A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 20 de Fevereiro de 2018

05/08/2017 14:22

País de fantoches

Paulo Roberto Brancatti

Esse é o país de fantoches... Em Brasília só vemos uma panaceia coletiva onde uns elogiam outros, pelo fato de serem amigos e fieis nas mazelas do poder. Na sociedade brasileira não vemos ações, nem inconformismos com os acontecimentos que interferem no cotidiano das pessoas. Projetos que prejudicam a população são aprovados sem problemas e com certa ligeireza. Obras que beneficiam os poderosos são realizadas e entregues rapidamente, distribuições de bens são feitas para agradar os amigos, além de beneficiar os donos do poder. O

Rei não cai e faz de tudo para proteger os seus amigos... Como diz a música cantada por Geraldo Azevedo “um rei mal coroado não queria o amor em seu reinado, pois sabia, não ia ser amado”.

As marionetes, por sua vez, continuam falando, declarando e afirmando que o país precisa crescer e alcançar seu lugar no mundo. Entretanto, vemos esse país capengando, suprindo as diversas leis trabalhistas e sociais. O povo está a mingua com gente andando pelas ruas sem rumo, com gente sem emprego, com gente sem acesso à educação e aos diversos meios de inclusão social.

E, o pior, sem forças, sem organização e sem propostas para depor esses fantoches que fazem o que querem, para eternizar o Brasil como país indolente e dócil, como uma pátria de mãe gentil...

O rei mal amado não percebe que as pessoas do seu reinado não o querem mais. Mas ele faz de conta que não ouve, que não enxerga e que não percebe o que acontece com seus súditos. Seu povo vive mal, consomem drogas, caminha sem rumo, padece em seus sonhos e esquecem-se dos seus futuros... O rei está mudo e só pensa nele, nos seus amigos, nos seus projetos, nas suas propostas e nos seus currais eleitorais...

O rei está a mingua, mas só ele não percebe e por isso, ri, fala, gesticula, demonstra ser forte em suas palavras e em suas determinações. Suas leis precisam ser cumpridas sem questionar, sem remediar e por isso, ele vai levando, confiando e achando que vai durar eternamente.

E parafraseando novamente a música, a mesma diz que “eu volto um dia e o rei velho e cansado já morria. Perdido em seu reinado, sem magia”... E quem sabe quando o cantor voltar verá um reinado livre, forte, alegre, pulsante e enérgico em relação à vida. Uma vez que, aquilo que as pessoas mais querem e necessitam, é viver e ser feliz; ir e vir, pensar e agir...

*Paulo Roberto Brancatti é professor da Unesp de Presidente Prudente.

Momento supremo
Existe um momento supremo em nossas vidas? Um momento em que se atinge um clímax, em que tudo se realiza? Nesse caso é um momento só? Único? Isolado?...
A percepção do consumidor está na experiência digital
A conveniência da internet transformou o varejo e as compras on-line em experiência de consumo compartilhadas em tempo real. Mas o que isso quer dize...
Que tiros serão esses?
O Brasil nunca viveu uma guerra civil. Mas já amargou momentos em que os militares oprimiram o povo, suprimindo garantias individuais, suspendendo a ...
O destino de uma nação
Há filmes que valem por um ator ou atriz. Outros, por uma cena marcante. 'O Destino de uma Nação', dirigido por Joe Wright, reúne esses dois elemento...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions