A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

29/10/2011 08:05

A Nação e a presença militar

Dirceu Cardoso Gonçalves*

O alerta do comandante militar da Amazônia, general Eduardo Dias da Costa Villas Boas, feito segunda-feira (24), no Senado, de que o Brasil corre o risco de passar da condição de rota internacional de tráfico para a de produtor de cocaína, exige muito empenho do governo e das instituições para que isso não venha a se concretizar. Há que se empreender, de imediato e com seriedade, todos os esforços para evitar mais esse mal sobre o nosso pais, hoje já conflagrado pelo tráfico, que tanto sofrimento e prejuízo causa a milhares de brasileiros e à sociedade.

A existência de plantações de coca e de laboratório de refino encravados na faixa de fronteira da Amazônia peruana e brasileira, e a presença de traficantes mexicanos na área, já identificadas pelos serviços de informações das polícias e dos exércitos são a indicação clara de que o Estado brasileiro se faz presente na área, mas precisa reforçar ainda mais a sua ação, com serviços efetivos de ocupação e assistência à população para evitar que os negócios criminosos assumam o controle. Prevenir, certamente, será menos oneroso do que futuramente reprimir.

Quando leva aos senadores essas informações e a preocupação com os movimentos na fronteira, o general Villas Boas cumpre o seu dever e presta um grande serviço à Nação. Bastará, agora, que o governo, por seus meios – inclusive o próprio Exército – desenvolva na área atividades enérgicas e eficientes que desencorajem os cocaleiros de entrar em nosso território. Isso se faz, entre outras coisas, reforçando a presença do Estado e oferecendo os serviços básicos para a população viver regularmente e “ter o que perder” se vier a envolver-se com atividades criminosas.

A presença das Forças Armadas tem sido fundamental ao país. As expedições do marechal Rondon, os batalhões de engenharia, as ações sociais junto às populações vulneráveis, o correio aéreo e a própria fixação de fronteiras são obras que construíram o Brasil de hoje. Os militares e suas ações fazem a integração nacional. Suas informações, colhidas em campo e devidamente processadas, são instrumentos importantes e seguros para abastecer os governos dos diferentes níveis e promover o bem-estar geral.

A ação militar transcende fronteiras. Além de suas obrigações constitucionais, os exércitos, marinhas e aeronáuticas de todo o mundo têm missões adicionais, que fazem parte de sua essência e natureza. Em tempos de paz fazem tudo para mantê-la, prestam serviços às populações e servem aos governos, mas precisam sempre estar preparadas para a guerra. Se, um dia, a guerra acontecer, a obrigação de defesa nacional é dos militares. Daí a necessidade de manter uma estrutura de informação bem organizada, atualizada e constantemente ativa...

(*) Dirceu Cardoso Gonçalves é tenente da PM, dirigente da ASPOMIL (Associação de Assistência Social dos Policiais Militares de São Paulo)

aspomilpm@terra.com.br

Dados do Autor:

Dirceu Cardoso Gonçalves – tenente-PM

RG nº 5301.573-SP

aspomilpm@terra.com.br

Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions