A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

02/07/2014 12:07

Falta de documentos impede conclusão de inquérito sobre incêndio que matou 6

Caroline Maldonado
Edson confessou que colocou fogo para matar a família (Foto: A Gazeta News)Edson confessou que colocou fogo para matar a família (Foto: A Gazeta News)

Prevista para hoje (2), a conclusão do inquérito do incêndio criminoso que matou seis pessoas em uma conveniência, em Coronel Sapucaia, a 400 quilômetros de Campo Grande, ainda não foi possível, segundo o delegado responsável pela investigação, Leandro Costa de Lacerda Azevedo. O motivo, de acordo com o delegado, é a burocracia que impede que ele tenha acesso a documentos necessários ao fechamento do inquérito. O prazo vence em 30 dias, mas o delegado pretende encerrar a investigação antes desse tempo

Veja Mais
Reconstituição de incêndio que matou seis pessoas atrai populares em MS
"Nossa mãe foi parar na UTI", diz irmã de mecânico preso por mortes em incêndio

O mecânico Edson da Silva, 34 anos, confessou ter provocado o incêndio no dia dois de maio, no município que fica a 400 quilômetros de Campo Grande. Ele usou gasolina da própria moto para por fogo na casa, depois de golpear a esposa, os filhos, o enteado, a sogra e cunhado. Edson foi preso no dia 10, na casa de uma irmã em Naviraí.

Familiares disseram à Polícia que havia aproximadamente R$ 50 mil na casa, mas como a investigação nao encontrou pistas desse dinheiro, o delegado disse que pretende encerrar o inquérito, indiciando Edson com base na reconstituição do crime. "Já temos a confissão e as provas necessárias, mas faltam documentos que estou esperando para concluir o inquérito e apresentar ao Ministério Público", afirmou. 

Morreram a proprietária do estabelecimento, Rosângela dos Santos, 53 anos, e os dois filhos dela, Alessandro dos Santos, 18 anos, e Vanusa dos Santos, 27 anos, que era esposa de Edson. Também morreram os filhos de Vanusa: Tiago, 10 anos, Sabrina, 5 anos, e Estephanie, 9 meses. Os dois menores eram filhos do mecânico.

Segundo o delegado, Edson será indiciado por seis homicídios qualificados com uso de fogo, o que, considerando a pena máxima, prevê 180 anos de cadeia, 30 anos por vítima. 

O crime - Na recontituição, Edson contou que brigou com a esposa por motivo de ciúmes e deu uma paulada na cabeça dela, na madrugada do dia dois.

A sogra, Rosângela e o cunhado Alejandro, acordaram com a confusão e foram até o quarto do casal ver o que havia acontecido. Nesse momento, eles também foram golpeados. Edson disse que o cunhado foi agredido por duas vezes, uma no braço e outra na cabeça. Os três desmaiaram.

Depois disso, ele arrastou a sogra e o cunhado para um dos quartos, foi até o cômodo onde estavam as crianças e golpeou primeiro o menino de 10 anos e depois os outros dois filhos deles.

Ele então colocou a mulher e as crianças no banheiro e ficou perambulando pela casa, quando ouviu a criança mais velha dizer “tio não me mate”. Ele voltou no banheiro e deu mais uma paulada na cabeça das duas crianças mais velhas.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions