A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

19/05/2013 15:10

MPE quer a retomada imediata de inspeção veicular em Campo Grande

Nyelder Rodrigues
Consórcio Inspecionar venceu licitação para fazer o serviço na Capital durante 20 anos (Foto: Arquivo)Consórcio Inspecionar venceu licitação para fazer o serviço na Capital durante 20 anos (Foto: Arquivo)

O MPE-MS (Ministério Público Estadual) recomenda ao prefeito da Capital, Alcides Bernal (PP), que a inspeção e o controle de poluição veicular sejam imediatamente implantados em Campo Grande.

Veja Mais
Consórcio entra na Justiça contra Bernal para liberar inspeção veicular
TJMS revoga liminar que suspendeu contrato para inspeção veicular

A recomendação será publicada no Diário Oficial do MP desta segunda-feira (20), orientando a promoção dos planos, conforme a legislação em vigor. O prazo dado para que a Prefeitura responda por escrito sobre as providências tomadas é de 30 dias a partir da publicação.

Caso a recomendação, do promotor de justiça Fernando Martins Zaupa seja descumprida, o MP pode adotar medidas cíveis e criminais.

Uma cópia da recomendação foi enviada também à Câmara Municipal, para que se tome conhecimento da situação e alguma atitude seja tomada, por parte do legislativo, caso entenda necessário.

Imbróglio – A implantação do Plano de Controle de Poluição Veicular (PCPV) e do Programa de Inspeção e Manutenção de Veículos em Uso (PIMVU) ainda causa polêmica na Capital. No final do ano passado, o consórcio Inspecionar venceu licitação para operar o serviço.

Entretanto, alegando que o processo licitatório precisava sofrer uma nova análise, Bernal, recém empossado prefeito, suspendeu o contrato no dia 11 de janeiro, estando a situação em aberto até hoje. Na última segunda (13), o Inspecionar entrou na Justiça para derrubar a decisão de Bernal.

“O mandado de segurança é para cassar a decisão do prefeito sobre a suspensão do contrato”, afirma o advogado Jader Evaristo Tonelli Peixer. Na ação, o consórcio informa que o contrato não tem previsão do instrumento jurídico “aviso de suspensão”.

Além de nenhum representante do grupo ter sido ouvido anteriormente pelo prefeito, ferindo o princípio do contraditório. “Foi cometido um equívoco pelo Chefe do Executivo Municipal de Campo Grande”, diz o processo.

Na ação, distribuída na última sexta-feira à 2ª Vara de Fazenda Pública e de Registros Públicos, também foi repassado à Justiça dados sobre as inspeções.

“Há demonstrações do Laboratório Inaíra - USP de que para cada 480 veículos a diesel inspecionados uma vida é salva. Em Campo Grande há 71.188 veículos movidos a diesel (dados obtidos no site do Denatran), o que significa que a inspeção nos veículos a diesel tem um potencial de salvar nada menos que 148 vidas por ano”, informa o mandado de segurança. O processo é contra o prefeito e o secretário municipal de Administração, Ricardo Trefzger Ballock.

O consórcio Inspecionar é formado pelas empresas Ivex Inspeção Veicular Ltda (empresa líder), Otimiza Sistemas Ltda e Cotran Controle de Transportes. O valor da inspeção seria de R$ 67, que deveria ser pago anualmente, junto com o licenciamento.

A licitação foi aberta em novembro de 2012 e concluída em 19 de dezembro. Cerca de 25 empresas retiraram o edital, mas apenas o Consórcio Inspecionar apresentou proposta. A concessão é válida por 20 anos, com lucro estimado de R$ 503 milhões.

Ao assinar ao contrato 419/2012, em dezembro do ano passado, o consórcio pagou R$ 1 milhão para a Prefeitura, que corresponde a 10% do valor total da outorga: R$ 10 milhões. O restante será pago em 19 anos.




Acredito que o MP tem coisas melhores para fazer ou assuntos mais importantes que merecem toda o seu empenho e trabalho, do que esta questão da inspeção veicular em Campo Grande. Através de resolução de conselho federal do meio ambiente, desobriga Campo Grande, no presente momento, a dispor desse serviço para que a qualidade do ar seja mantida a índices adequados e que sejam monitorados a emissões de poluentes atmosféricos provenientes da queima de combustíveis fósseis. Ademais, insistir nesse assunto é perda de tempo, perda de dinheiro e de foco.
 
Flávio Márcio em 21/05/2013 07:30:39
O curioso é toda pesquisa ser baseada em veículos a DIESEL e o transporte coletivo não estar obrigado a fazer a inspeção, assim como os veículos oficiais também estarem desobrigados.
 
Adriano dos Santos em 20/05/2013 09:32:16
Imposto para salvar vidas!!!!! só pode ser piada!!! se o negocio e lucrativo deixa a prefeitura tomar conta!!! recebe 10 e a empresa 503 milhões...que negocio é esse?!!! Sim a PEC 37!!!
 
Roger Brites em 20/05/2013 08:41:23
Se o ministério publico pagar que mal tem em fazer a inspeção.
 
JOSE MANOEL VERA JACQUES em 20/05/2013 08:32:27
Será que MP também faz parte da máfia?
 
jorge miranda em 19/05/2013 22:44:01
Pela Lei nós não temos frota para isso. Também poderia ser feito pelo Detran e não ser cobrada porque já pagamos licenciamento e IPVA. É uma vergonha nacional.
 
luiz alves em 19/05/2013 20:46:19
E lá vem o MPE de novo! Eles poderiam brigar em prol da população e não contra. Afinal de contas, essa lei só obriga cidades com mais de UM MILHÃO de veículos fazer a inspeção veicular e nem a população da cidade chega a esse numero! Lamentável!
 
Fernando Augusto em 19/05/2013 20:06:53
Palhaçada. Querem na verdade levantar dinheiro, usam questões de ecologia e saúde para ludibriar a população, se realmente quisessem melhorias no meio ambiente começariam a pensar em resolver os problemas do lixão e outros nesta cidade. Se fosse questão de saúde porque colocar um custo não alto para os proprietários de automóveis, R$ 60,00, que absurdo, daria para cobrar no máximo uns R$ 30 reais, pois os equipamentos não são tão caros assim e o grande numero de carros pagaria facilmente. No final ficamos com nada, ruas ruins, poluição do lixão, carnaval de bandidos e nada de lazer e segurança, e o salário OHHHHH.
 
marcos araujo em 19/05/2013 19:31:34
Mais um método de arrancar dinheiro público e colocá-los nas mãos da iniciativa privada. Sorte de quem "ganhar" essa licitação, né?
 
Eduardo Saraíba em 19/05/2013 18:43:40
Isso vai beneficiar quem mesmo?
 
Antonino Tresvisões em 19/05/2013 18:28:50
LEI No 10.203, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2001.Conversão da MPv nº 2.053-35, de 2000
Dá nova redação aos arts. 9o e 12 da Lei no 8.723, de 28 de outubro de 1993, que dispõe sobre a redução de emissão de poluentes por veículos automotores, e dá outras providências."§ 2o Os Municípios com frota total igual ou superior a três milhões de veículos poderão implantar programas próprios de inspeção periódica de emissões de veículos em circulação, competindo ao Poder Público Municipal, no desenvolvimento de seus respectivos programas, estabelecer processos e procedimentos diferenciados, bem como limites e periodicidades mais restritivos, em função do nível local de comprometimento do ar."Este promotor ta de brincadeira né...vai cuidar da PEC 37.
 
ricardo terra lemos em 19/05/2013 17:47:41
pra que quer! pra aumentar o repassse constitucional. ou pra saude principalmente na area de oncologia ,que muita gente morreu por falta de atendimento adequado.
 
janilson cavalcante em 19/05/2013 17:23:42
O MPE esta ERRADO.
A legislação nacional exige este tipo de inspeção somente em cidades com frota de veiculos acima de 1 milhão. Campo Grande não chegou la ainda.
Pior ainda, a fiscalização implantado pelos moldes Paulistas (fiscalização em postos de um concessiorário que não fazem consertos nos carros, e funcionam a base de arrecadação e agendamento) é pessimo; em caso de problema no carro exige tres dias de atividade do dono de veiculo (levar ao posto, levar para manutenção e novamente levar para posto de fiscalização), atrapalhando demais quem tem emprego.
O modelo europeu, onde oficinas são credenciados e fiscalizados é muito mais eficiente: a competição entre oficinas mantem a taxa baixo, e a possibilidade de fazer o conserto la reduz os transtornos para os donos dos veiculos.
 
Marcos da Silva em 19/05/2013 17:03:50
Certamente estas outras concorrentes eram apenas de fachada. O negócio era dar um caráter de legalidade a mais uma falcatrua do Sr. Nelsinho. Porque que o MPE não vai dcra uma olhada neste processo. É brincadeira. Para onde você se vira......tá cheio de ....
 
jose luiz em 19/05/2013 16:02:57
Mas que absurdo, existem casos mais sérios que este que o MPE faz vistas grossas, deixando assim a instituição em descrédito pois dá entender que existem razões por detrás desse processo.
 
André Lima em 19/05/2013 16:01:51
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions