A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

28/05/2013 20:08

Estopim para ataque contra gays, pichação também é condenada na UFMS

Jéssica Benitez
Para o estudante a pichação não é a melhor forma de protesto (Foto: Marcos Ermínio)Para o estudante a pichação não é a melhor forma de protesto (Foto: Marcos Ermínio)

As opiniões divergem quando o assunto é a postura adotada pelo professor universitário, Kleber Kruger, que fez ataques contra gays no Facebook. Mas no que diz respeito ao estopim para a revolta radical do docente,  as pichações, a posição é unanime: "desnecessárias". “Aqui ninguém é preconceituoso, mas existem tantas outras formas de protestar como trazer faixas ou organizar passeatas, palestras, por exemplo, essa depredação não leva a nada”, opinou o estudante do 6° semestre de Engenharia Elétrica, Rodrigo Calunga, 24 anos.

Veja Mais
Professor que ofendeu gays no Facebook pede demissão da UFMS
UFMS avalia postagem de professor contra "bichonas" e ele pode ser demitido

A caloura do rapaz, Jerusa Borges, 19 anos, no 5° semestre do mesmo curso, compartilha o posicionamento do colega. Para a jovem, mesmo que a mensagem externada através da pichação seja boa, não é suficiente para justificar o modo como ela foi posta aos alunos.

Um grupo de universitários reafirma parte do que foi dito pelo professor,  joga a responsabilidade em cursos de Humanas, os tais "coloridos" ditos na mensagem do professor nas redes sociais. Mas ninguém quer se identificar por motivos óbvios. “O pessoal de Exatas não faz essas coisas, isso tem característica de ser coisa de humanas mesmo, eles se envolvem mais nestas causas”, disse um deles fazendo referência aos alunos que fazem parte dos cursos de ciências humanas.

Expressão condenada – No último domingo Kleber utilizou sua página na rede social Facebook para opinar acerca das pichações no bloco de cursos de Ciências Exatas na UFMS. Sem medir direito o que escreveu, o professor usou palavras de baixo calão e expressões preconceituosas para acusar determinados alunos de depredarem o campus.

“Hoje cheguei na Federal e encontrei algumas paredes dos cursos de computação e engenharia pichadas com frases como: ‘O amor homo é lindo!’, ‘Homosexualismo é lindo!’, ‘Fora machismo!’... aaah! se fuderem seus *viados fila da puta!”, postou. Kleber continua, pedindo o fim de alguns cursos que considera “coloridos”.

“Aí, nas paredes daqueles cursos formadores de bichonas tá tudo limpo! Depois eu falo que tinha que pegar aqueles cursos de gente colorida e fechar tudo! E saio rotulado como preconceituoso, porque tá na moda defender homossexualismo.”

O caso ganhou repercussão nacional resultando a exclusão do Facebook de Kleber, bem como o pedido de demissão por parte do professor. Ele era contratado como substituto no campus da UFMS em Ponta Porã.

E, mesmo o desfecho da história resultando na saída dele, alguns alunos não “perdoaram” Kleber. “Faz um tempão que as paredes estão pichadas e só agora ele foi reclamar? Não precisava ter feito isso porque a atitude dele não iria refletir no pensamento dos alunos, ele poderia ter dito de outra forma”, avaliou a universitária do 1° semestre de Engenharia Ambiental, Isadora Estrela, 16 anos.

A colega de sala da jovem, Nathiele Rossine, 18 anos, considera a postura do professor inaceitável. “Ele deveria ter guardado a opinião dele para si mesmo. Nem com outras palavras, nem em outras expressões ficaria legal essa mensagem”, opinou.




' Puts cara, será que ás pessoas não vão parar e entender o que acontece, um exemplo a Allana Fontenelle, nossa você arrasou no que disse, sem nem más palavras! Eu ocupas o comentário da Allana para relatar minha visão sobre esta covardia do ser humano. Obrigado pelo comentário quem ler e querer entender vai saber claramente o que é um homossexual.
 
PABLO GUIMARAES em 31/05/2013 14:15:00
Eu acho que assim, o professor errou no modo que ele se expressou, mas ele não está errado em expressar sua opinião.Não sou contra o homosexualismo, não tenho nada a ver com a opção sexual que o meu proxómo escolheu, mas eu o respeito, desde que ele me respeite.. Tenho certeza que se pichassem as paredes dizendo que "hetero é lindo" "amor hetero é lindo" os gays se sentiram ofendidos e isso seria visto como preconceito. Só acho que se você quer defender uma causa, tem "n" maneiras de se fazer sem ofender a ninguém. Ambos os lados erraram na maneira que se expressaram, mas quem está mais errado é quem julga esse professor por ele ser contra o homesexualismo, ele não é obrigado a aceitar, só a respeitar, e quem pichou as paredes não respeitou a ninguém, e pra mim, não merece ser respeitado.
 
Letícia Emmory em 30/05/2013 11:23:55
Engraçado, dizem: "quem é de Deus não aceita"...e quem são vcs para falar em nome de Deus? Se for o Deus do velho testamento, o mesmo que fala que devemos apedrejar adulteras, que não podemos comer carne de porco, que mandou um pai matar um filho só para provar seu amor...pode até ser, mas o Deus verdadeiro, de amor, esse não julga ninguém pela opção sexual. Mania que as pessoas têm de cuidar da vida sexual alheia, isso é falta de sexo, certeza...recalque no último! Desejo ao Jose Antonio Martins um filho ou filha gay, se não for um filho, um neto ou neta, para ele aprender a amar sem distinção, desejo tbém que ele entenda que casamento não é para gerar filhos apenas, se ele pensa assim, tenho pena da dignissima e frustrada esposa dele, que deve ter feito sexo apenas para procriação.
 
Afonso Neto em 29/05/2013 20:27:11
Esse professor é um moleque ridículo, com uma mente de ameba.
Pior é ler comentários dos seguidores do "professor"...mas, fazer o que se um gambá cheira o outro.
No lugar desse cara, pediria desculpa em rede nacional, mesmo assim, seria pouco pela grande bestera que fez.
Hoje até meu priminho de 3 anos ,sabe que tudo que vai a rede espalha igual polvora. Portanto, muita "ingenuidade", tentar justificar o injustificável. Queria se APARCER? pelo visto conseguiu.
A linguagem que o cara utilizou, para soltar a franga presa foi de última, parecia um mano "verboreizando".
 
Juan Charlymoon em 29/05/2013 12:07:18
Estamos no século XXI, pelo que me consta e as pessoas insistem em não querer entender que homossexualismo não é uma opçaõ sexual e sim uma condição humana.
Que ninguém gostaria de nascer diferente, de passar por tanta humilhação e desrespeito pelo fato de ser diferente sexualmente. Devemos pensar nos outros como pensamos nas pessoas que amamos e que poderiam estar nessa mesma condição homossexual, o que faríamos se fossem nossos filho, netos ou entes queridos.....jogaríamos ao vento, ou acolheríamos na compreensão e na dignidade de pessoa humana!........
 
Allana Fontenelle em 29/05/2013 11:16:38
Lendro Batista, muito pertinente seu comentário, digno de pessoa que utiliza com sabedoria sua massa encefálica.
Concordo com a liberdade de expressão, mas é necessário BOM senso ao expressar num veículo de comunicação, onde será visto por um grande número de pessoas., principalmente quando se é formador de opinião (professor, artista geral,etc..).
No caso desse professor, expressou de maneira chula, pejorativa, preconceituosa e radical. Que prova substancial, o mesmo detém para dizer que as pichações foram feitas por homossexuais? PICHAÇÃO é coisa de Vândalo independente de religião, sexo, raça...outra grande besteira dita, quando o "professor" refere a alguns cursos inferiorizando-os. Isso é papo de professor?
 
Neyde de Oliveira em 29/05/2013 10:05:14
é evidente que as pichações devem ser coibidas de alguma forma, e que está havendo uma dificuldade em se entender os limites da liberdade também é algo claro, mas a atitude do professor, ou melhor ex professor, totalmente desproporcional apagou todo o mal das pichações, levando-as para um plano secundário, talvez até mesmo as tornando justificáveis.
 
Fabiano Diniz em 29/05/2013 09:21:52
Quando eu leio um posicionamento de uma menina de 16 anos e outra de 18 anos, a idgnarem-se contra um professor (SR dos Absurdos), sinto que minha resposta foi dada a esse professor que não faz de modo algum jus a esse nobre titulo e com certeza é hoje motivo de vergonha para sua categoria.
 
Rosemeire Gomes Travasso em 29/05/2013 09:04:18
aeee, ótima matéria. achei que todo mundo já havia se esquecido que pichar não pode, assim como ser homofóbico :D
 
Paulo Guimarães em 29/05/2013 08:01:09
Aonde ta a liberdade de expressão? o professor não pode expor as suas ideias? é lógico que pode, todos nós podemos, afinal vivemos em um país democrático, pelo menos é o que eu acho. Então eu poso falar que sou a favor do homossexualismo mas não posso falar que sou contra, aonde estamos, na Coreia do Norte? na China... ou estamos no Brasil? Eu sou contra o homossexualismo e o casamento gay mas não critico quem é a favor, liberdade de expressão já, ou querem voltar pra época da ditadura?
 
Paulo Oliveira em 29/05/2013 07:59:22
aaah tá... continua o professor sendo o único prejudicado... os que pichou a universidade são todos uns anjos... o professor não pode usar sua própria página do facebook para declarar sua indignação, mas os gays, lindos e poderosos podem pichar os muros da universidade com o que quiser, dizendo o que bem entender, porque eles são homosexuais e contra isso ninguém pode falar nada... todos tem que aceitar como se fosse super normal pichar muros de universidades e etc.
 
Gessica Medeiros Costa em 29/05/2013 07:56:35
A grande pergunta é: será que foram mesmo homossexuais que picharam isso, ou foram homofóbicos sabendo que isso ia ter uma reação negativa por parte de todos?
 
Leandro Batista em 29/05/2013 07:50:19
Adeus à liberdade de expressão então. O professor exagerou sim nas palavras ao mostrar sua revolta, mas também quem pichou as paredes provocou. Outra coisa, o facebook é dele, ele posta o que ele quiser. Agora vão querer determinar o que se coloca ou não no facebook??
 
Juliana Alves em 29/05/2013 07:39:11
Essa historia já foi longe demais, com essa conversa sobre "crime de opinião", por mais que o professor tenha se expressado mal, ele postou em sua pagina pessoal pra seus amigos, então vejo um só culpado nesse caso, o pichador.
 
antonio souza em 28/05/2013 23:52:07
Concordo com o aluno, quando diz que ta na moda defender homossexualismo, Infelizmente temos uma TV Oficial (que não mostrou no horário nobre) a manifestação na França de milhares de pessoas nas ruas contra o casamento gay, vamos parar de defender a causa, voltem para o armário, casamento e entre um homem e uma mulher e que dessa união possa gerar ou não filhos, perpetuando a especie.....'Vamos descolorir o planeta urgentemente`
 
Jose Antonio Martins em 28/05/2013 22:25:39
Quem não concorda com o professor com certeza são da família dos coloridos, será que os pais já sabem dessa abominação? Quem é de Deus não aceita , nem concorda com isso.
 
helena da costa andrade em 28/05/2013 21:56:37
O pior de tudo isso é a "elite intelectual" não ter uma opinião inteligente sobre o ocorrido e apenas achar que foi essa ou aquela turma que fez as pichações.O que chama a atenção ao ocorrido é que um cidadão homo ou hetero manifestou sua opção sexual através de vandalismo e crime contra o patrimônio de todos nós e seremos nós que pagaremos a reforma através de impostos.O Brasil é um país democrático,é um direito aceitar ou não,mas o respeito às pessoas independe de suas opções.O cidadão que pichou as paredes se quiser nosso respeito apresente-se e repare seus erros, pinte novamente as paredes e aprenda a respeitar para ser respeitado.
 
Jorge Pantaneiro em 28/05/2013 20:36:44
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.