ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, DOMINGO  14    CAMPO GRANDE 24º

Política

Após pressão na Assembleia, projeto do “tarifaço” do TJ fica para 2023

Temor era que proposta que aumenta custas judiciais em 100% fosse votada no "apagar das luzes"

Aline dos Santos e Jessica Benitez | 20/12/2022 10:27
Assembleia Legislativa deixou para 2023 votação de projeto do "tarifaço" das custas judiciais. (Foto: Luciana Nassar/ALMS)
Assembleia Legislativa deixou para 2023 votação de projeto do "tarifaço" das custas judiciais. (Foto: Luciana Nassar/ALMS)

A pressão das entidades de advogados surtiu efeito e a Assembleia Legislativa vai pautar somente em 2023 o projeto do TJ-MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) que aumenta custas judiciais em até 100% para três tipos de processos (busca e apreensão de veículos, contratos bancários e seguros).

Durante a sessão desta terça-feira (dia 20) e após reunião com advogados, o presidente da Casa de Leis, deputado estadual Paulo Corrêa (PSDB), colocou em votação a proposta de acelerar o rito por meio de regime de urgência, mas não houve acordo de lideranças.

“Não tendo acordo de lideranças, vai seguir o rito normalmente da Casa, vai passar pelas comissões e, se for necessário, vai passar por audiência pública”, diz Corrêa.

A proposta chegou ao Poder Legislativo em outubro deste ano e o temor era que fosse votada no “apagar das luzes”, sem discussão com a sociedade. Enquanto busca majorar as custas desses processos, o Tribunal de Justiça não tira da gaveta a proposta para reduzir as taxas cartorárias, o que obriga o sul-mato-grossense a fazer registro nos Estados vizinhos em busca de menores valores.

“Se um cidadão for ajuizar ação de revisão de contrato bancário, vai pagar quase que o dobro em relação a outras ações. Entendemos que nesse aspecto há uma inconstitucionalidade. Não é oportuna a votação nesse momento. Do jeito que o projeto está, a OAB é contra”, afirma o presidente da OAB/MS (Ordem dos Advogados do Brasil), Bitto Pereira.

Conselheiro federal da OAB, Mansour Elias Karmouche destaca que a alta nos valores para mover processos contemplados no projeto pode afastar as pessoas das buscas por seus direitos.

“Prejudica o cidadão, isso acaba inviabilizando o acesso das pessoas. Com valor estratosférico, se torna inviável”, diz.

O projeto do Tribunal de Justiça recebeu parecer favorável da CCJR (Comissão de Constituição, Justiça e Redação) na segunda-feira (dia 19). O placar foi de 4 a 1. Único voto contrário, o deputado Rinaldo Modesto (Podemos) afirma que é necessário uma discussão mais ampla em busca de consenso.

Conforme parecer da OAB/MS, ação que tenha valor atribuído de R$ 50.000.00, portanto, fora da alçada dos Juizados Especiais, seria elevada de atuais R$ 4.720,00 para R$ 9.440,00 após a aprovação do projeto.

Segundo o Tribunal de Justiça, que está de férias até 6 de janeiro, a majoração vai custear a instalação, ampliação e manutenção das estruturas judiciárias voltadas à solução de conflitos. Dos 12.618 processos em andamento nas três Varas dedicadas a questões bancárias em Campo Grande, 8.302 são relacionados à busca e apreensão de veículos e contratos bancários.

Nos siga no Google Notícias