A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

27/12/2014 09:57

2015 - Que venha o pessimismo ensolarado.

Fábio Zugman

O fato de muita gente estar me pedindo dicas de como lidar com o ano que vem me leva a concluir que 2014 é um ano que não vai deixar saudades para muitos brasileiros. Inflação e juros para cima, atividade econômica para baixo. Muitos comerciantes e empresários reclamando da diminuição do movimento nos dois grandes eventos do ano, Copa e Eleições. Incertezas de um novo cenário internacional com novos conflitos entre grandes potências mundiais, e analistas mais uma vez errados (onde está o pessoal que falava que o petróleo nunca cairia abaixo de cem dólares novamente?).

Minha previsão para 2015: Um monte de analistas vai errar. Algum vidente vai prever que um avião vai cair em algum lugar do mundo, alguém vai jurar que 2015 será o pior ano da história (provavelmente depois de ter dito o mesmo sobre 2014, 2013 e assim por diante…).

No fim do ano, todo mundo vai se dar as mãos e dizer como se surpreendeu com o noticiário econômico, como o mundo é uma caixinha de surpresas e continuar ouvido os mesmos videntes em 2016.

O que fazer, então, face a tanta previsão e confusão?

Uma de minhas descobertas favoritas de meus estudos sobre criatividade é o termo “pessimismo ensolarado”. Pessimismo ensolarado é a capacidade de ver o mundo com a devida noção da realidade, o pessimismo, e ainda assim enxergar a possibilidade de sol. Se você é apenas pessimista, pode jogar os braços para cima e concluir que não vale a pena fazer nada. Se é apenas otimista, vai ficar gritando que o copo está meio cheio enquanto ele esvazia rapidamente (se você está nesse grupo, provavelmente perdeu um bom dinheiro na bolsa esse ano). Apenas pessimismo leva à depressão, otimismo à estupidez.

É preciso encontrar um equilíbrio entre os dois: Aquele lugar em que você enxerga os problemas do mundo, mas ainda assim vê espaço para poder melhorar as coisas. O Brasil continua um país grande, com população jovem e profissionais experientes acostumados a lidar com crises.

Os juros podem explodir e a economia ir pro inferno e ainda assim as pessoas vão continuar estudando, indo ao trabalho, se alimentando todos os dias e cortando o cabelo de vez em quando. Ao olhar para a imensidão de análises, previsões e sugestões do que fazer no ano que vem, mantenha isso em mente: Nem desespero, nem alegria sem limites.

Evite os analistas desesperados, os videntes de ocasião e a turma do “tudo está uma maravilha”. A maioria das oportunidades aparece localmente: no mercado em que você atua, na rotina em que você vive, no modo como conduz seus afazeres.

Tudo isso é passível de melhorias. Procure soluções para aquilo que está ao seu alcance. Melhore a sua situação e a daqueles à sua volta. Procure novas formas de atender seus clientes, de lidar com fornecedores e oferecer os seus serviços. A incerteza do futuro pode dar um certo desconforto, mas também pode trazer belas oportunidades.

Mantenha o equilíbrio, e minha previsão é que, para você, 2015 será melhor do que o ano que passou.

*Fábio Zugman é professor universitário e Mestre em Administração pela UFPR. É autor dos livros Empreendedores esquecidos (Elsevier, 2011); Administração para profissionais liberais (Elsevier, 2005); Governo eletrônico: saiba tudo sobre essa revolução (Livro pronto, 2006); O mito da criatividade (Elsevier, 2008); e coautor de Dicionário de termos de estratégia empresarial (Atlas, 2009) e Criatividade sem segredos (Atlas, 2010).

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions