ACOMPANHE-NOS    
NOVEMBRO, DOMINGO  28    CAMPO GRANDE 28º

Capital

“Só me resta chorar”, diz pai de jovem morta por marido com tábua de carne

Corpo da jovem foi encontrado em casa, cinco dias após o assassinato

Por Danielle Valentim e Bruna Kaspary | 31/08/2018 10:30
Após discussões, até por cachorros, Gélvio costumava sair de casa. (Foto: Arquivo/Pessoal)
Após discussões, até por cachorros, Gélvio costumava sair de casa. (Foto: Arquivo/Pessoal)

Depois de dois anos do crime, Gélvio Nascimento Rosseto acusado de espancar até a morte a companheira Luana de Campos Grecco, na época 22 anos, passa por julgamento na manhã desta sexta-feira (31), na 1ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande.

O depoimento do pai de Luana, Celso Aparecido Greco, durou pouco mais de uma hora e meia. Ele relatou os últimos anos da filha, desde o dia em que conheceu o réu ao dia em que a deixou em casa, e foi embora sem se despedir.

Segundo Celso, Luana conheceu Gelvio aos 14 anos, quando os dois frequentavam uma igreja evangélica. Eles começaram a namorar e o relacionamento já completava 3 anos, quando a jovem descobriu que o jovem estava usando drogas.

Depois da descoberta ficaram separados por mais três anos, até que o rapaz reapareceu enviando flores e até carro de som. Ainda conforme relato do pai, certo dia Gelvio foi até sua casa para conversar com Luana.

Depois do diálogo, Luana entrou na residência e contou ao pai que o rapaz queria se casar com ela. O pai aconselhou a filha de que, em princípio, o melhor seria apenas morar com o jovem e não se casar. A moça foi morta seis meses depois.

“Eu tinha ideia de que ele não era uma boa pessoa e pelo histórico deles eu acreditava que não seria bom para ela. Eles brigavam muito e toda vez que brigavam, Gelvio pegava os cachorros e saía de casa”, conta.

Respondendo a questionamentos do promotor José Arturo Bobadilla, o pai de Luana disse que no dia 24 de setembro, pela manhã, a jovem foi até sua casa pedindo a motocicleta emprestada para procurar o marido.

À noite, a jovem entregou a moto e o pai percebeu que ela havia percorrido a distancia de 100 km. Antes de sair, Luana pediu para que Celso ligasse e pedisse para Gelvio voltar para casa. “Eu disse para ela que não ligaria e ela rebateu dizendo que se mataria se eu não ligasse. Quando soube da morte até achei que fosse isso. Eu levei ela para casa, ela não se despediu e essa foi o último contato que tive”, disse.

Ainda segundo o pai, a jovem tentou internar o marido diversas vezes achando que ele mudaria, mas nunca conseguiu por falta de apoio da sogra. “Minha vida está acabando porque acabaram com a vida da minha filha. Ele matou minha razão de viver. Hoje só me sobra chorar”, disse.
Mais três testemunhas deverão ser ouvidas antes do réu, nesta sexta-feira.

Defesa - Em 2017, a defesa de Gélvio entrou com recurso, na 1ª Vara do Tribunal do Juri, pedindo a absolvição de seu cliente por falta de provas. Segundo o advogado Luiz Marla Nunes Carneiro, em documento anexado ao processo desde a fase extraprocessual, Gélvio afirma que não cometeu o crime.

“Ele esclareceu ainda com mais detalhes, na fase judicial, sobre o dia de sua prisão, e que na realidade, é também uma vítima, pois a sua companheira, de mais de 10 anos de relação, foi morta”, diz. Segundo inquérito policial, Gélvio era dependente químico e Luana não aceitava, motivo pelo qual o casal vivia brigando.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário