A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

03/10/2014 08:23

Avanço estrangeiro

Por Luiz Gonzaga Bertelli (*)

Nos últimos anos, o Brasil tornou-se uma nação atrativa para executivos estrangeiros, principalmente após a crise que assolou a Europa e os Estados Unidos, a partir de 2008. Apesar da aparente estagnação econômica, o país ainda é destaque nas transferências internacionais, de acordo com uma pesquisa da Brookifield Relocation Services, que promove programas de mobilidade para executivos em todo o mundo. Entre as nações que mais cresceram, o Brasil lidera a preferência de 7% dos entrevistados, seguido da China (4%), Índia (4%) e África do Sul (4%). Entre os principais destinos para os executivos, o Brasil está na 12.ª colocação, atrás de países como Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, Canadá, Suíça, entre outros.

Em 2013, a Brookifield Relocation Services administrou 276 movimentações de profissionais para o Brasil. Entre as justificativas estão: a liderança brasileira entre os mercados consumidores da América Latina e a grande presença de multinacionais. As transferências englobam tanto cargos de alto escalão como técnicos mais especializados. A maioria dos expatriados está na faixa etária entre 30 e 40 anos, é casada e tem filhos. No entanto, verifica-se um aumento significativo de jovens de 20 a 29 anos. Para os analistas, a tendência deverá aumentar, pois a mobilidade é uma das características da Geração Y (nascidos a partir de 1980), que são mais flexíveis do que as anteriores. Eles encaram de modo natural uma experiência profissional em um país estrangeiro e possuem um espírito de aventura.

Apesar de a pesquisa não citar ipsis litteris, por trás do momento favorável para os profissionais estrangeiros no Brasil, está a atual crise que vivemos de mão de obra qualificada. Nosso déficit em escolaridade média continua muito baixo e o fato é que muitas empresas já procuram soluções no exterior para a falta de profissionais qualificados. Com 50 anos de experiência na inserção de jovens no mercado de trabalho, o CIEE viabiliza qualificação por meio de programas de estágio e aprendizagem com o intuito de diminuir o fosso que existe entre o ensino e a necessidade das empresas.

(*) Luiz Gonzaga Bertelli é presidente executivo do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), da Academia Paulista de História (APH) e diretor da Fiesp.

 

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions