A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 15 de Novembro de 2018

06/09/2015 09:00

As vítimas da travessia

Por Gabriel Bocorny Guidotti (*)

Com apenas 3 anos, o menininho, certamente, não compreendeu bem o que estava acontecendo. Seus pais o conduziram a um barco, dizendo que, após a travessia, tudo seria melhor. Como todo bom filho, obedeceu sem pestanejar. Ele mal sabia da terrível guerra que deixou para trás. Não sabia, igualmente, que a aventura de barco seria a última de sua breve vida. Nessa semana, a foto do pequeno Aylan Kurdi – encontrado afogado em uma praia da Turquia – chocou o mundo, deflagrando os horrores da imigração ilegal no norte da África.

Não se trata de migração, a bem da verdade. O caso é mais grave. Os veículos de comunicação deveriam chamar o êxodo maciço no Mediterrâneo de fim da civilização. O planeta é da humanidade para dispor, mas nem todos podem levar uma vida tranquila. Quando a opressão do Estado Islâmico iniciou suas atividades no norte da África, só restou às pessoas de bem a busca por condições mínimas de dignidade em países europeus. O desespero é tamanho que levou os refugiados a embarcarem em viagens perigosas rumo ao desconhecido. Viagens, estas, as quais muitos não regressam.

A crise é humanitária, não política. É lastimável que a Europa – e a comunidade internacional – tratem do tema com viés governamental. Ninguém se atreve a abrigar todos os refugiados do mundo. Esqueçam-se as soberanias. Ignorem-se as fronteiras nacionais. Nosso mundo é feito de pessoas e sob a égide de uma única bandeira: a da humanidade. Que futuro estamos construindo? Crianças mortas, boiando em praias como se lixo fossem? Incontáveis indivíduos à mercê da própria sorte em meio a um conflito não originado por eles?

Eu tenho um número que representa o volume de mortos: 1. Um único morto. Uma história perdida já é suficiente para fomentar minha perplexidade. Uma breve história, no caso do garotinho Aylan. Ele foi vítima de uma espécie que não mede esforços para verter sangue. Nossa civilização é bélica, seja por motivos religiosos, políticos ou econômicos. E parece não evoluir nesse sentido. Há milhares de anos nos especializamos em uma abjeta arte: matar. Somente assim para satisfazermos nossa ânsia de ódio pelo próximo.

Torço que Aylan esteja em um plano melhor. A imagem do corpo dele, entretanto, não pode ser esquecida. Relembrou os piores horrores da Segunda Guerra Mundial. Note, os horrores continuam. A foto é o símbolo de uma desordem cruel e injustificada. O desfecho dos atos de homens que usam a violência para vender sua tirania. Quantos mais precisarão morrer até que possamos obter um pouco de tranquilidade e paz? Um garotinho nos deixou. Honremos sua memória.

(*) Gabriel Bocorny Guidotti, bacharel em Direito e estudante de Jornalismo em Porto Alegre (RS)

Triste boa notícia
A leitura é um dos maiores prazeres da vida. Mergulhar fundo no mar de palavras de belezas naturais, que ficam maravilhosas quando juntadas com maest...
Fim do Ministério do Trabalho: avanço ou supressão de direitos?
Numa eleição marcada por antagonismos e forte polarização, todo ato do presidente eleito tem sido motivo de fortes críticas, com especial endosso e e...
Brasil — Vocação para o progresso
Nas comemorações dos 129 anos da Proclamação da República, reflitamos sobre o papel do Brasil no contexto mundial, que é também o de iluminar as cons...
Eu sou eu e...
A busca de orientação para nortear nossas vidas nos proporciona caminhos os mais variados. Na medida em que essa busca se realiza por meios que se ba...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions