ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, DOMINGO  16    CAMPO GRANDE 22º

Capital

Após pressão de colega, juiz volta atrás sobre 'condomínio de luxo'

Waldemar Gonçalves e Anahi Zurutuza | 05/08/2016 16:02
'Rua' na porta de condomínio que seria irregular (Foto: Marcos Ermínio)
'Rua' na porta de condomínio que seria irregular (Foto: Marcos Ermínio)

Não é hoje que Campo Grande terá de volta uma rua pública que teria sido tomada da cidade deliberadamente por moradores de área nobre. O juiz Fernando Paes de Campos, da 3ª Vara de Fazenda e Registros Públicos, derrubou nesta sexta-feira (5) liminar dele próprio para demolir as guaritas do Condomínio Nahima Park, nos altos da Avenida Afonso Pena.

A reversão da decisão foi confirmada pelo oficial de Justiça Mario Rodrigues Junior, que esteve no local mais cedo para avisar da necessidade do cumprimento da liminar. A ordem inicial havia sido dada em favor da Prefeitura de Campo Grande, que ingressou com ação para desobstruir o lagradouro pública, depois que o morador Humberto Sávio Abussaf Figueiró fez denúncia sobre a existência do "condomínio ilegal". 

Campos decidiu suspender a liminar por cinco dias. A decisão teria saído após longa conversa, por telefone, com o também juiz Carlos Garcete, morador do ‘condomínio’, e com advogados da associação que estiveram na sala do magistrado da 3ª Vara de Fazenda.

A presidente da Associação dos Moradores do Condomínio Nahima Park, Andreia Xavier Leteriello, confirma que Garcete conversou com o oficial de Justiça sobre o assunto, mas apenas enquanto morador e para se inteirar do assunto. O TJ (Tribunal de Justiça) foi acionado pelo Campo Grande News e se comprometeu a averiguar a situação antes de dar um posicionamento oficial.

Segundo Andreia, Figueiró iniciou a confusão porque estaria discordando de pagar uma taxa de condomínio de R$ 1,5 mil mensais. “Isto é implicância de um morador com a associação, porque ele nos deve R$ 30 mil”.

Até o momento, não foram informados os argumentos do juiz para rever a própria liminar, constando apenas que ele pretende analisar um pedido de reconsideração apresentado pelos moradores. Garcete, segundo a presidente da associação, não estaria mais no condomínio nesta tarde.

Matéria editada às 16h23 para acréscimo de informações.

Nos siga no Google Notícias