ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, DOMINGO  25    CAMPO GRANDE 26º

Capital

Advogados desqualificam memória e participação de delegado em investigação

Delegado Tiago Macedo entrou no caso em outubro, seis meses após morte do estudante Matheus Coutinho

Silvia Frias e Ana Beatriz Rodrigues | 17/07/2023 15:23
Advogado Eugênio Malavasi mostra foto de tatuagem que seria de Juanil Miranda ao delegado Tiago Macedo (Foto: Paulo Francis)
Advogado Eugênio Malavasi mostra foto de tatuagem que seria de Juanil Miranda ao delegado Tiago Macedo (Foto: Paulo Francis)

Desqualificar a memória e a participação dos delegados na investigação da morte do estudante Matheus Coutinho Xavier continua sendo a estratégia de defesa dos réus. No interrogatório desta tarde, o alvo foi o delegado Tiago Macedo dos Santos, que, a exemplo da colega Daniela Kades, entrou no caso seis meses após o crime ter ocorrido.

No entanto, o bombardeio durou bem menos do que de manhã: a delegada Daniela Kades passou por 2 horas de depoimento, entre questionamentos feitos pela promotoria e, principalmente, da defesa de Marcelo Rios, Vladenilson Daniel Olmedo e Jamil Name Filho, o “Jamilzinho”. Para Macedo, durou 38 minutos.

Delegado Tiago Macedo presta depoimento (Foto: Paulo Francis)
Delegado Tiago Macedo presta depoimento (Foto: Paulo Francis)

Os advogados de Marcelo Rios que, de manhã, protagonizaram bate-boca com Daniela Kades e promotoria, resultando até na intervenção do juiz Aluizio Pereira do Santos, voltaram à carga, questionando a investigação.

Luiz Rene Gonçalves do Amaral fez cronologia do caso: Matheus Coutinho foi morto no dia 9 de abril de 2019; o arsenal que seria da milícia comandada pelos Name foi descoberto em maio daquele ano e Tiago Macedo dos Santos, assim como Daniela Kades, passou a integrar a força-tarefa em outubro. Amaral questionou como ele falava no julgamento de interrogatórios dos quais não tinha participado.

Macedo rebateu, dizendo que sabia do conteúdo por ter lido relatório e participado de diligências envolvendo a apuração dos crimes e, por isso, se inteirou do caso. “Quero ressaltar que o senhor também não estava presente em nada e só leu tudo, então, estamos no mesmo pé”, disse o delegado. Amaral respondeu: “Aí que o senhor se engana, porque eu não estou aqui acusando ninguém”.

Advogado Luiz Rene questiona participação de delegado (Foto: Paulo Francis)
Advogado Luiz Rene questiona participação de delegado (Foto: Paulo Francis)

Ligação - Márcio Widal, que também representa Rios, voltou a fazer os mesmos questionamentos feitos a Daniela Kades. “Quem teria entregue as armas a Juanil e Zezinho? Ou eles teriam comprado?”. O delegado voltou a falar que isso estava nos autos, mas se recorda que não foi comprada pela dupla de executores.

Widal também perguntou se a polícia teve acesso à investigação do furto do carro usado na execução, que teria ocorrido em Suzano (SP). “Esse não era o foco, e sim, o crime que teria acontecido aqui”.

O advogado Alexandre Padilhas, que representa Vladenilson Olmedo, questionou se foi encontrada alguma ligação entre o réu com José Moreira Freixe, o “Zezinho”, considerado um dos executores do estudante. O delegado disse que não se recordava.

Também perguntou se a polícia fez perícia no carro para encontrar alguma digital que ligasse Olmedo ao caso. O delegado respondeu que o veículo foi encontrado queimado, impossibilitando qualquer identificação nesse aspecto.

Advogado Eugênio Malavasi e os réus no processo, de frente para o delegado (Foto: Paulo Francis)
Advogado Eugênio Malavasi e os réus no processo, de frente para o delegado (Foto: Paulo Francis)

Macedo acrescentou que a investigação identificou que Olmedo assumiu a gerência da organização depois da prisão do ex-guarda civil Marcelo Rios, em maio de 2019. Esse indício seria por conta da movimentação financeira dos Name feito para o policial civil. “O senhor menciona relatório de extrato bancário, teve acesso a esse extrato?”. Macedo respondeu: “Não, mas está nos autos”.

PCC – Eugênio Malavasi, da defesa de Jamil Name, voltou a perguntar sobre a metodologia dos delegados para o relatório final, tendo como resposta que a força-tarefa compartilhou argumentos para redigir. Malavasi perguntou se Macedo soube de alguma ligação entre Sérgio Roberto de Carvalho e Paulo Roberto Xavier, pai da vítima. O delegado não se recordou.

Embora não tenha falado, Sérgio Roberto de Carvalho é Major Carvalho, acusado de tráfico internacional de drogas.

Malavasi também indagou se Macedo sabia que Juanil Miranda Lima tinha uma tatuagem de carpa. O advogado não explicou o motivo da pergunta, mas a tatuagem do peixe costuma ser usada por integrantes do PCC (Primeiro Comando da Capital).

O delegado disse não saber. Sucinto, o outro advogado de Name, Nefi Cordeiro, só quis saber de que forma Macedo participou das investigações. A resposta também foi objetiva. “Está nos autos”.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para entrar na lista VIP do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias