A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 25 de Junho de 2018

03/03/2011 11:00

É hora da meritocracia

Por Fabio Arruda Mortara (*)

A constrangedora batalha por cargos travada neste início do Governo Dilma Roussef corrobora o midiático estudo da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) que mostra ser exagerado, na comparação com países emergentes e desenvolvidos, o modelo do Estado brasileiro de nomeações de cunho político. São cerca de 22 mil vagas de comando e assessoria em autarquias, áreas técnicas dos ministérios e departamentos dos distintos órgãos da União.

Em tese, esses cargos de Direção e Assessoramento Superiores (DAS) ou de Natureza Especial, como são tecnicamente classificados, destinam-se a especialistas do setor privado ou aos servidores públicos de carreira mais talentosos e competentes. Com isso, o governo teria condições de contratar profissionais realmente qualificados, melhorando o serviço público. Porém, é lamentável constatar que a maioria dessas posições acabe beneficiando apadrinhados políticos, nem sempre habilitados ao desempenho eficaz da função.

A distorção expõe antigo vício do setor estatal brasileiro, independentemente do partido que esteja no poder. É um culto ao fisiologismo prejudicial à Nação, à medida que deturpa a função pública e, não raramente, interfere no foco e atuação das unidades governamentais. Por isso, dentre os próximos passos da modernização do País, é decisiva uma atuação assertiva, profissional e eficaz da máquina administrativa. Suas engrenagens continuam a tal ponto emperradas, que se mostram incapazes de realizar tarefas aparentemente simples, como fiscalizar e coibir o uso indevido do papel imune, constitucionalmente reservado à impressão de jornais, revistas, livros e periódicos.

Considerando haver dificuldades para solucionar questões singelas como a desse exemplo relativo à indústria gráfica, o que dizer, então, dos grandes temas nacionais. As responsabilidades e tarefas a serem cumpridas pelo atual governo são densas, amplas e decisivas, como o resgate da competitividade industrial, o reequilíbrio da balança comercial das manufaturas, a implementação de políticas públicas para mitigar os gargalos da infraestrutura, a melhoria da saúde e da educação, os subsídios técnicos às reformas estruturais e a agenda de obras atrelada à realização da Copa do Mundo de 2014 e da Olimpíada de 2016.

Os desafios a serem enfrentados evidenciam o significado da profissionalização crescente dos cargos de comando e operações do governo, que exigem qualificação e experiência. Assim, o alerta contido no estudo da OCDE deve servir como reflexão, num construtivo processo de aperfeiçoamento da gestão estatal, para que o Brasil mantenha seu presente ciclo de prosperidade e possa caminhar a passos mais largos rumo ao desenvolvimento.

(*) Fabio Arruda Mortara é presidente do Sindicato da Indústria Gráfica no Estado de São Paulo (Sindigraf-SP) e diretor da Associação Brasileira da Indústria Gráfica (Abigraf).

A corda arrebenta para todos
Ao pensar na África, geralmente formamos imagens com exuberância de recursos naturais. Falta de água nos remeteria aos desertos daquele continente, e...
Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...


Infelizmente,tal prática é antiga e quase tradicional em nosso país.Mas,de oito anos para cá,o que houve realmente foi o aparelhamento dos órgãos mais importantes da nação.O país marcha para o crescimento únicamente graças à capacidade de seus empresários. Transportam nas costas o peso enorme que se tornou a máquina administrativa.
 
Ronaldo Ancél Alves em 03/03/2011 03:46:44
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions