A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

18/03/2013 16:24

Desafios para financiar a saúde no país

Por Waldemir Moka (*)

No meu discurso de posse como presidente da Comissão de Assuntos Sociais do Senado, em 27 de fevereiro, desafiei o Congresso Nacional – e a mim próprio – a buscar formas para financiar a saúde pública no Brasil. Os senadores entenderam a mensagem, tanto que duas semanas depois foi instalada uma comissão temporária para discutir o financiamento do Sistema Único de Saúde (SUS). Começamos bem.

A ideia colocada por nós na Comissão de Assuntos Sociais é promover debates com autoridades e especialistas e reunir todos os projetos que tramitam na Casa, conhecê-los, melhorá-los e adequá-los para que possam ser votados rapidamente. A instalação desse colegiado apontará os caminhos para que a saúde do país receba recurso suficiente para fornecer cuidados de saúde primária, medicamentos e cirurgias, leitos, médicos e enfermeiros em números recomendados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), entre outras necessidades.

Quando o Congresso Nacional regulamentou a Emenda Constitucional (EC) nº 29, de 2000, em dezembro de 2011, firmei posição de que era injusto impor percentuais mínimos de investimento no setor a Estados e municípios, deixando a União de fora. A mídia nacional, na ocasião, repercutiu nosso posicionamento e do qual não me arredo. Até porque já se passou um ano e nada mudou.

A EC 29 estabeleceu patamar de recursos mínimos para o financiamento de ações e serviços públicos de saúde. Pela norma, Estados são obrigados a aplicar 12% de sua receita, municípios, 15% e a União o valor do ano anterior, corrigido pela variação do Produto Interno Bruto (PIB). O seu propósito era ser uma solução duradoura para o adequado financiamento do SUS, de forma a possibilitar a manutenção de um sistema efetivo no atendimento das necessidades de saúde da população.

Estudo encomendado por mim à Consultoria Legislativa do Senado reforça que os problemas relativos ao financiamento do SUS não foram equacionados e ainda somos um dos países que menos investem em saúde, com valores per capita abaixo daqueles aplicados por diversos países vizinhos.

Considerando-se o total de gastos com saúde, e não apenas o gasto público, o Brasil apresenta um percentual próximo aos 8,5% do PIB, valor próximo ao de países desenvolvidos que contam com sistemas universais de saúde. Entretanto, diferentemente do que ocorre naqueles países, onde a quase totalidade desse gasto é de origem pública, estima-se que, no Brasil, pelo menos 53% do total são gastos privados: das empresas e das famílias, com planos de saúde, medicamentos e outras despesas.

Ressalte-se que, ao longo do tempo, a parcela de recursos federais foi reduzida em relação à receita corrente da União. De 1995 a 2004, enquanto a receita corrente cresceu de 19,7% para 26,7% do PIB, a participação do orçamento do Ministério da Saúde na receita corrente caiu de 9,6% para 7,5%. Fica, portanto, evidenciado que o critério de vinculação de recursos da União para a saúde – a variação nominal do PIB – não acompanha a inflação residual e gera perdas para o setor saúde.

Em 2009, o país investiu R$ 270 bilhões em saúde. Desse montante, R$ 127 bilhões do setor público (União, Estados e municípios) e R$ 143 bilhões da iniciativa privada. Do total público aplicado naquele ano, o Governo federal respondeu por 22% dos gastos, enquanto os governos estaduais e municipais por 26%. Entre 1995 e 2010, a participação da União no financiamento da saúde pública caiu de 64% para 45%. Ao mesmo tempo, as despesas dos Estados saltaram de 19% para 27% e as dos municípios de 17% para 28%.

É possível dizer, portanto, que a tão esperada regulamentação da EC 29, de 2000, não trouxe a solução necessária para a crise de financiamento do SUS, especialmente por ter mantido a sistemática até então adotada de repasse de recursos mínimos pela União, motivo pelo qual a Comissão de Assuntos Sociais do Senado decidiu não apenas trazer à tona novamente a questão, como buscar formas para solucioná-la de uma vez por todas.


(*) Waldemir Moka é senador da República, médico e presidente da Comissão de Assuntos Sociais do Senado.

 

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions