ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUINTA  22    CAMPO GRANDE 29º

Cidades

Autor de tarifaço, TJ tem fundo milionário que banca de obra a galeria de juízes

Tribunal de Justiça também se prepara para erguer um novo palácio no Parque dos Poderes

Aline dos Santos | 08/01/2023 15:17
Tribunal de Justiça ornado com decoração natalina no Parque dos Poderes. (Foto: Marcos Maluf)
Tribunal de Justiça ornado com decoração natalina no Parque dos Poderes. (Foto: Marcos Maluf)

Autor de projeto de lei que penaliza a população com 100% de reajuste nas custas judiciais para três modalidades de processo, o TJ-MS (Tribunal de Justiça) tem fundo que registrou excesso de arrecadação de R$ 22,3 milhões em 2021, conforme informa o último dado disponível no Portal da Transparência do Poder Judiciário. O fundo milionário banca de reformas a homenagens.

Neste ano, o Tribunal de Justiça também se prepara para tirar do papel um novo palácio no Parque dos Poderes, com custo de R$ 4 milhões somente na elaboração do projeto arquitetônico e cercamento da área em Campo Grande.

Nos últimos anos, o Funjecc (Fundo Especial para o Desenvolvimento e o Aperfeiçoamento das Atividades dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais) custeou de reforma na ala da presidência do Tribunal de Justiça, incluindo pedra de mármore Carrara em dois banheiros, a carrões de luxo blindados.

O dinheiro também fez escala numa homenagem aos magistrados, com galerias de fotos espalhadas por Mato Grosso do Sul. Essa inovação, aliás, ainda resulta pagamento de diárias a juízes e desembargadores, que se deslocam pelo Estado para os eventos de inauguração.

Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

Conforme as demonstrações contábeis do fundo, divulgadas em 28 de abril de 2022, a receita orçada foi prevista em R$ 193 milhões, mas, efetivamente, a arrecadação resultou em R$ 215.352.930,29. Portanto, excesso de R$ 22.352.930,29. “O que corresponde a um excesso de arrecadação de 12% em relação à previsão inicial para o exercício de 2021”.

Dessa receita de R$ 215 milhões, 60% (R$ 128,7 milhões) vieram das custas judiciais e 16% (R$ 33.468.124,65) de emolumentos e custas extrajudiciais de cartórios. Outros 11% (R$ 24.285.698,90) são proveniente de gerenciamento de contas e 13% (R$ 33.026.642,92) vêm do genérico termo “outras receitas”.

Criado pela Lei 1071, de 11 de julho de 1990, o fundo tem as seguintes destinações: custeio das atividades forenses (inclusive para treinamento e aperfeiçoamento de pessoal), ajuda de custo, equipamentos e materiais permanentes de qualquer órgão do Poder Judiciário, obras em edifícios de fóruns das comarcas do Estado, e retribuição pecuniária de conciliadores e juízes leigos, com exceção da folha de pagamento de pessoal e seus encargos.

Para 2023, a previsão do fundo é arrecadar R$ 275 milhões. O Tribunal de Justiça também receberá R$ 1,1 bilhão do orçamento do Estado. A peça orçamentária de MS totaliza R$ 22 bilhões neste ano.

Projeto sobre tarifaço das custas judiciais vai voltar a ser discutido na Assembleia em 2023. (Foto: Luciana Nassar/ALMS)
Projeto sobre tarifaço das custas judiciais vai voltar a ser discutido na Assembleia em 2023. (Foto: Luciana Nassar/ALMS)

Tarifaço – O projeto do Tribunal de Justiça para tarifaço das custas judiciais chegou à Assembleia Legislativa em outubro do ano passado, mas não foi votado por conta da pressão da sociedade e OAB/MS (Ordem dos Advogados do Brasil), que alerta para a inconstitucionalidade da proposta.

O projeto aumenta em 100% as custas judiciais para processos de busca e apreensão em alienação fiduciária, contratos bancários e seguro.

Considerando a Uferms (Unidade Fiscal Estadual de Referência de Mato Grosso do Sul) de janeiro, usada para a cobrança da taxa, a ação de até R$ 5 mil terá o custo dobrado de R$ 708 (15 Uferms) para R$ 1.416 (30 Uferms). A unidade é fixada mensalmente pelo governo por meio de resolução. Atualmente, cada unidade equivale a R$ 47,20.

Para causas de R$ 5 mil a R$ 10 mil, a taxa passa de 26 para 52 Uferms. Em cálculo atualizado, sobe de R$ 1.227 para R$ 2.454, por exemplo. Ações com valor de R$ 50 mil a R$ 100 mil terão custas judiciais elevadas de R$ 4.720 para R$ 9.440.

Em qualquer processo, pode ser solicitada a Justiça gratuita caso a parte seja hipossuficiente. Essa possibilidade é assegurada pelo Código de Processo Civil e na Constituição Federal.

Contudo, o que pesa são os requisitos para a concessão da gratuidade e nem sempre uma pessoa que não tem condição de arcar com as custas consegue provar essa dificuldade.

Na justificativa do projeto, o presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Carlos Eduardo Contar, informou que o aumento vai custear a instalação, ampliação e manutenção das estruturas judiciárias voltadas à solução de conflitos. Dos 12.618 processos em andamento nas três Varas dedicadas a questões bancárias em Campo Grande, 8.302 são relacionados à busca e apreensão de veículos e contratos bancários.

Em novembro do ano passado, por exemplo, o Tribunal de Justiça teve receita de R$ 13,4 milhões em custas judiciais.

'É um desestímulo e a parte beneficiada serão as instituições bancárias", diz Luiz Fernando (Foto: Idaicy Solano)
'É um desestímulo e a parte beneficiada serão as instituições bancárias", diz Luiz Fernando (Foto: Idaicy Solano)

Parte beneficiada - De acordo com o advogado Luiz Fernando Cardoso Ramos, o Tribunal de Justiça tem cada vez mais limitado o acesso e criando obstáculos para os cidadãos.

“Agora, o tribunal lança essa proposta querendo, de uma forma injustificada, usar parâmetros distintos para processos de contratos bancários. O projeto é inconstitucional e não foi aprovado porque a OAB de MS foi enérgica e evitou que passasse na calada da noite. É um desestímulo e a parte beneficiada serão as instituições bancárias”, diz Ramos.

Ainda conforme o advogado, outro ponto importante é que o Tribunal de Justiça apresentou o projeto de lei sem detalhar o quanto a mais será arrecadado e sua destinação.

No ano passado, o advogado foi parar no radar do TJ-MS por mover 40 mil ações, o que seria advocacia predatória. Ramos negou a prática e afirmou que menos pessoas procurariam o Poder Judiciário contra os bancos se fossem aplicadas altas indenizações.

Em documento encaminhado à Assembleia Legislativa, a Associação dos Advogados de Mato Grosso do Sul destaca que não há estudo justificando a necessidade de aumento em 100%.

“Todavia, não há, nem mesmo, estudo do real impacto financeiro na alteração das custas. Qual o valor a mais seria arrecadado e de que forma esse valor seria repassado, em benefícios, ao jurisdicionado? Onde de fato esses valores seriam investidos? Como o TJMS chegou ao montante de 100%”, questiona o documento assinado pelo presidente André Luís Xavier Machado.

Enquanto isso, no Paraná – Já no vizinho Paraná, que é bastante procurado pelo sul-mato-grossense para escapar das taxas altas cartorárias praticadas aqui, as custas judiciais também são menores. Uma ação com valor de R$ 15 mil contra banco pagou custas de R$ 737.

Em Mato Grosso do Sul, ação no valor de R$ 15 mil tem atuais custas de R$ 1.652. Com o tarifaço proposto pelo TJ, passa para R$ 3.304. De acordo com a advogada Rita Franco, o Tribunal de Justiça do Paraná cobra as custas judiciais por porcentagem. Em Mato Grosso do Sul, são sete faixas de cobrança conforme o valor da causa em reais.

“Já não é justa essa forma de cobrança. Não faz sentido a pessoa que discute mil reais pagar o mesmo de quem discute R$ 5 mil”, avalia a advogada.

Nos siga no Google Notícias