ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 16º

Capital

Ao saber que filha foi estuprada, pai cobrou "pagamento" em drogas

Pai e madrasta que deixaram menina em local de uso de drogas vão responder por abandono

Ana Beatriz Rodrigues | 14/09/2022 19:35
Delegada Daniella Kades responsável pelo o caso (Foto:Paulo Francis)
Delegada Daniella Kades responsável pelo o caso (Foto:Paulo Francis)

Pai e a madrasta da menina de 12 anos que foi estuprada em ponto de uso de drogas vão responder por abandono de incapaz e a Depca (Delegacia Especializada de Pronto Atendimento de Proteção à Criança e ao Adolescente) vai investigar o casal por maus-tratos.

De acordo com a delegada, Daniella Kades, o abuso aconteceu após a madrasta deixar a menina sozinha no local onde estavam os agressores. Na noite de quinta-feira (8), conforme investigado, a menina chegou por volta das 20h em casa e o pai mandou ela ir atrás da madrasta, que estava sumida o dia todo. Como a menina sabia que a mulher era dependente química, foi direto nas bocas de fumos e “biqueiras” - local de uso de drogas - que existem no bairro.

Em depoimento especial, a criança contou que a madrasta mandou que ela ficasse em frente ao um dos locais de consumo de drogas e sumiu novamente. Foi nesse momento que os adolescentes a puxaram para dentro do imóvel.

Na “biqueira” a menina foi forçada a beber. Ela contou que lhe deram um líquido cor de rosa que a deixou “meio doida” e em determinado momento, um adolescente de 16 anos, a levou para o quarto, trancou a porta com uma cadeira e a estuprou. Ela disse que gritou por socorro, mas ninguém apareceu.

Por volta das 4h horas, o pai da garota foi ao local e ainda tentou “negociar” a filha, exigindo drogas em troca do “tempo” que ela havia passado com os adolescentes. “Foi quando ele [o pai] ficou bravo e saiu arrastando a menina”, explicou a delegada, comentando que a criança estava sem se alimentar há dias e bastante machucada.

Apreendido, o adolescente de 16 anos alega que teve relação sexual consentida com a menina. Ele está em Unei (Unidade Educacional de Internação). Os outros dois foram ouvidos e liberados.

Agora, o caso ficará sob responsabilidade da Depca, e por decisão judicial, a menina está com uma vizinha, que obteve guarda temporária da vítima.

Nos siga no Google Notícias