ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEGUNDA  27    CAMPO GRANDE 13º

Momento Saúde Bucal

Por que temos dentes sisos e o que mudou com a evolução?

Por Marco Polo Siebra (*) | 25/01/2024 11:44

Os dentes sisos (terceiros molares) são os últimos dentes a se formarem em nossa boca. Temos 4 dentes sisos, 2 superiores e 2 inferiores, que nascem de forma aleatória e ficam localizados atrás de todos os outros dentes, no término das arcadas dentárias em ambos os lados.

Por que temos dentes sisos?

Na época pré-histórica, os humanos tinham mandíbulas enormes (e fortes) e esses dentes ajudavam na mastigação de alimentos duros, como carne crua e plantas. Então, os terceiros molares eram necessários e tinham bastante espaço para erupcionar. Avançando através da evolução, temos um dilema: o tamanho da mandíbula do homem moderno menor, uma melhor saúde dental e a não necessidade de mastigar alimentos tão resistentes tornam menos provável para os dentes siso erupcionarem e entrarem em uma posição funcional. Ou seja, com a evolução nossa alimentação ficou mais macia e mais fácil de mastigar, consequentemente nossa estrutura óssea é menor, não tendo espaço para erupção da maioria dos casos de siso, levando à indicação de sua remoção.

O dente do siso completa a sua formação entre as idades de 15 a 25 anos, variando de paciente para paciente, por isso, nem sempre encontram espaço suficiente para sua erupção e podem trazer uma série de problemas indesejáveis para a saúde bucal. Muitas vezes, os dentes do siso ficam presos ou encaixados no osso ou no dente da frente deles ou simplesmente não saem. Isto pode causar sobreposição ou deslocamento de outros dentes ou levar ao desenvolvimento de cárie dentária localizada. Se o dente erupcionar parcialmente, ele pode vir a gerar um quadro infeccioso inflamatório, que é conhecido por pericoronarite, gerando muita dor (uma das maiores dores de dente), inchaço facial, inchaço na gengiva, mau odor e irritação local. Além de todos estes itens, esses dentes ainda podem ser responsáveis por fortes dores faciais e enxaquecas por comprimir os feixes nervosos, dependendo da sua posição dentro dos ossos maxilares.

Se a partir dos 17 anos de idade tais dentes ainda não tiverem dado sinais de erupção, é necessário procurar o dentista para uma cuidadosa avaliação, e estando indicada a cirurgia de extração, esta deve ser realizada por cirurgião dentista que domine corretamente esse procedimento.

A extração do siso pode ser simples ou complexa, o que vai depender é sua posição, localização e situação dele dentro do osso e com relação aos dentes vizinhos.

Por isso que é extremamente importante uma radiografia panorâmica ou até mesmo uma tomografia, para poder analisar corretamente o dente do siso com as estruturas adjacentes a ele.

O pós-operatório vai depender muito do paciente (seu estado geral de saúde), da localização e principalmente da mão do cirurgião dentista, isto mesmo, pois cada profissional tem uma forma de trabalhar e manipular os tecidos na hora da cirurgia. Como vocês observam, são várias as variantes para uma recuperação, mas geralmente quem tem que garantir o resultado desse procedimento é seu dentista. Por isso consulte um dentista de sua confiança, que tenha como prioridade um atendimento humanizado e muito focado no excelente resultado para seus cliente. Garanto que é muito tranquila a extração do dente do siso, pelo menos meus cliente nunca reclamaram.

E aí, gostaram desse vídeo? Então compartilhe e qualquer dúvida me mande um direct no meu Instagram @marcopolosiebra. Que terei maior prazer em te ajudar.

Muito obrigado, até o próximo vídeo.

(*) Marco Polo Siebra é odontólogo há mais de 30 anos, Especialista em: Prótese Dentária; Odontogeriatria; Implantodontia. É Master Coach Pela FEBRACIS (Federação brasileira de Coaching Integral Sistêmico), Ministrante dos Cursos: Pode da Ação; Poder e Alta Performance; Jeito de Viver Família; Educar, Amar e Dar limites; Decifre e Influencie Pessoas; Coach de Carreira; Analista de Perfil Comportamental; Processo de Coaching Individual; Processo de Coaching em Grupo; Especialista em “Neurociência e Performance Humana” na Faculdade FEBRACIS; Presidente da Liga de Neurociência da Febracis Pós-graduações; Coordenador de um Grupo de Apoio para familiares e cuidadores de pessoas com Alzheimer. Hoje tem como principal missão e propósito de vida impactar e transformar pessoas de forma que concretizem seus sonhos e objetivos em todas as áreas da vida.

Nos siga no Google Notícias