A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 25 de Junho de 2017

17/04/2013 08:50

Sem-terra promovem bloqueios em três rodovias nesta quarta no Estado

Francisco Júnior e Edivaldo Bitencourt
Bloqueio ontem causou congestionamento de 20 quilômetros (Foto: Divulgação)Bloqueio ontem causou congestionamento de 20 quilômetros (Foto: Divulgação)

Pelo segundo dia, manifestantes do movimento sem-terra bloqueiam três rodovias que cortam Mato Grosso do Sul. A interdição acontece em três trechos, incluindo corredor importante, como a BR-163, entre Campo Grande e Nova Alvorada do Sul. O bloqueio é maior na BR-267, na altura do quilômetro 190, em Nova Andradina. 

De acordo com a PRF (Polícia Rodoviária Federal), cerca de 150 pessoas participam da manifestação naquele trecho, perto do Distrito de Casa Verde. A estrada está totalmente interditada e não há previsão de liberação do trânsito no local. Ontem, esse mesmo trecho já havia sido bloqueado e provocou um congestionamento de 20 quilômetros.

No entanto, um dos coordenadores do MST (Movimento dos Sem-Terra), Jonas Carlos da Conceição, o bloqueio é por 21 minutos. Após este tempo, o grupo está liberando o tráfego. 

Outra rodovia federal que está sendo alvo dos manifestantes é a BR-163, entre o distrito de Anhanduí e Nova Alvorada do Sul. Cerca de 300 famílias participam do protesto. Eles bloqueiam a rodovia para entregar panfletos e alimentos aos motoristas.

Duas rodovias estaduais também foram bloqueadas pelos sem-terra. Por volta das 6 horas, um grupo bloqueou a passagem de veículo no KM 365 da MS-060, distante cerca de 10 quilômetros de Campo Grande, na saída para Sidrolândia.

Segundo a PRE (Polícia Rodoviária Estadual), a rodovia já foi liberada, mas os manifestantes permanecem às margens da via e podem bloqueá-la novamente.

Conforme a PRE, a MS-164, próximo a cidade de Ponta Porã, no sul do Estado, também pode ser interditada pelos sem-terra. Um grupo de manifestantes está no local, mas ainda não fizeram nenhum bloqueio.

O protesto faz parte do "Abril Vermelho" do grupo, que cobra a retomada da reforma agrária no Estado e o fim da impunidade no campo, informou um dos coordenadores do MST em Mato Grosso do Sul, Jonas Carlos da Conceição.

 




Neste País, alguns elementos acham que estão acima da lei, de todos e logo vão começar a achar que estão acima do País, das liberdades e direitos individuais, do estado de direito e até de Deus. São grupos de baderneiros que contam com o apoio do governo, recebem dinheiro da União, comida e etc, para fazerem o que querem. Não respeitam nem a Constituição. E os governos municipais, estaduais e federal, não estão nem aí para a população que paga os seu salários. Nós otários, cumpridores da lei, somos obrigados a conviver com os nossos direitos sendo jogados na privada. Até quando os baderneiros vão fazer o que querem? Até quando o governo e a justição vão permitir isto?
 
Rogério Martins em 17/04/2013 13:02:48
Essa é a herança do Lula...
 
Paulo Calderan em 17/04/2013 12:23:46
cade a polícia nesses casos?, bloqueando o direito de ir e vir da população? as policias não esta com nada mesmo, piada.
 
joel dos santos em 17/04/2013 10:34:04
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions