ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, DOMINGO  20    CAMPO GRANDE 22º

Artigos

O que não se diz sobre o coronavírus

Por José Nun (*) | 11/08/2020 13:44

Assistimos a um fenômeno notável. Nunca na história houve tanta informação sobre uma praga como a que hoje dispomos sobre o coronavírus. Estamos inundados de dados sobre sua evolução diária e sobre a busca por uma vacina.

Porém, é surpreendente que quase não se fale das causas que tornaram possível a pandemia e que vêm provocando um rápido crescimento das enfermidades infecciosas em geral. Por isso proponho que, embora leigos na matéria, tratemos de explorar juntos algumas dessas causas. Creio que está ao nosso alcance fazer isso e, por sua vez, explicar certos motivos desse silêncio.

Antes de tudo, o covid-19 é uma zoonose, nome que recebem aquelas enfermidades infecciosas que passam de outros animais aos seres humanos. Ainda que cerca de 75% de tais enfermidades tenham essa origem, outras são alheias a ela, como a poliomielite.

Até agora, a maior pandemia de uma zoonose foi a gripe aviária (provocada por aves) de 1918, cujo contágio foi altíssimo, especialmente entre as tropas que participaram da Primeira Guerra Mundial, e produziu mais de 50 milhões de mortes (alguns falam em 100 milhões). O segundo lugar corresponde à Aids, cujo surgimento remonta a 1908, devido ao consumo de carne de chimpanzés, e se expandiu velozmente a partir dos anos 80.

Passemos agora à covid-19, munidos de uma informação relevante. Estima-se que existem 6.600 espécies de mamíferos, das quais nada menos que 1.100 são morcegos. Não apenas isso, mas os morcegos superam em número a soma dos membros de todas as outras espécies juntas. Por que esse dado importa? Porque há consenso entre a maioria dos especialistas de que os morcegos estão na origem da atual pandemia.

Existe um precedente importante que é a enfermidade de ebola, que ainda precisa de uma vacina. A primeira eclosão documentada do vírus se deu ao mesmo tempo no Zaire e no Sudão, em 1976, transmitido pelos chamados “morcegos da fruta”, e sua taxa de mortalidade era e é elevadíssima. Em 2014 registrou-se a maior eclosão da história, que chegou à Europa e aos Estados Unidos e levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a decretar uma “emergência pública sanitária internacional” para prevenir uma pandemia no mundo.

Menciono isso porque a questão se liga não apenas ao consumo humano desses mamíferos (na China, por exemplo, proliferam os mercados e restaurantes que oferecem o “sabor selvagem” de todo tipo de espécies viventes), mas a um processo que cresceu fortemente no último par de décadas: o desmatamento, sobretudo na África Central e na Amazônia. Seus efeitos são múltiplos e muito graves. No caso dos morcegos, estes se amontoam nas árvores que ficam em pé – com que se mesclam e produzem contágios entre diversas espécies – ou buscam refúgio em aldeias e povos, onde entram em contato com seres humanos.

Além disso, abrem-se espaços onde se acumula a água e se multiplicam os mosquitos, com o que – segundo estudos realizados na região amazônica –, a cada aumento de 4% no corte, o paludismo cresce em pelo menos 50%. Por sua vez, libera-se o dióxido de carbono que a madeira retém, contribuindo assim, de modo decisivo, para o temível aquecimento do planeta, que se encontra em pleno curso. Obviamente, tudo isso não acontece de maneira casual, mas, com a cumplicidade dos governos de plantão, é promovido tanto pelas empresas que exploram a madeira como pela indústria agropecuária, em especial a dedicada à criação de gado, ávida por terras.

A emergência de agentes patógenos como o covid-19 se conecta também com o altíssimo desenvolvimento da criação industrial, em grande escala, de animais domésticos como frangos e porcos, destinados a satisfazer à demanda crescente de uma população mundial que, tempos atrás, se tornou majoritariamente urbana.

O resultado é que eles ficam amontoados e se lhes aplicam pesticidas, antivirais e, mais ainda, antibióticos que aceleram a sua engorda (a maioria dos antibióticos que se produzem atualmente no mundo se dedica a esse fim). A consequência é que se debilita ao extremo o sistema imunológico desses animais, convertendo-os em criadouros de muitos dos vírus e bactérias que, depois, chegam a nós.

Esses pesticidas, antivirais e antibióticos são produzidos por umas poucas grandes corporações multinacionais, com um enorme poder econômico e político. Basta dizer que tanto elas como suas subsidiárias e a indústria farmacêutica gastam fortunas nos mais diversos meios de comunicação e não têm nenhum interesse em favorecer discussões em torno do contexto em que pode se originar uma pandemia como a atual.

Caso se fizesse isso, logo se perceberia algo que é duro de aceitar: infecções como estas não são as que nos buscam, e sim que somos nós quem as convidamos a vir ao destruir a vida silvestre, não controlar adequadamente a produção dos alimentos que consumimos e, em termos mais gerais, não deter uma mudança climática de efeitos devastadores sobre a natureza.

Por onde passa a solução? É óbvio que, no imediato, por encontrar uma vacina contra a covid-19. Mas, se não tomamos consciência do contexto mais amplo em que se deve situar a aparição do coronavírus, tudo indica que novas pragas de virulência similar continuarão a se desencadear. E isso não só pela morbidade e mutabilidade do covid-19, mas porque os especialistas calculam que há mais de 300 mil vírus de mamíferos que ainda nem sequer se conhecem.

Não se trata de uma predição apocalíptica, mas de uma proposta de que nos envolvamos num debate a fundo sobre nosso futuro e as transformações estruturais que exige. Se a você parece que é uma tarefa que nos supera, faço uma pergunta: você crê que é melhor deixá-la em mãos de ditadores, demagogos e dirigentes políticos preocupados apenas com o curto prazo e geralmente sustentados por não poucos daqueles que nos têm traído até aqui?

(*) José Nun é advogado, escritor, ensaísta e ex-ministro da Cultura da Argentina (2004-2009)