A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 17 de Outubro de 2018

20/07/2018 14:03

Do VAR às matrioskas

Por José Carlos Marques (*)

A Copa do Mundo de 2018 chegou ao fim no último dia 15 de julho, após 32 dias nos quais nos habituamos a ver jogos e noticiários referentes às 32 seleções que se juntaram na Rússia para celebrar o evento maior do futebol mundial.

Ano após ano, a competição parece tornar-se cada vez mais rentável para sua entidade promotora, a Fifa, cujo presidente, o ítalo-suíço Gianni Infantino, chegou a proclamar em Moscou que havíamos assistido à melhor copa de todos os tempos, tamanho o sucesso financeiro e esportivo do torneio.

Tal qual como nos primeiros versos do poema “José”, de Carlos Drummond de Andrade, poderíamos nos perguntar “E agora, José? / A festa acabou, / a luz apagou, / o povo sumiu, / a noite esfriou, / e agora, José? (…)”. É provável que, de fato, tenha sido esse o sentimento experimentado por milhões de estrangeiros que estiveram na Rússia para acompanhar o Mundial.

Agora que a festa acabou, e como sempre acontece ao fim de uma Copa do Mundo, a imprensa rapidamente começa a listar quais as heranças a Copa deixará para o futebol mundial nos próximos anos. Embora ainda seja um pouco prematuro tecer considerações tão conclusivas sobre uma competição recém-terminada, algumas tendências parecem ganhar força e devem pavimentar um percurso sem volta até a Copa do Qatar, a ser disputada no final de 2022.

Inicialmente, tivemos a presença cada vez maior de mulheres na cobertura esportiva e inclusive em algumas delegações das equipes. Não à toa, a presença mais marcante e simbólica na cerimônia de entrega dos prêmios da final da Copa era a da presidente da Croácia, Kolinda Grabar-Kitarović, com a roupa encharcada em meio à chuva moscovita e ao mesmo tempo satisfeita com o vice-campeonato de seu país.

"O padrão espanhol do Tiki-Taka (constante posse de bola e troca incessante de passes laterais por todo o campo) que vigorou com força nos últimos dez anos pode dar lugar agora a uma nova forma de se encarar o ludopédio"

Antes da aparição da mandatária croata, outra aparição simbólica coroou aquela decisão do Mundial: três mulheres e um homem, ativistas do grupo punk feminista Pussy Riot, invadiram o gramado do Estádio Luzhniki no início do segundo tempo da partida entre França e Croácia a fim de chamar a atenção para pautas feministas e protestar contra o governo russo.

Não fosse por isso e o presidente Vladimir Putin poderia dizer que foi ele o maior vitorioso da Copa de 2018: a Rússia organizou um evento sem maiores problemas e sem ocorrências de violência entre os torcedores (ao contrário do ocorrido na Eurocopa de 2016 na França).

Além disso, conseguiu vender uma imagem extremamente positiva de seu povo para o olhar estrangeiro. As Matrioskas – as simpáticas bonecas de madeira russas que simbolizam a maternidade e a fertilidade – são um dos maiores emblemas desse legado russo simpático que se contrapôs à imagem de um país frio e rígido em seus costumes.

Outra tendência advinda com esta Copa diz respeito à sintaxe do jogo: a posse de bola deixou de ser primordial para o sucesso das equipes – e a campeã França notabilizou-se por manter a bola nos pés por pouco mais de 1/3 das partidas que disputou. O padrão espanhol do Tiki-Taka (constante posse de bola e troca incessante de passes laterais por todo o campo) que vigorou com força nos últimos dez anos pode dar lugar agora a uma nova forma de se encarar o ludopédio.

A par da posse de bola, o VAR ou vídeo-árbitro é outra medida que marcou indelevelmente esta Copa e que certamente voltará mais aprimorado para a Copa do Qatar. A busca insana pela tal “verdade desportiva” criou ilusões sobre a eficácia dos dispositivos de vídeo, e o Mundial da Rússia trouxe mais polêmicas de arbitragem do que a Copa de 2014 realizada no Brasil.

De todo modo, os meios de comunicação e os fabricantes de aparelhos eletrônicos devem forçar o alargamento do uso do VAR nos próximos anos. Seus custos, entretanto, inviabilizam sua utilização em jogos de divisões secundárias em todo o mundo, algo que pode comprometer a universalização da aplicação das regras do jogo, justamente um dos motivos para o futebol ser um esporte tão difundido em todo o planeta.

No caso brasileiro, uma tendência histórica que não se alterou foi a de nos solidarizarmos com as equipes que, aparentemente, parecem-nos ser mais frágeis ou representarem países não hegemônicos. Era flagrante a preferência de locutores e torcedores nacionais pela Croácia em detrimento da França, algo que diz muito sobre como lidamos com o futebol e com a vida.

De um lado, tínhamos uma Croácia aguerrida e valente, com recursos técnicos finitos, mas muito forte no conjunto e na força de vontade. Trocou de técnico no final do ano passado, teve que disputar uma repescagem europeia e mostrou pouco planejamento de médio ou longo prazo. Para além disso, pipocaram diversas denúncias de manifestações racistas e fascistas protagonizadas por jogadores, torcedores e dirigentes croatas nos últimos tempos.

De outro lado, tínhamos uma França com jovens valores talentosíssimos e um projeto de longo prazo, com a manutenção do técnico nos últimos seis anos, mesmo perdendo uma Eurocopa em casa em 2016.

Essa França miscigenada e imigrante, combatida internamente com estardalhaço pela direita francesa, expôs todos os seus paradoxos neste Mundial e pareceu afastar parte da preferência brasileira justamente por aquilo que ela espelha de nossa realidade, por um lado, e por aquilo que ela não reflete, por outro. Parece que o olhar futebolístico brasileiro não permite reconhecer talentos e habilidades em jogadores que representem nações com um passado colonial.

Em meio a tudo isto, uma certeza se impõe: até o início da Copa do Qatar em novembro de 2022, vamos pôr em prática outra tendência brasileira infinita, que é a de sonharmos com mais um título brasileiro, ou seja, de nos iludirmos com o “Hexa”, como se o Brasil fosse o único país do futebol.

Foi preciso que uma Copa fosse sediada na Rússia, o maior país do planeta em área territorial, para que percebêssemos algo distinto: que há vários países do futebol e que talvez sejamos um universo do futebol, no qual as fronteiras se diluem cada vez mais, e astros fazem sucesso independentemente do país em que nasceram ou do sangue que corre em suas veias.

(*) José Carlos Marques é membro do LUDENS (Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa sobre Futebol e Modalidades Lúdicas) da USP.

Qualidade para antever o futuro da indústria
A qualidade na indústria acompanha as constantes mudanças disruptivas, orquestradas pelos avanços das tecnologias e inovações que movem o mercado. Ca...
Nobel sinaliza sobre fragilidade da economia frente às variáveis ambientais
Dois americanos foram os vencedores do Prêmio Nobel de Economia este ano. Ambos escolhidos por seus estudos estarem relacionados com interações entre...
Riscos fazem parte da evolução
Num mundo globalizado como o que vivemos, onde as informações surgem a cada instante e é possível realizar compartilhamentos de conteúdos e ideias, i...
Entenda como o marketing pode impulsionar o agronegócio brasileiro
O Brasil sabe o que é marketing e consegue identificar o que não presta neste meio, como a famosa figura do marqueteiro político. No entanto, nosso p...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions