ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
DEZEMBRO, SÁBADO  09    CAMPO GRANDE 29º

Capital

"Sequestrador" afirma que foi manipulado pela esposa

Zana Zaidan e Filipe Prado | 25/11/2013 20:13
Carlos chega a delegacia acompanhada das duas advogadas (Fotos: Marcos Ermínio)
Carlos chega a delegacia acompanhada das duas advogadas (Fotos: Marcos Ermínio)

Suspeita do seqüestro do bebê recém-nascido no último dia 16, levado do bairro Dom Antônio Barbosa, em Campo Grande, Renata Silva de Jesus, 33 anos, chegou a organizar um chá de bebê e apresentar a criança como sua filha para toda a família. A afirmação é do marido de Renata, Carlos dos Santos, 25 anos que prestou o primeiro depoimento hoje (25) à Polícia.

O bebê foi devolvido à mãe no dia 19. Nos três dias em que esteve seqüestrada, os pais, os irmãos e sobrinhos de Carlos e Renata conheceram a criança, que inclusive teriam presenteado a recém-nascida, conforme Santos.

A irmã do suspeito, Aieska dos Santos, assistiu ao depoimento e reforça ter estranhado o comportamento de Carlos no dia do encontro. “Desde o começo d confiei que tinha alguma coisa errada. Meu irmão é uma pessoa muito afetiva, e ele parecia não querer nem ficar perto dela”, comenta.

Confissão - Ele confirma ter participado do crime, mas alega que foi induzido pela mulher ao ato. Ela havia sofrido um aborto e, por isso, articulou o roubo da criança. O bebê foi levado por três homens encapuzados, um deles armado, segundo a polícia. Carlos afirma ser um dos três, mas nega haver armas com ele.

“Ela me disse que daríamos um passeio, e eu acreditei. Estava fora de mim naquele dia. Tinha bebido e usado drogas, estava inconsciente”, diz Carlos. “Depois que passou o efeito, não conseguia ficar perto da bebê, mal conseguia olhar para ela”, acrescenta.

Carlos usa, ainda, o nome “Davi Hiago”, que tem tatuado no corpo, para reforçar sua inocência. Segundo ele, este seria o nome da criança que Renata esperava, um menino. No entanto, o bebê seqüestrado era uma menina. “Tudo que eu mais queria era ter esse filho, por isso até tatuei”.

Defesa – A defesa de Carlos é feita por duas advogadas, uma delas Marilza Féliz de Melo, que conversou com o Campo Grande News. O depoimento à Polícia foi acompanhado por ambas, mas somente Elizabete Nunes Delgado comentou o caso, e garantiu que seu cliente não sabia do plano de Renata. “Ele não sabia do seqüestro, tinha até tatuado o nome do filho e queria muito ter a criança”, reforça.

Sobre o intervalo de nove dias até que Carlos se apresentasse à Polícia, a advogada afirmou “que esperavam o tempo certo”.

O delegado responsável pelo caso, Paulo Sérgio Lauretto, da DEPCA (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente), pediu a prisão preventiva de Carlos. Elizabete antecipou que vai entrar com pedido de liberdade provisória, alegando que o acusado tem emprego e residência fixa.

Carlos relatou que não sabia do sequestro (Foto: Marcos Ermínio)
Carlos relatou que não sabia do sequestro (Foto: Marcos Ermínio)
A irmã de Carlos relata que ele ficou diferente depois que a filha "nasceu" (Foto: Marcos Ermínio)
A irmã de Carlos relata que ele ficou diferente depois que a filha "nasceu" (Foto: Marcos Ermínio)
Nos siga no Google Notícias