A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

09/12/2014 16:44

Índios invadem fazenda e produtores denunciam emboscada

Helio de Freitas, de Dourados
(Foto: Reprodução vídeo)(Foto: Reprodução vídeo)

O clima é tenso no município de Caarapó, onde índios e produtores rurais estão em vias de um confronto armado por causa de uma propriedade rural invadida na manhã de domingo. A situação se agravou depois que um grupo de índios teria tentado atacar o proprietário da fazenda.

Veja Mais
Fazendeira desiste de ação contra índios e pede 90 dias para tirar gado
Índios avisam em carta que vão continuar lutando por terra tradicional

Na tarde desta segunda-feira, mensagem postada na internet, na rede social Facebook pela “comunidade Aty Guaçu”, denuncia que os produtores rurais estariam cercando o acampamento. Na Funai (Fundação Nacional do Índio) em Dourados ninguém foi encontrado nesta tarde.

O grupo de índios de etnia ainda desconhecida invadiu a fazenda Nossa Senhora Aparecida, no município de Caarapó, no domingo. A propriedade fica ao lado da aldeia Tey Kuê (Te'yikue), mas os índios não seriam dessa área e existem suspeitas de que eles tenham saído de Dourados para ocupar a fazenda.

Registro - Ontem à tarde, o proprietário da fazenda, Ademir Bachi, procurou a delegacia da Polícia Civil em Caarapó e denunciou ter sido atacado pelos índios quando deixava a propriedade, no domingo, após ir à fazenda para aplicar defensivo na lavoura de soja. Ele estava acompanhado do amigo e também produtor rural naquela região, Olavo Trindade Caneppele. Os índios atiram flechas contra a caminhonete de Olavo, uma Hilux preta.

Maria Andréia de Matos Caneppele, mulher de Olavo, que também estava na caminhonete com a filha e o genro, gravou com o celular o momento em que os índios tentaram parar o veículo e um deles dispara uma flecha na Hilux.

Ação - De acordo com o site Caarapó News, pelo menos 40 índios estão na fazenda e o grupo que atacou os fazendeiros estaria numa Parati, com placas de Dourados. As pessoas que estavam na caminhonete relataram terem visto um dos índios com uma arma de fogo na mão. Barracos já teriam sido montados na propriedade.

“Fiquei o dia todo na polícia e a Força Nacional nos diz que só podem ir até o local com ordem de Brasília, eles estão pouco se lixando conosco”, afirmou Olavo Caneppele ao site de notícias de Caarapó.

Nesta terça-feira, o Cimi (Conselho Indigenista Missionário) divulgou nota afirmando que houve uma tentativa de atropelamento de um índio que estaria de motocicleta pelo condutor da caminhonete Hilux. Segundo a entidade ligada à igreja católica, o fato gerou clima de indignação e revolta no local. “Por sorte o indígena conseguiu pular da motocicleta e passa bem”, diz a nota.

Conforme o Cimi, os índios são da etnia Kaiowá e o grupo seria formado por cerca de 300 pessoas. “No Mato Grosso do Sul, enquanto os procedimentos demarcatórios seguem parados ou sendo eternamente analisados, os poucos recursos naturais que sobreviveram há anos de esbulho vão sumindo no horizonte. Pouco a pouco, a céu aberto e sem nenhuma vergonha, o mato e os vales sagrados dos territórios ancestralmente ocupados pelos povos originários vão se transformando em monótonos e danosos campos de monocultura e de devastação”, diz a nota.

Veja o vídeo gravado pela esposa de Olavo:




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions