A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

14/02/2013 13:49

Um Parlamento forte para o Mercosul

Marta Ferreira

A reunião da chamada cúpula presidencial do Mercosul, que ocorreu no fim de 2012, em Brasília, foi oportuna ocasião para uma avaliação, ainda que breve, sobre o presente, as perspectivas e os impasses do Mercado Comum do Sul, instituído pelo tratado de Assunção, em 1991.

Ainda longe de se consolidar como União Aduaneira, ingenuamente prevista para 1994, e mesmo sem expectativa de que venha, em médio prazo, concretizar o ambicioso projeto da Associação Latino-Americana de Integração (Aladi), criada pelo Tratado de Montevidéu, em 1980, mesmo assim o Mercosul vem se firmando, progressivamente, como instrumento de integração regional. Apesar dos muitos impasses.

A discutível suspensão temporária do Paraguai em consequência da forma “cirúrgica” como foi substituído o ex-presidente Lugo, e a concomitante oficialização da Venezuela como estado-membro pleno, com o que, aliás, a República Guarani não concordava, são exemplos desses impasses jurídicos do Mercosul.

Contudo, muito mais do que no terreno social ou na área política, é no contexto econômico, nas relações internas do Bloco, e nas práticas tarifárias de cada país-membro com outras nações, que essas dissonâncias suscitam dúvidas quanto ao futuro do Mercosul.

O que mais preocupa é que a maioria desses impasses tarifários e dessas dissonâncias mercantis se dá entre Argentina e Brasil, as duas mais fortes economias do Mercosul. Aliás, a musculatura exibida pelos dois países parece reduzir os outros parceiros a membros de segunda categoria, com todos os graves prejuízos comunitários daí decorrentes.

Ainda há pouco, a Presidente Dilma expressou, na Argentina, seu empenho para destravar o comércio bilateral que, embora tenha saltado de sete bilhões de dólares, há dez anos, para quarenta bilhões de dólares em 2011, não deve passar de trinta e quatro bilhões neste ano.

A grande questão é que essa pauta bilateral, naturalmente estratégica e inadiável, coloca Brasil e Argentina no camarote exclusivo, onde não há lugar para Paraguai, Uruguai, ou mesmo a Venezuela, o mais recente e festejado parceiro, cujo embarque, aliás, ainda depende da aprovação do parlamento paraguaio, no momento em que o passageiro mais pobre for reabilitado no bloco.

É a pretexto desse contencioso, que imbricou suspensão do Paraguai e admissão plena da Venezuela, que desejo fazer breve reflexão.

Quanto às instâncias decisórias do Mercosul, compostas pelo Conselho do Mercado Comum, Grupo do Mercado Comum e Comissão de Comércio do Mercosul, nada há a questionar se temos em vista a construção de uma futura união aduaneira.

Porém, se nossos olhos estão postos numa futura comunidade de nações latino-americanas, nos moldes da União Europeia, então não há dúvida de que temos o grande e urgente desafio de construir, paulatinamente, uma estrutura jurídico-institucional que, além de consolidar em princípios a legislação existente, quase toda de natureza “derivada” das demandas, constitua base fecunda e segura para o destino comum dos povos latino–americanos.

E não há dúvida de que o Parlamento do Mercosul, tal como o temos hoje, não pode dar conta de tão extraordinária tarefa. E, se não será esse Parlamento, que só não é honorário porque composto por membros dos congressos nacionais, menos ainda se poderá delegar às corporações a missão de estabelecer marcos de uma futura Constituição Comunitária. Pois essa é, obviamente, uma extraordinária e intransferível atribuição do Poder Legislativo de cada um dos países membros.

Para tanto, é fundamental e urgente que os legislativos nacionais definam mecanismos comuns para a eleição de congressistas que tenham, também, o mandato popular de representar seu país em um parlamento comunitário com efetiva representatividade.

É incontestável a consolidação do Mercosul como bloco comercial, embora ainda seja apenas o embrião de uma comunidade de nações. A entrada da Venezuela agregou ao Bloco mais 900 mil quilômetros quadrados, o equivalente à soma dos territórios de França e Alemanha. Mais que território, o ingresso da Venezuela agrega 29 milhões de pessoas ao comércio intra-bloco, e confere ao Mercosul o status de região com mais reserva de petróleo do planeta.

Em 21 anos - completados em 201, o comércio intra-bloco saltou de 4,5 bilhões para 50 bilhões de dólares anuais, enquanto cem milhões de dólares são aplicados anualmente, a fundo perdido, pelo Fundo de Convergência Estrutural do Mercosul (Focem) para diminuir as disparidades entre os países, principalmente em infraestrutura.

É nesse cenário de expansão vigorosa do bloco, e das divergências e impasses daí decorrentes, que identifico, com preocupação, o crescente déficit político entre a expansão geográfica, econômica e populacional do Mercosul e a tímida articulação dos legislativos nacionais para consolidar o processo de regulação comunitária.

No Brasil, é bom que reconheçamos, a academia tem sido muito fecunda na formulação de um arcabouço jurídico-legal, vasto e substancioso, sobre o Mercosul. Questões como as discrepâncias entre a estrutura constitucional de cada país-membro e o ordenamento jurídico do Bloco, assim como o próprio déficit legislativo da construção do mercado comum têm merecido competentes análises.

Os legislativos nacionais não podem seguir tendo atuação subsidiária no prodigioso processo de construção da comunidade latino-americana, em cuja direção o Mercosul representa decisivo passo.

(*) Fábio Trad é deputado federal pelo PMDB/MS

ICMS e agrotóxicos: um exemplo de lucidez em meio ao caos
O amplo conjunto de ações impostas em 2019 por governantes brasileiros no sentido de fragilizar a proteção ao meio ambiente não tem paralelo na histó...
Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions