o aumento do Judiciário. Por outro lado, diferentemente do poder Legislativo, é um poder que cresce sempre. Em outras palavras, não soubemos nos comunicar, a ideia de que o juiz só fala nos autos ficou exageradamente sedimentada.

Ficou como sendo um poder conservador, que garantia as “elites”. Diziam, cadeia só para os “3 p”. Mas o juiz não pode pôr na cadeia se não tem o inquérito. O homem é livre, não posso sair prendendo todo mundo. Não soube explicar isso a população. Olha essa quantidade de processo é absolutamente impossível decidir.

Campo Grande News - O senhor vai se aposentar em poucos dias. Que balanço faz da atuação da magistratura e como planeja o futuro? Pretende atuar na área privada?

Tinha escritório em Bauru e advogava pelo Brasil todo. Atuava nas áreas administrativa, tributária e comercial. Era advogado de empresas. Corri o Brasil todo, fui para o Mato Grosso e gostei. Fiz serviço em Cuiabá, a licitação de ônibus urbano no governo Fragelli, em 1971.

Santini conta que trocou a advocacia particular pela justiça no então Mato Grosso uno, primeiro em Cuiabá. (Foto: João Garrigó)Santini conta que trocou a advocacia particular pela justiça no então Mato Grosso uno, primeiro em Cuiabá. (Foto: João Garrigó)

Resolvi descansar um pouco dessa corrida e vim para a magistratura do Mato Grosso. Realizei um sonho. Fui feliz na comarca de Aparecida do Taboado, Aquidauana. Depois Campo Grande e o tribunal. Cheguei ao ponto máximo da carreira, presidente do TJ.

Creio que fiz Justiça nas minhas decisões, cometi alguns erros que o tribunal corrigiu; na grande maioria, creio que acertei. Não fiquei milionário, pelo contrário, tinha mais bens em Bauru, quando era advogado, do que agora. Não estou reclamando, apesar de que dizem que a gente ganha uma fortuna.

Pretendo partir para a iniciativa privada, agora já livre das amarras que o Judiciário coloca às pessoas. Quero colaborar com alguma coisa, quem é juiz uma vez, sempre juiz.

Tenho dois filhos e um neto. Ele, engenheiro; ela é administradora, formada em Direito. Ele seguindo a carreira do pai, vamos fazer propaganda do filho. Já fez conferência em congresso americano, esteve uma semana em Washington, representando um trabalho da Enersul. Como o pai, que fez conferência na Espanha, Portugal, Chile, Uruguai, Paraguai.

Campo Grande News - Depois de tantos anos nas magistraturas, que casos ficam na memória?

Tem alguns que ficaram. Um engano meu em Aparecida do Taboado. O delegado pede para decretar uma preventiva e decreto. Veio o processo e vi que não era nada daquilo, aí pego e relaxo a prisão. A pessoa ficou presa por 10 dias, 15 dias por minha culpa, levado pelo delegado.

Têm coisas pitorescas. Estava fazendo audiência em Aquidauana e veio o promotor Valdir Bernardes me avisar que tinha gente armada. Era uma possessória envolvendo uma área grande.

E então encerro a audiência, sequestro a área dos dois, ponho um depositário e prende um monte de gente. Inclusive tinha nego armado na sala de audiência.

Indenizações por morte no trânsito crescem 24% em relação a 2016
O número de indenizações pagas pelo Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (Seguro Dpvat) entre janeiro e novemb...
ANS regulamenta novas regras de compartilhamento para planos de saúde
A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) publicou duas resoluções normativas na tentativa de dar mais segurança e estabilidade ao mercado de pla...
UFMS recebe inscrições para vários cursos no Vestibular 2018
A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) segue com inscrições abertas para o Vestibular 2018, que selecionará alunos para cursos de gradua...


O douto desembargador errou novamente, policiais militares são um exemplo de pessoas que não podem exerecer outra profissão, embora ganhem 1/10 do que ganha um juiz em inicio de carreira, e também paga previdencia e IRPF.
Não acho que um juiz ganha muito, só acho que profissionais como da segurança publica, saúde e principalmente professores deveriam ganhar melhor...Fica a dica
 
Jardel Mendes em 01/04/2012 10:00:54
Parabenizo primeiro por falar que continuara a trabalhar após os setenta anos,quando o sonho de muitos e parar com muito menos. Segundo teve coragem de assumir verdades sem medo de criticas. Terceiro os formadores de opinião precisam deixar de ser hipócritas ou idiotas de falar que um juiz ganha muito. Quarto só se muda algo quando a verdade prevalece
 
Fernando Rodrigues em 31/03/2012 12:34:21
Tinha era que defender os cidadãos da injustiça. é por isso que tantos sofrem em nosso pais. Poucos passam nessa vida e deixam um legado imenso jamais serão esquecido, enquanto outros é melhor nem se lembrar, que da nojo.
 
jose carlos em 31/03/2012 11:30:29
Só falta ao TJMS a exoneração dos comissionados dando cumprimento à Resolução 88/99 do CNJ. Concurso Público pode não ser o melhor critério de seleção, mas é o mais democrático. Já passou da hora de moralizar o acesso as cargos públicos e o Judiciário deveria ser o primeiro a dar exemplo neste aspecto, ao invés de protelar.
 
Alan Cabral da Rocha em 31/03/2012 11:23:03
É simplesmente leviano comparar a função da magistratura ou do Ministério Público com "qualquer trabalhador brasileiro". Qualquer trabalhado brasileiro não tem - ou não precisa ter - responsabilidade, qualificação e dedicação exclusiva que juizes ou promotores têm. Em termos humanos, somos todos iguais; profissionalmente, as diferenças devem ser prestigiadas. Caso contrário, teremos comunismo.
 
Marcelo Dias em 31/03/2012 11:15:27
segundo o CNJ: Concluindo, entendo que a consulta deve ser respondida nos termos seguintes: 1) ao juiz de Direito é vedado exercer a advocacia na Comarca da qual se afastou, antes de decorridos três anos do afastamento do cargo por aposentadoria ou exoneração; 2) ao juiz Federal ou juiz do Trabalho é vedado exercer a advocacia na seção, onde não houver subdivisão judiciária, subseção ou foro do qu
 
Fernanda Baia em 31/03/2012 11:01:49
Dr. Santini foi meu professor na FUCMAT (86/90), assim como o Des. Cândia e outros magistrados, com quem tive a oportunidade e o privilégio de obter conhecimentos jurídicos. Enfocado no conhecimento e prática jurídica juntos aos acadêmicos, sem dúvida um ótimo professor de direito. Nossas homenagens e respeito pela sua sinceridade e capacidade de reconhecer que o erro humano, MS agradece.
 
jose melo irmão em 31/03/2012 10:07:50
Alguns cidadãos que vivem nesse país possuem ideias embaralhadas e não têm noção do que dizem. Ao mesmo tempo que esculhambam o judiciário e o vale-caviar recorrem à justiça quando seus direitos são violados, e quando ganham suas ações continuam a esculhambar juízes e Judiciário. O fato é que, quanto mais se critica, milhares de novas ações chegam aos tirbunais Brasil afora. Vá entender.
 
Jorge Souza em 31/03/2012 09:43:00
Acorda pessoal, esse teto do inss não vale para esse tipo de funcionário, imagina..rsrsrs. Eles aposentam com mais ou menos 31.000,00 por mês. Essa mudança vai ser aplicada no Func que entrar a partir de agora. Será que o povo sabe mesmo o salário total de Juiz, Promotor, Coronel, Delegado, Defensor Publico antigo e os Delegados antigos????.. rsrsrs
 
luiz alves em 31/03/2012 09:18:22
Eu acho justo um juiz receber salario de 18 mil no inicio de sua carreira, até porque concordo com o ilustre entrevistado quando diz que trabalha pela justiça 24h por dia, 7 dias por semana, etc.
O que não acho justo é um policial que trabalha em condições semelhantes (24h por dia, 7 dias...) receber míseros 10% do que um juiz ganha. E pior, tem policial morrendo no trabalho....PENSE NISSO!!!!
 
Alexandre S. da Silva em 31/03/2012 09:12:25
E bricadeira eles tem um vale caviar de 950.00 e salario para um pai e de pouco mais de 600.00 esse nosso pais e uma vergonha como uma pessoa desses precisa disso e para ficar revoltado com isso
 
ademar dos santos duarte em 31/03/2012 07:52:12
É duro a gente ver como nosso dinheiro é empregado sem nos consultar, vale caviar é uma palhaçada, acredito que um salário justo seria o bastante, mais não importa de onde vem o dinheiro, e se vem vamos aproveitar o máximo...
 
Tony Marcello Lima Ferraz em 31/03/2012 07:08:56
Fiquei com uma dúvida quando li o seguinte trecho da reportagem: "No retorno, vai atuar como advogado tributarista comercial".
Pelo que consta da Constituição, é vedado aos juízes exercer a advocacia no tribunal do qual se afastou antes de decorridos três anos da aposentadoria. Será que a atuação será somente na justiça federal????
 
Luiz Henrique Gomes em 31/03/2012 07:08:37
Cumprimento a tods cordialmente.Se entendi,com a reforma da previdência, o juiz, após décadas de trabalho,sendo obrigado a começar numa comarca lá no interior,vai aposentar com o teto máximo do INSS (cerca de R$3.900,00; é isso?).Minha opinião:eu,se estivesse na casa dos vinte anos,com preparo teórico para passar num concurso desse,e muits têm mestrado ou doutorado,ia fazer outra coisa.
 
jose eduardo em 31/03/2012 06:50:20
Cumprimentos pela entrevista repleta de passagens que comprovam o humanismo de um magistrado. Eles são como nós, sim, mas, obrigados a corresponder à sociedade a que servem com altíssimo grau de profissionalismo. E essa diferença deve ser compreendida e respeitada por todos. Perfeita a análise de que o Judiciário falhou no diálogo com a sociedade, por isso suas falhas parecem maiores.
 
elias vieira em 31/03/2012 04:02:19
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions