A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


05/08/2015 06:00

Assessor "previu" tumulto na Câmara pelo WhatsApp

Edivaldo Bitencourt

Provocação – O tumulto na Câmara Municipal começou com provocações causadas por guardas municipais a paisana. Eles provocaram os manifestantes durante toda a sessão, que durou 30 minutos, incluindo-se o discurso do presidente da ACP, Geraldo Alves Gonçalves.

Tenso – Os professores até ignoraram a provocação. No entanto, os agentes patrimoniais usaram apitos e até mostraram o dedo para as professoras. Nilton Lima, acusado de ser o pivô da briga, discutiu e empurrou a professora Zélia Aguiar. A agressão causou a reação dos demais professores e o tumulto teve início.

Tática – Com a prisão do professor Marcelo Araújo, a Guarda Municipal conseguiu esvaziar o plenário da Câmara dos Vereadores. Parte dos professores foi até a 3ª Delegacia de Polícia. O restante se dirigiu até a Casa da Mulher Brasileira, onde Zélia foi registrar a agressão.

Previsão – No domingo à noite, o jornalista Eliezer Davi, assessor informal do prefeito Gilmar Olarte (PP), previu o tumulto na Câmara Municipal. Após aconselhar todo mundo ir à igreja, ele anunciava, pelo WhatsApp, que haveria surra e reação contra as denúncias feitas na Operação Lama Asfáltica, da Polícia Federal.

Coincidência – O guarda municipal Ricardo Castelhano, que seria motorista de Olarte, acompanhou toda a manifestação na manhã de ontem na Câmara Municipal. Ele estava à paisana e, praticamente, no meio do tumulto que terminou com a prisão de Marcelo.

Análise – O vereador Chiquinho Telles (PSD) admitiu, ontem, que entende a revolta da população. “O cidadão que entra na política e de repente fica rico, alguma coisa errada deve fazer, caso viva só de política. Isso o povo não aceita”, comentou.

Pronto – O deputado estadual Ângelo Guerreiro (PSDB) já está preparado para enfrentar a união do PT e PMDB pela prefeitura de Três Lagoas em 2016. Candidato a prefeito, ele prevê que um peemedebista será o cabeça da chapa adversária.

Nova visita – A Comissão da Assembleia Legislativa vai realizar nova visita a obra do Aquário do Pantanal nesta semana. Segundo o deputado Lídio Lopes (PEN), eles vão acompanhar a rescisão dos operários, que foram demitidos pela Proteco após a empreiteira ser afastada do empreendimento.

Intervenção – O presidente da Assembleia, Junior Mochi (PMDB), cogita mediar um acordo entre os professores em greve e a Prefeitura de Campo Grande. Ele vai pedir que a Comissão de Educação busque um entendimento para acabar com a greve, que já completou dois meses.

Sem prazo – A Egelte já foi notificada para assumir a obra do Aquário do Pantanal, orçada em R$ 230 milhões. No entanto, a empreiteira ainda não respondeu se topa retomar os trabalhos. O Governo estadual aguarda a resposta da empresa para decidir os rumos do empreendimento, que entrou de vez na mira da Polícia Federal.

(colaboraram Antonio Marques, Aline dos Santos e Leonardo Rocha)

Reinaldo apoia crescimento dos evangélicos
Decisão divina - Palestrante principal do Fórum Evangélico realizado nesta segunda-feira em Campo Grande, a cantora e pastora Damares Alves disse que...
2018 será ano mais curto para o Legislativo
Três meses – Carnaval, Semana Santa, campanhas eleitorais, Copa... Tudo isso encurta 2018 para os trabalhos legislativos. A observação é de Fábio Tra...
Máfia do Cigarro passa quase livre nas estradas
Esquema antigo - A atuação da Máfia do Cigarro em Mato Grosso do Sul vem de décadas e, de tempos em tempos, surge uma nova denúncia envolvendo polici...
MS também tem "bunker" cheio de dinheiro
Versão tupiniquim - O “bunker”de Geddel Vieira, que escondeu R$ 51 milhões de propina, tem versão pantaneira. Paredes de apartamento de um político e...


Já está ficando feio isso...
 
Guaraci Mendes em 05/08/2015 16:31:14
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions