A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017

31/08/2017 13:25

Nas mãos de cuidador inspirado

Por Francisco Habermann (*)

Ele precisava de três cuidadores, diariamente. Revezavam- se em turnos, pois o paciente era muito dependente. Até então era muito ativo e atencioso, mas com a idade, as limitações, a começar pela memória, impuseram-lhe novas condições na rotina de vida. Ainda assim, mantinha suas preferências pessoais, cultivava suas leituras, recebia visitas dos amigos chegados e certa autonomia. Novos eventos orgânicos lhe impuseram mais limitações.

Foram as recentes dificuldades de mobilização que lhe impuseram a nova condição de cadeirante. Os cuidadores eram seus 'motoristas' contínuos e atendiam aos seus mínimos desejos.

Seus amigos faziam-lhe visitas surpresas na casa onde morava na capital e, assim, levavam momentos de alegria e de muitas recordações, estimulando a necessária conexão entre o laborioso passado e o resistente presente daquele que foi excelente professor. Uma ideia, entretanto, voltava sempre à sua claudicante memória. Tudo começou com um convite.

Um dos cuidadores, certamente o mais sensível, teve a brilhante ideia de sugerir ao patrão que fossem passar uns dias na praia, em casa de familiar. Tudo preparado, partiram.

O descanso no litoral incluía passeios na praia, sempre na cadeira de rodas. Num dos dias, ele pediu para que entrassem na água. Queria sentir a agradável sensação de bem-estar que o mar traz e entrou com a cadeira de rodas n'água. Exultou com a experiência, "parecia uma criança" – disse o auxiliar cuidador. Aquela aventura foi marcante e o sorriso voltou naquele semblante de professor emérito que conhecia tão bem a alma humana de seus sempre queridos discípulos. Por isso mesmo, fora várias vezes homenageado em sua vida profissional.

Na volta a São Paulo, com o passar de algumas semanas, o professor confessou àquele cuidador uma ideia que soou como surpresa. Afirmou com muita segurança que pressentia sua partida e queria, antes, voltar mais uma vez ao mar, sentir aquela sensação de paz e alegria que lhe fora proporcionada anteriormente, mesmo com as limitações que o acompanhavam. Programou-se o retorno e partiram novamente.

No dia da chegada teve seu desejo atendido. Ficou muito feliz com aquela experiência sensorial tão ansiada n'água do mar e agradeceu muito pela oportunidade que lhe fora dada. Agradeceu a todos. Naquela noite, teve um infarto de miocárdio fulminante (23-08-2017).

Todos nós choramos a partida do Professor Marcello Fabiano de Franco.

(*)Francisco Habermann é médico e professor aposentado da FMB-Unesp. Membro correspondente da ABL Contato: fhaber@uol.com.br

 

Inteligência espiritual
Parece-me que há alguns estudiosos de psicologia que costumam misturar ciência com religião, duas atividades mentais bem distintas, com metodologias ...
A regulamentação do Lobby no Bra
Desde 1989 o Projeto de Lei do Senado que propõe regular a atividade de Lobby no Congresso Nacional, PLS 203/89 de Marco Maciel (DEM- PE), está no Co...
Desarranjo planetário
Enfrentamos um desarranjo global na gestão pública. Os líderes se afastam da ideia de que são responsáveis por imprimir melhora geral na qualidade hu...
Tudo pelo cliente
Muitas pessoas me perguntam como é o meu dia a dia, como é administrar uma das marcas mais valiosas e admiradas do Brasil. Posso dizer, sem falsa mod...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions