ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEGUNDA  22    CAMPO GRANDE 31º

Capital

Após 10 dias de exposição, gaúchos se prepararam para voltar e ajudar o RS

Expositores da Fenasul dizem estar ansiosos para poderem reencontrar a família

Por Geniffer Valeriano | 12/05/2024 18:46
Expositores presente na Fenasul (Foto: Geniffer Valeriano)
Expositores presente na Fenasul (Foto: Geniffer Valeriano)

Após 10 dias de exposição, os gaúchos começam a preparar as malas para voltar ao Rio Grande do Sul. Apesar da incerteza do cenário que irão encontrar, os expositores se dizem ansiosos para reencontrar as famílias e ajudar na reconstrução do que for preciso. O problema é quem não tem o transporte garantido. Não há ônibus disponível para viagens até algumas cidades no Sul.

Simone Brogni, de 56 anos, já se preparava para começar a encaixotar os chocolates que estava vendendo na Fenasul para poder pegar a estrada nesta segunda-feira (13). "Como já está chegando caminhões com as doações, eu acho que iremos conseguir chegar também. Vamos de carro porque viemos de carro e a nossa esperança é essa de que se estão chegando caminhões, a gente também chega", contou.

Durante as enchentes, familiares e a mãe de Simone precisaram deixar suas casas. Porém, com o nível da água descendo a mãe da sulista retornou para casa. "Minha mãe voltou de teimosa. As águas começaram a baixar, mas ainda está chovendo então podem voltar a subir de novo", explica.

Simone Brogni, expositora da Fenasul (Foto: Geniffer Valeriano)
Simone Brogni, expositora da Fenasul (Foto: Geniffer Valeriano)

Apesar da possibilidade da água voltar a subir, Simone descreve a sensação de voltar para casa como boa. "A gente já sente saudade em cenários normais, na situação atual a saudade aumenta ainda mais. Só pensamos em retornar e ajudar no que for preciso".

Incerteza - Apesar do anseio pelo retorno à cidade onde mora, a vendedora de roupas Edna Maria Pereira, de 60 anos, diz ainda estar vivendo a angústia de não saber como irá  para o Rio Grande do Sul.

"Ainda estou tentando ir embora, mas não há ônibus que vá para lá e o ônibus que vai até uma cidade próxima de onde moro teria que fazer baldeação e eu poderia perder o segundo ônibus. Ainda estou tentando encontrar uma carona", contou.

Segundo Edna, entre os expositores que irão retornar para o sul do país nenhum irá passar pela sua cidade. A preocupação da vendedora aumentou após ser avisada que sua filha e o seu bisneto estão doentes.

Eu não estou conseguindo falar com a minha patroa para saber se ela consegue mandar mais roupas para irmos para outra feira, porque o que temos em estoque é pouco. A minha filha e o meu bisneto estão com febre, eles ficaram doentes porque passaram alguns dias na água”.

Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

Enquanto muitos comemoram o Dia das Mães, Edna declara que seu sofrimento aumenta ao passar o dia sem conseguir falar com os filhos que ainda continuam em um abrigo. “Casa eu sei que não tenho mais. Eu só quero voltar para eles”.

De feira em feira - Apesar da Fenasul estar encerrando em Campo Grande, Jair Oliveira, de 54 anos, diz que nos próximos dias ainda percorrerá outras exposições no estado de Rondônia e de Mato Grosso.

“Quando sai do sul a situação ainda estava boa. Eu moro em uma região alta então a minha casa não foi atingida, mas recebi os meus primos de Porto Alegre que tiveram a casa alagada. Hoje tem mais de 8 pessoas em casa, então vou continuar tralhando”, diz.

Jair (a direita) continuará viajando em feiras (Foto: Geniffer Valeriano)
Jair (a direita) continuará viajando em feiras (Foto: Geniffer Valeriano)

Além da exposição, a renda de Jair é composta pela venda de facas em sua loja física. Com a enchente o vendedor diz que nos últimos 20 dias conseguiu arrecadar somente R$ 600,00.

“99,9% das vendas eram feitas para turistas, com a enchente as vendas foram reduzidas. Ainda estou conseguindo vender pela internet. Como eu estou sendo, praticamente, o único provedor da casa, eu não vou conseguir parar”, disse.

Solidariedade - Desde o dia 5 de maio, o ingresso da entrada na Fenasul poderia ser trocada por um quilo de qualquer alimento não perecível. O gerente de eventos da Fenasul, Lázaro dos Santos, de 60 anos, disse que até sexta-feira (10) encheram 10 caminhões com as doações.

“O pessoal foi bem solicito, conseguimos encher 7 caminhões somente com roupa, outros 2 só com alimentação e 1 só de água. O exército fez o transporte até o CTG farroupilha”, explicou.

Parte das doações arrecadas durante os dez dias de feira (Foto: Divulgação)
Parte das doações arrecadas durante os dez dias de feira (Foto: Divulgação)

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias