ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, TERÇA  22    CAMPO GRANDE 27º

Cidades

Alvo de operação da PF, Giroto deixa cargo de assessor em ministério

Por Edivaldo Bitencourt | 09/07/2015 16:27
Giroto durante visita à Capital neste ano após assumir cargo no ministério (Foto: Arquivo)
Giroto durante visita à Capital neste ano após assumir cargo no ministério (Foto: Arquivo)

Um dos alvos da Operação Lama Asfáltica, da Polícia Federal e outros órgãos federais de fiscalização, o ex-deputado federal Edson Giroto (PR) pediu, no início da tarde de hoje (9), afastamento do cargo de assessor especial do Ministério dos Transportes. O fato foi comunicado em nota pelo titular da pasta, ministro Antonio Carlos Rodrigues.

Apesar de Rodrigues citar a operação deflagrada nesta quinta-feira, Giroto alegou “assuntos particulares” para sair do ministério. Ele foi nomeado como assessor especial, mas era cotado para assumir a secretaria executiva, o segundo cargo mais importante do órgão.

Giroto foi alvo da Operação Lama Asfáltica, desenvolvida pela PF, Ministério Público Federal, Receita Federal e Controladoria Geral da União. Os órgãos investigaram três contratos com o poder público, que somam R$ 45 milhões e deram prejuízo de R$ 11 milhões aos cofres públicos.

A mansão de Giroto no Residencial Dahma, avaliada em aproximadamente R$ 7 milhões, foi um dos alvos da operação. O delegado da PF, Antônio Carlos Knoll, contou que os policiais foram obrigados a acionar um chaveiro para entrar na residência do ex-deputado.

Giroto foi secretário municipal de Obras nos dois mandatos de André Puccinelli em Campo Grande. Ele também ficou no comando da pasta por dois anos na gestão de Nelsinho Trad. Também foi secretário estadual de Obras e deputado federal pelo PR. Em 2012, foi candidato a prefeito de Campo Grande pelo PMDB e perdeu no segundo turno para Alcides Bernal (PP).

Confira na íntegra a nota do ministro:

“O ministro dos Transportes, Antonio Carlos Rodrigues, teve conhecimento, nesta quinta-feira (9/7), da Operação “Lama Asfáltica” da Polícia Federal, Receita Federal e CGU em Campo Grande. O assessor especial do Ministério dos Transportes, Edson Giroto, solicitou afastamento de suas funções no Ministério para tratar de assuntos particulares.”

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário