A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 13 de Dezembro de 2018

31/08/2017 13:25

Nas mãos de cuidador inspirado

Por Francisco Habermann (*)

Ele precisava de três cuidadores, diariamente. Revezavam- se em turnos, pois o paciente era muito dependente. Até então era muito ativo e atencioso, mas com a idade, as limitações, a começar pela memória, impuseram-lhe novas condições na rotina de vida. Ainda assim, mantinha suas preferências pessoais, cultivava suas leituras, recebia visitas dos amigos chegados e certa autonomia. Novos eventos orgânicos lhe impuseram mais limitações.

Foram as recentes dificuldades de mobilização que lhe impuseram a nova condição de cadeirante. Os cuidadores eram seus 'motoristas' contínuos e atendiam aos seus mínimos desejos.

Seus amigos faziam-lhe visitas surpresas na casa onde morava na capital e, assim, levavam momentos de alegria e de muitas recordações, estimulando a necessária conexão entre o laborioso passado e o resistente presente daquele que foi excelente professor. Uma ideia, entretanto, voltava sempre à sua claudicante memória. Tudo começou com um convite.

Um dos cuidadores, certamente o mais sensível, teve a brilhante ideia de sugerir ao patrão que fossem passar uns dias na praia, em casa de familiar. Tudo preparado, partiram.

O descanso no litoral incluía passeios na praia, sempre na cadeira de rodas. Num dos dias, ele pediu para que entrassem na água. Queria sentir a agradável sensação de bem-estar que o mar traz e entrou com a cadeira de rodas n'água. Exultou com a experiência, "parecia uma criança" – disse o auxiliar cuidador. Aquela aventura foi marcante e o sorriso voltou naquele semblante de professor emérito que conhecia tão bem a alma humana de seus sempre queridos discípulos. Por isso mesmo, fora várias vezes homenageado em sua vida profissional.

Na volta a São Paulo, com o passar de algumas semanas, o professor confessou àquele cuidador uma ideia que soou como surpresa. Afirmou com muita segurança que pressentia sua partida e queria, antes, voltar mais uma vez ao mar, sentir aquela sensação de paz e alegria que lhe fora proporcionada anteriormente, mesmo com as limitações que o acompanhavam. Programou-se o retorno e partiram novamente.

No dia da chegada teve seu desejo atendido. Ficou muito feliz com aquela experiência sensorial tão ansiada n'água do mar e agradeceu muito pela oportunidade que lhe fora dada. Agradeceu a todos. Naquela noite, teve um infarto de miocárdio fulminante (23-08-2017).

Todos nós choramos a partida do Professor Marcello Fabiano de Franco.

(*)Francisco Habermann é médico e professor aposentado da FMB-Unesp. Membro correspondente da ABL Contato: fhaber@uol.com.br

 

Tempo de balanço... da vida!
Parece automático, a chegada de dezembro faz as pessoas refletirem e avaliarem, com profundidade, seu próprio desempenho durante o ano. O indivíduo t...
A responsabilidade trabalhista do sócio retirante
Uma empresa possui personalidade jurídica própria, eis o porquê da existência do CNPJ e do Capital Social. O patrimônio dessa empresa não se mistura ...
Soluções intermodais
Quem conhece a História pátria sabe que hoje o Brasil sofre as consequências de uma opção equivocada tomada à época em que o País vivia a euforia do ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions