ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEGUNDA  22    CAMPO GRANDE 31º

Cidades

Confundida com a dengue, Febre do Oropouche roda o País e entra no radar de MS

Estado não tem casos, mas secretaria já mandou alerta para os 79 municípios

Por Aline dos Santos | 06/05/2024 08:03
O mosquito-pólvora se reproduz em matéria orgânica em decomposição. (Foto: Arquivo)
O mosquito-pólvora se reproduz em matéria orgânica em decomposição. (Foto: Arquivo)

Vírus conhecido desde os anos 60 e com sintomas confundidos com o da dengue, a Febre do Oropouche tem registrado aumento de casos pelo Brasil e entrou no radar da SES (Secretaria Estadual de Saúde) em Mato Grosso do Sul.

Segundo a secretaria, foi publicado alerta epidemiológico sobre a vigilância da Febre de Oropouche em decorrência da circulação da doença em algumas regiões do país. “A SES reitera que o alerta serve para informar e orientar os 79 municípios de Mato Grosso do Sul acerca do agravo, mas nenhum caso foi registrado no Estado”, diz o comunicado.

Em geral, os surtos da doença eram na região Norte do País, mas em 2024 a Febre do Oropouche tem alargado seus territórios, com registros de casos em Mato Grosso, Rio de Janeiro, Bahia e Santa Catarina.

De acordo com o médico infectologista José Bampi, doutorando em Doenças Infecciosas e Parasitárias na UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), MS tem o vetor e o vírus já foi identificado em animais silvestres. “Na Febre do Oropouche, vetor não é o Aedes aegypti, mas o mosquito-pólvora. Enquanto o Aedes tem um centímetro, pólvora tem um milímetro, três milímetros”.

A maior circulação da Febre do Oropuche é creditada às mudanças climáticas, pois o aumento das temperaturas influem na disseminação dos mosquitos. “A doença é muito parecida com a dengue, mas mais branda. Tem duração de sete dias, com dor de cabeça, febre, mal-estar, lesão na pele”, afirma o infectologista. Contudo, na forma grave, pode evoluir para meningite.

Mosquito-pólvora tem de um a três milímetros. (Foto: Divulgação/Fiocruz Rondônia)
Mosquito-pólvora tem de um a três milímetros. (Foto: Divulgação/Fiocruz Rondônia)

O mosquito-pólvora se reproduz na matéria orgânica em decomposição. Por isso é importante deixar os terrenos limpos. Quanto aos hábitos, ele circula preferencialmente no começo da manhã e fim da tarde. As medidas de proteção incluem uso de roupas que protejam mais áreas do corpo, como manga longa, e repelentes que contenham DEET ou icaridina.

Amostras negativas para dengue, zika e febre chikungunya também são testadas para a Febre do Oropouche.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.


Nos siga no Google Notícias