A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

07/12/2011 19:33

PF aguarda laudo sobre material recolhido em local de atentado

Nadyenka Castro e Marta Ferreira

Análise científica está sendo feita em Brasília e a previsão é que esteja concluída na sexta-feira

Ritual de índios em recepção à imprensa no acampamento Guaiviry. Filho de Nísio liderou o rito. (Foto: João Garrigó)Ritual de índios em recepção à imprensa no acampamento Guaiviry. Filho de Nísio liderou o rito. (Foto: João Garrigó)

A PF (Polícia Federal) aguarda laudo sobre o material genético recolhido no local do atentado contra indígenas, no acampamento Guaiviry, em Aral Moreira, a 364 quilômetros de Campo Grande, ocorrido na manhã do dia 18 de novembro.

A perícia está sendo feita em Brasília e a previsão é que seja concluída até sexta-feira. Entre as análises que estão sendo realizadas está a de DNA no sangue encontrado no local, que irá revelar de quem é o material.

O ataque deixou dois índios feridos e um desaparecido, o líder espiritual do grupo guarani-kaiowá Nisio Gomes.

No local do atentado foram recolhidos projéteis não letais. Os índios afirmam que Nisio executado e levado em uma caminhonete pelos autores.

Dois índios que estavam no local com Nisio Gomes e foram feiros estão sob proteção policial. Segundo a PF, só eles presenciaram o ataque. Isso destoa do relato inicial, de que vários índios presenciaram pistoleiros entrando no acampamento.

Após o atentado, a quantidade de índios no local aumentou e o acampamento passou a ter proteção da Força Nacional de Segurança. A área, pertencente à fazenda Nova Aurora, está em fase de estudo para ser demarcada como terra indígena.

Três suspeitos de envolvimento no ataque foram presos, mas, já estão em liberdade.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions