A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

14/05/2015 11:36

Com salário 24% menor, terceirização é retrocesso, diz superintendente

Viviane Oliveira
A lei da terceirização para atividade-fim é um absurdo para qualquer categoria, segundo o superintendente do trabalho em MS, Yves.  (Foto: Marcelo Calazans) A lei da terceirização para atividade-fim é um absurdo para qualquer categoria, segundo o superintendente do trabalho em MS, Yves. (Foto: Marcelo Calazans)

"A gente não pode aceitar o retrocesso trabalhista em função de uma modernização da economia, para competir com o mercado internacional". A frase é do superintende do SRT (Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de Mato Grosso do Sul), Yves Drosghic, sobre o projeto de lei que regulamenta contratos de terceirização no mercado do trabalho para qualquer atividade. O texto, que foi aprovado no começo do mês passado na Câmara dos Deputados, tramita para votação no Senado Federal.

Veja Mais
Após votar contra Governo, PDT põe advogado em órgão federal
Lei da terceirização sofrerá muitas mudanças no Senado, diz Delcídio

De acordo com o superintendente, a lei da terceirização já é fato consumado na economia do Brasil. No entanto, o que preocupa é a terceirização em postos relacionados à atividade-fim (atividade principal) e não somente as atividades-meio (limpeza e segurança) como acontece atualmente nas empresas e órgãos públicos. “As grandes corporações empresariais e outras federações defendem o projeto como uma forma de agilizar o trabalho, diminuir a burocracia e ser bom para a economia”, diz.

Porém, estudos apresentados pelas centrais sindicais mostram que os terceirizados ganham, em média, um salário 24% menor do que os empregados formais. Além disso, trabalham até três horas a mais por dia. “Quem ganha com a lei da terceirização para atividade-fim é o empresario, porque para o trabalhador é prejuízo”, afirma.

Conforme o superintendente, a maior parte dos acidentes de trabalho acontece com o trabalhador terceirizado. Na terceirização, uma empresa prestadora de serviços é contratada por outra empresa para realizar serviços determinados, ou seja não há vínculo empregatício entre a empresa contratante com os trabalhadores das prestadoras de serviços. “A presidente Dima Rousseff (PT) já se posicionou contra no que diz respeito a terceirização fim”, destaca.

Yves acredita que haverá mudança no texto antes de ser aprovado. “Regulamentar é importante, agora eles [deputados federais] querem aproveitar o caminho da regulamentação e estender para atividade-fim, isso preocupa muito”. Agora, caberá  ao Senado a apreciação do projeto, se ele for alterado pelos senadores, a matéria terá que voltar à Câmara para nova apreciação dos deputados.

Confira abaixo as mudanças previstas no projeto da terceirização. 

Ilustração divulgada pela Câmara dos Deputados.Ilustração divulgada pela Câmara dos Deputados.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions