A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 22 de Outubro de 2017


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


05/08/2015 06:00

Assessor "previu" tumulto na Câmara pelo WhatsApp

Edivaldo Bitencourt

Provocação – O tumulto na Câmara Municipal começou com provocações causadas por guardas municipais a paisana. Eles provocaram os manifestantes durante toda a sessão, que durou 30 minutos, incluindo-se o discurso do presidente da ACP, Geraldo Alves Gonçalves.

Tenso – Os professores até ignoraram a provocação. No entanto, os agentes patrimoniais usaram apitos e até mostraram o dedo para as professoras. Nilton Lima, acusado de ser o pivô da briga, discutiu e empurrou a professora Zélia Aguiar. A agressão causou a reação dos demais professores e o tumulto teve início.

Tática – Com a prisão do professor Marcelo Araújo, a Guarda Municipal conseguiu esvaziar o plenário da Câmara dos Vereadores. Parte dos professores foi até a 3ª Delegacia de Polícia. O restante se dirigiu até a Casa da Mulher Brasileira, onde Zélia foi registrar a agressão.

Previsão – No domingo à noite, o jornalista Eliezer Davi, assessor informal do prefeito Gilmar Olarte (PP), previu o tumulto na Câmara Municipal. Após aconselhar todo mundo ir à igreja, ele anunciava, pelo WhatsApp, que haveria surra e reação contra as denúncias feitas na Operação Lama Asfáltica, da Polícia Federal.

Coincidência – O guarda municipal Ricardo Castelhano, que seria motorista de Olarte, acompanhou toda a manifestação na manhã de ontem na Câmara Municipal. Ele estava à paisana e, praticamente, no meio do tumulto que terminou com a prisão de Marcelo.

Análise – O vereador Chiquinho Telles (PSD) admitiu, ontem, que entende a revolta da população. “O cidadão que entra na política e de repente fica rico, alguma coisa errada deve fazer, caso viva só de política. Isso o povo não aceita”, comentou.

Pronto – O deputado estadual Ângelo Guerreiro (PSDB) já está preparado para enfrentar a união do PT e PMDB pela prefeitura de Três Lagoas em 2016. Candidato a prefeito, ele prevê que um peemedebista será o cabeça da chapa adversária.

Nova visita – A Comissão da Assembleia Legislativa vai realizar nova visita a obra do Aquário do Pantanal nesta semana. Segundo o deputado Lídio Lopes (PEN), eles vão acompanhar a rescisão dos operários, que foram demitidos pela Proteco após a empreiteira ser afastada do empreendimento.

Intervenção – O presidente da Assembleia, Junior Mochi (PMDB), cogita mediar um acordo entre os professores em greve e a Prefeitura de Campo Grande. Ele vai pedir que a Comissão de Educação busque um entendimento para acabar com a greve, que já completou dois meses.

Sem prazo – A Egelte já foi notificada para assumir a obra do Aquário do Pantanal, orçada em R$ 230 milhões. No entanto, a empreiteira ainda não respondeu se topa retomar os trabalhos. O Governo estadual aguarda a resposta da empresa para decidir os rumos do empreendimento, que entrou de vez na mira da Polícia Federal.

(colaboraram Antonio Marques, Aline dos Santos e Leonardo Rocha)

Crise da JBS rouba atenção de Temer
Foco na JBS - No Governo do Estado, a vinda do presidente Temer a Mato Grosso não teve a mobilização típica de visitas anteriores de presidentes. Na ...
Temer oscilou sobre decisão de vir para agenda em MS
Às pressas – A vinda do presidente Michel Temer para Mato Grosso do Sul neste sábado foi confirmada em cima da hora. A coluna apurou que tudo indicav...
Detran de MS avalia adesão a parcelar multa no cartão
Ainda não sabemos – O Detran de Mato Grosso do Sul avalia se vai fazer convênios que permitam parcelamento de multas no cartão de crédito. A autoriza...
Delcídio foi "fantasma" em sessão que manteve Aécio
Lembrado – O ex-senador e ex-petista Delcídio do Amaral está longe do Senado desde maio de 2016, quando foi cassado, mas nesta terça-feira foi bastan...



Já está ficando feio isso...
 
Guaraci Mendes em 05/08/2015 16:31:14
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions