ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, TERÇA  18    CAMPO GRANDE 32º

Cidades

Saúde enviará 181 mil doses da Janssen para MS

Maioria das doses será enviada para os municípios da fronteira do Brasil com Paraguai e Bolívia

Por Flávio Veras | 06/12/2021 12:53
Frascos da Janssen disponíveis para vacinação em MS. (Foto: Arquivo)
Frascos da Janssen disponíveis para vacinação em MS. (Foto: Arquivo)

A secretária extraordinária de Enfrentamento à Covid-19 do Ministério da Saúde, Rosana Leite, afirmou nesta segunda-feira ao Campo Grande News, que 181.803 doses da Janssen devem chegar em 48 horas em Mato Grosso do Sul.

Porém, segundo o secretário de Estado de Saúde de Mato Grosso do Sul, Geraldo Resende, são necessários reforços para 237 mil sul-mato-grossenses, vacinados com esta patente. Ou seja, para suprir a demanda estadual vão faltar 55.197 vacinas.

O imunizante foi anunciado como dose única, porém com a descoberta da variante Ômicron, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) decidiu autorizar a segunda dose dela, o que foi acatado pelo Ministério.

Elas foram usadas, em maior parte, nas cidades localizadas nas regiões de fronteira do Brasil com o Paraguai e Bolívia, a partir de estudo imunológico conduzido pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz). No entanto, algumas delas sobraram e também foram usadas em todos os municípios.

Com base nessa necessidade, o lote ficou dividido da seguinte forma: serão 160.585 doses para população que reside na região de fronteira internacional; 2.306 para pessoas em situação de rua;  20.160 para pacientes com 18 anos ou mais, que não residem na fronteira com Paraguai ou Bolívia.

Mais cedo, o Campo Grande News falou com o secretário de Estado de Saúde de Mato Grosso do Sul, Geraldo Resende, sobre a chegada dos imunizantes. Porém, ele reclamou da falta de comunicação entre a secretaria com o Ministério da Saúde. No entanto, pouco tempo depois da entrevista, o Ministério confirmou que enviará o lote ao Estado.

Cronograma vacinal - No mês de dezembro, é natural que profissionais da área da saúde aproveitem para tirar suas férias. No entanto, Resende afirmou que, apesar dessa tradição, a imunização no Estado não corre risco de ser adiada, pois ela é realizada por profissionais municipais que não se enquadram nesse quadro especializado.

“Eu acredito que não deva ter nenhuma interrupção na vacinação, apesar das festas de final de ano. Nós incentivamos o município, com recursos a mais para pagar as equipes que trabalham aos finais de semana ou à noite. Essa é uma forma de incentivarmos a imunização, pois o paciente consegue ter a vantagem de ser atendido em vários horários. A vacina é a única inimiga do vírus, não temos outra alternativa”, concluiu.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário