A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 18 de Setembro de 2018

19/07/2018 08:54

Patrimônio esquecido, administração tenta parcerias para movimentar museu

Lugar que conta a história do fundador José Antônio Pereira recebe praticamente apenas estudantes

Willian Leite
Adriano está fechando parcerias para fortalecer a autenticidade do museu e trazer visitantes. (Foto: Paulo Francis)Adriano está fechando parcerias para fortalecer a autenticidade do museu e trazer visitantes. (Foto: Paulo Francis)

Desde dezembro de 2017, Adriano Souza Ramos busca parceiros e ações para transformar o Museu José Antônio Pereira em um centro vivo de cultura e história em Campo Grande. Na região do bairro Lageado, em Campo Grande, as visitações são raras. Há seis meses na direção, ele percebe que uma das principais dificuldades é a falta de interesse das pessoas em ocupar o espaço.

“Em 2016 eu fiz dois eventos aqui no museu nos meses de setembro e outubro, foi aí que me envolvi e quando surgiu à oportunidade eu me dispus em vir pra cá e começar um trabalho de disseminação da facilidade que as pessoas têm de conhecer a história da cidade, mas que não aproveitam”, explica.

Adriano está a menos de um ano na gestão mas, da show de informações. (Foto: Paulo Francis)Adriano está a menos de um ano na gestão mas, da show de informações. (Foto: Paulo Francis)
Na sala da casa os antigos objetos ficam expostos. (Foto: Paulo Francis)Na sala da casa os antigos objetos ficam expostos. (Foto: Paulo Francis)

Adriano diz que este ano apenas na semana dos museus, evento nacional, o lugar se movimentou, apesar de abrir todos os dias, das 8h às 17h.

“Criei as redes sociais do museu e, inclusive, falei com os presidentes de bairros, postos de saúde e escolas do entorno para que incentivem os moradores a vir. Este ano, por exemplo, consegui trazer a banda municipal em apresentação única para pacientes dos CAPs, foi um sucesso, todo mundo gostou e quero que isso se repita mais vezes a assim conseguiremos efetivar nosso trabalho”.

Com agosto chegando, mês de aniversário da Capital, o desafio é aproveitar a época de maior procura, principalmente, de escolas, para mostrar que o museu é patrimônio e precisa ser valorizado.

“Nos próximos dias estou preparando uma exposição do construtor português que veio para Campo Grande, Manoel Seco Tomé, estamos em fase de pesquisa. A família já me recebeu e me disponibilizou fotos que vamos usar nesse acervo que será exposto, mas sempre com esse vínculo que remete à Capital”, esclarece.

Outro projeto é a parceria com universidades públicas, disponibilizando o espaço para que os alunos façam exposições temporárias. “Quero mesclar esse acervo e quando os visitantes vierem em um mês e voltarem no outro não vão encontrar as mesmas peças”, enfatiza.

De janeiro a junho, o lugar recebeu quatro mil pessoas entre turistas e estudantes de escolas públicas, mas poucos campo-grandenses interessados em conhecer a morada do fundador da cidade. "A maioria é de turistas que vem de fora, porque são pessoas que geralmente tem mais instrução e se interessam por vir".

Mas parte importante dessa responsabilidade é da própria prefeitura, porque o museu não abre aos fins de semana, por falta de servidores. "Já estamos abrindo processo para contratação de 2 funcionários para abrir também aos sábados e domingos", relata.

Quem passa pela Avenida Guaicurus enxerga a casa que se tornou museu. (Foto: Paulo Francis) Quem passa pela Avenida Guaicurus enxerga a casa que se tornou museu. (Foto: Paulo Francis)
A replica do carro de boi, veículo usado para trazer a família de colonizadores para Campo Grande. (Foto: Paulo Francis)A replica do carro de boi, veículo usado para trazer a família de colonizadores para Campo Grande. (Foto: Paulo Francis)

Para o mês de agosto mais uma parceira foi fechada com o Consórcio Guaicurus, que irá disponibilizar ônibus para que os estudantes visitem o local. "No início do mês eu consegui trazer uma escola aqui por meio dessa parceria, e assim queremos crescer neste relacionamento para que possamos encher esse lugar, essa é a intenção", diz Adriano.

Com a Universidade Federal de Mato Grosso do Sul também há projetos de parceria com professores que vão trabalhar com desenhos das árvores que cercam o musei. "Espero definitivamente que os olhos da população se virem para cá, porque isso aqui é história e deve ser explorada", finaliza. 

Curta o Lado B no Facebook e Instagram. 



Domingo, dia 15/07/2018, fui levar algumas pessoas para conhecer, estava tudo trancado, desde portão, enfim tudo, é uma pena o poder público não deixar a população conhecer e fazer uso, vejo com tristeza, pois em outras cidades que já visitei, existe um prazer em mostrar a história da cidade.
Obs.: Mesmo com todos os portões fechados algumas pessoas conseguiram entrar e conhecer o "pouco" que estava a mostra. Uma pena!!
 
pedro medeiros em 19/07/2018 15:54:15
imagem transparente

Classificados


Copyright © 2018 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.