A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

24/03/2012 11:14

Beneficiários viram corretores e fazem melhorias para valorizar a venda

Paula Maciulevicius

Aposentada pede na casa R$ 50 mil e justifica que os interessados precisam considerar as melhorias nas casas e a isenção de IPTU

Apesar do anúncio, moradora desconfia e diz que fogão que está à venda, mas depois abre negociação. (Fotos: Marlon Ganassin)Apesar do anúncio, moradora desconfia e diz que fogão que está à venda, mas depois abre negociação. (Fotos: Marlon Ganassin)

O problema existe desde que as casas em conjuntos habitacionais começaram a ser entregues. Antes a venda era mais descarada, placas anunciando e tudo mais. Hoje é, como se diz, mais por baixo dos panos. Em uma volta pelo Residencial Nova Serrana, no Jardim Noroeste, o Campo Grande News encontrou o anúncio de "vende-se" escrito na própria parede de uma casa verde, na rua Curupá.

De imediato, a equipe desceu, se passando por compradores. A dona, uma aposentada, primeiro negou que estivesse vendendo o imóvel. Questionada sobre a placa improvisada, ela respondeu que se tratava da venda do fogão. A equipe fez que ia embora, dizendo que procurava uma casa. A senhora chama e pergunta se a procura é mesmo verdadeira e a partir daí inicia uma pré-negociação.

A aposentada pede na casa nada mais, nada menos do que R$ 50 mil. Bem acima da média que os próprios moradores comentam que vale, em torno de R$ 20 mil. Ela argumenta dizendo que os interessados precisam considerar as melhorias nas casas. "A minha é toda reformada. Eles entregam para a gente só com as paredes. Eu que fiz piso, coloquei PVC, fiz o fundo todo, e ergui muro", justifica.

A equipe diz que ainda assim o preço é elevado e ela conta que quem comprar não vai precisar pagar IPTU. "Eu sou isenta de IPTU, então a pessoa que comprar não vai nem ter que pagar por isso". A frase dá margem para entrar no quesito de documentação. Ela diz que está pago, que não deve nada à Emha e que por conta disso, pode vender sim. "A gente vai no cartório e faz o contrato. Passa como escritura de uma casa normal. Eu fiz assim já, eu comprei essa casa assim".

A aposentada que hoje põe a casa à venda não chegou a ser a beneficiada, comprou o imóvel da família que realmente havia sido contemplada.

Ela insiste na negociação, dizendo que tem várias pessoas interessadas, mas que só aceita à vista. "Nem por carro eu troco, isso eu já tenho".

Questionada sobre o porque quer se mudar, se é por conta da vizinhança, ela responde que não, que ali é tranquilo, que ela só precisa vir mais para o centro para atender aos clientes. A aposentada trabalha fornecendo marmitas.

Andreia mora em casa de tábua e já recebeu proposta para comprar imóvel no residencial Nova Serrana.Andreia mora em casa de tábua e já recebeu proposta para comprar imóvel no residencial Nova Serrana.

Nesta mesma rua, Curupá, não está à venda só a casa da aposentada. Os dois vizinhos do lado também, um pede R$ 25 mil e o outro R$ 35 mil. "Eles também estão vendendo, o de lá até que fez reforma, esse aqui foi mexendo, mas a casa está toda inclinada".

A aposentada oferece também a casa do filho. "Ela está toda murada, com portão eletrônico, essas melhorias que a gente faz é para vender". A casa fica na mesma quadra, um pouco mais à frente.

A Curupá não é exceção. Existem inúmeras casas à venda e também beneficiários que depedendo da proposta, aceitam negociar. Na rua Baluarte, o Campo Grande News bateu em uma casa de esquina onde havia a denúncia de venda. O dono que atende diz que não. Nega que a casa tivesse sido colocada à venda e afirma categoricamente que é o beneficiado.

"Se tem casa à venda aqui? Eu não sei, aqui não pode vender", responde.

A equipe bate um pouco mais à frente e um vizinho aponta para uma casa "ali o dono quer vender". Chegando lá, o beneficiado explica que colocou à venda, mas não está mais, desistiu. Com o andar da conversa, ele pergunta qual é a proposta. A equipe ofereceu um carro como troca e o restante em dinheiro. O dono fala que pedia R$ 18 mil, R$ 20 mil, mas que se pagar 30% do valor à vista, o resto pode ser negociado.

Questionado se não havia mais casas à venda num valor menor, ele explica que depende da pressa. "Tem gente que passa por R$ 4 mil, até R$ 2 mil". A equipe pergunta se não há problema com fiscalização, ele responde "eles até batem, mas não dá nada. Aquela ali, ele mudou tem uns meses, comprou também". A casa a qual ele se refere é a mesma que o Campo Grande News foi, a da esquina e que o dono negou que tivesse comprado.

O beneficiado tenta justificar a venda de casas colocando a culpa nos problemas do bairro. "A gente não tem linha de ônibus, asfalto, nem escola e posto de saúde perto e o presidente do bairro não faz nada pela gente, aí quem consegue, vende".

Depois de andar pelo residencial, o Campo Grande News foi até as casas de tábua, na comunidade próxima ao aterro. Conversando com a dona de casa Andreia Rodrigues dos Santos, 49 anos, ela conta que ainda não se cadastrou na Emha por falta de documentos, mas que isso não foi impecilho para que ela, se quisesse, conseguir uma residência.

"Me ofereceram por R$ 12 mil em dezembro do ano passado, uma bem ali. A dona parece que conseguiu vender, era uma senhora que tinha saído daqui, foi para lá, vendeu e voltou para cá. Acho que agora ela está tentando no nome da filha. Eu não comprei porque não vale a pena, depois se eles tomam. Eles (beneficiados) querem dinheiro, não a casa, se fica sabendo que alguém quer comprar, vende por R$ 1 mil, R$ 1,5 mil", diz.

No residencial Ronaldo Tenuta, das 430 casas entregues, 60% já estão à venda. (Foto: Simão Nogueira)No residencial Ronaldo Tenuta, das 430 casas entregues, 60% já estão à venda. (Foto: Simão Nogueira)

No residencial Ronaldo Tenuta, no bairro Portal Caiobá, entregue há pouco mais de sete meses, das 430 casas, segundo a Emha, 60% delas estão à venda. O número evidencia o comércio que se criou em volta de programas habitacionais. Por lá, mesmo se passando por compradores é difícil achar alguém que aceite negociar de primeira. Depois de muita conversa, uma moradora pergunta "mas você é da Caixa?" ao ouvir o não, ela começa a apontar casas que estão à venda.

Uma das casas que ela aponta, a vizinha explica que é porque a mulher tem chácara e o marido só fica mais por lá, parece que ele não se adaptou. Entre as demais relacionadas, ela fala das melhorias, "eles colocaram muro, calçaram, tem portão eletrônico". Sobre a faixa de preço, ela responde que varia "tem por R$ 2 mil, R$ 10 mil, R$ 18 e até R$ 20 mil".

A equipe bate em outra casa, uma aposentada recebe dizendo que o que mais acontece ali são as vendas. "Os sorteados são de tudo quanto é bairro, mas volta e meia eles estão mudando. Tem um que me explicou que ele tem casa no nome dele, que a mulher dele tem e o filho também, daí a daqui, ele vendeu".

Fiscalização - Segundo o diretor-presidente da Emha (Empresa Municipal de Habitação), depois da entrega das casas, o domínio passa a ser da Caixa Econômica. "A gente faz o trabalho, antes de entregar tem trabalho técnico social, depois fica 180 dias trabalhando com eles. Mas os beneficiados não aguentam ver R$ 5 mil, R$ 10 mil, R$15 mil reais", afirma Matos.

Do projeto Minha Casa, Minha Vida, a Emha conta que os beneficiados estão negociando mais caro, na média de R$ 15 mil. Paulo Matos ressalta que quem for denunciado por compra e venda de casas populares uma única vez, nunca mais será beneficiado no Brasil, por conta do cadastro nacional de habitação.

"A fiscalização e a retomada são importantes porque inibe o comprador. Se ele for comprar sabendo que vai perder dinheiro, não compra", diz.

A Emha tem conhecimento das vendas e principalmente dos instrumentos usados pelos vendedores.

"O pessoal chega anunciar em jornal, põe placa de vende-se. Hoje, ele recebe a casa, vende e procura área pública para receber outra casa, mas não vai poder ficar ocupando áreas. Agora a gente aperfeiçoou isso. Hoje é feito cruzamento de renda familiar e o benefício que tem nos programas federais, se faz triagem diante de todas essas informações e aí consegue traçar o perfil correto para ver quem precisa", explica.



eu tenho escricao a mais de 3 anos e ate agora nada moro com os meus pais porque eu nao posso pagar aluguel e estou com o meu filho prestes a nascer enquanto ta cheio de gente q recebeu a sua casa e nem precisa e estam vandendo
 
anderson polidorio vieira em 09/05/2013 21:13:03
Muitas pessoas precisam mesmo do imóvel,outras só pensa em reformam para se ter dinheiro, esse é nosso Brasil, enquanto não tiver uma maior fiscalização quem realmente precisa nunca vai conseguir.
 
Rosenir Silva Fernandes em 25/03/2012 12:18:27
Infelizmente isso ocorre faz muito tempo, eu como muitos outros aqui, tenho inscrição faz anos. Conheço um residencial propriamente o Residencial Oiti, que tá mesma situação. Casas foram vendidas, pessoas q receberam suas casas e nem moram lá... Fiscalização???? Só pra quem é correto, digno. Faz alguma alteração na casa pra ver se naum chove uma cambada, agora comercializar pode!!!!!! Lamentáve!
 
Keila Lemos em 25/03/2012 11:02:57
Esse e o maior exemplo de como esta nosso Brasil , quem nao quer ganha quem precisa nao tem.................
 
rosane scavoni em 25/03/2012 11:01:15
Vergonha,vergonha,vergonha...este tipo de atitude vimos todos os dias nos noticiários
politicos corruptos, máfia na saúde, pessoas que sequer precisa de casa do governo por terem chácaras, carrões até aparts, estamos em um mundo que a liberdade é um bem de mercado pois só quem tem dinheiro pode comprar.
a corrupção está escancarada.
tenho vergonha de ser brasileiro.
Viva Brasil.....




 
jairo santos em 25/03/2012 10:09:14
Infelizmente isso está ocorrendo no estado inteiro, as pessoas recebem a casa, vendem e depois vão viver de aluguel...sem comentários....
 
kaléu freitas em 25/03/2012 08:03:53
EU JA MIGREI PARA VARIOS PROJETOS, E NUNCA FUI CONTEMPLADO, ISTO JA FAZ 6 ANOS, QUAL SERIA O CRITERIO USADO PELA EMHA???
 
REGINALDO GONÇALVES em 25/03/2012 06:28:54
tantas pessoas precisando de uma casa e as outras pegam, vendem e pronto so acho que teria que ser mas organizado isso dai porque assim fica facil...
 
Daiane Esquian em 24/03/2012 12:25:02
por isso que minha incriçao ja tem um decada ,daqui a pouco completa o centenario e minha sonhada casa fica só no sonho.
 
janilson cavalcante em 24/03/2012 12:21:56
enquanto nao fiser uma boa celeçao de quem realmente precisa de moradia vai cer assim ganha e vende nao precisa do imovel
 
salvador vieira gonçalves em 24/03/2012 12:01:19
EU ACHO QUE TINHA QUE DAR CADEIA PRA QUEM VENDE E PRA QUE COMPRA.
 
ALEXANDRO MENEZES DE SOUZA em 24/03/2012 11:06:51
O que dizer? Simplesmente absurdo, quem PRECISA e não tem o famoso QI não consegue. Minha inscrição está há mais de 6 anos aguardando uma oportunidade, tenho todos os pré requisitos solicitados e NUNCA se quer fui chamado para uma entrevista. Mas é isso aí, vamos ver até onde vai a farra.
 
Zampierry Issler em 24/03/2012 11:03:11
Já nem sei qual crime é mais grave, neste País, é mais fácil o cidadão ser punido por crime contra a nossa ortografia, do que ser punido por vender imóveis de projetos sociais.... e se ninguém " FISER " nada, com relação a " CELEÇAO " dos futuros beneficiários, vai " CER " complicado coíbir, esta prática.
 
JOSE PEREIRA DA SILVA em 24/03/2012 10:59:05
é por causa de pessoas como essas que muitas que precisam ficam sem suas casas, fiz meu cadastro na hema faz alguns anos e nunca fui beneficiada, será que esse processo de escolha é o mais indicado? como considerar justo este processo se estas pessoas estão vendendo o bem mais cobiçado pela população mundial..........................................................................................
 
maria recalde em 24/03/2012 10:07:10
nossa isso e demais minha incriçao ja fez bodas e nada de sair minha casa ,afinal pra sair nao existe sorteio mesmo so treta e como nao conheço ninguem importante vai demorar mais ainda...mais afinal a esperança e aultima que morre..vou esperar mais quantos anos ..
 
giselle duarte em 24/03/2012 09:33:10
Não seja falso moralista, o que é correto neste país?... Só me responda isto...

Sou morador aqui do residêncial Oiti (Pedrossiam), e aqui não é diferente, o programa é de arredamento e mesmo assim muitas foram vendidas, te aponto pelo menos umas 10, a CEF, Imobilária "Casa X", Agehab e Ehma, nada fazem... R. João Francisco Damasceno, 893

Comércio Ilegal, Crime e Vista Grossa dos órgãos públicos.
 
Josenildo da Silva em 24/03/2012 09:27:08
Moro em um condominio e nunca vi qualquer fiscalização. Nunca entrou um fiscal para saber se quem mora é o real beneficiário. Fazer da entrega um palanque eleitoral é comum, mas.. e depois?
 
Fernando Alves em 24/03/2012 08:21:17
É complicado essa situação... Infelizmente essas casas é dada á pessoas " que não tem onde morar,ou de baixissíma renda",assim a informação chega até nós,porém não é isso que vemos...a gente vai lá vai uma inscrição,e espera,espera e nunca que é sorteado. Se a agencia habitacional entregasse essas casas para quem paga aluguel,com certeza não veríamos uma cena dessa. Brasil né?
 
solange gomes em 24/03/2012 07:58:40
Meu sonho é ter um casa, sou cadastrada na emnha a 5 anos a até hoje não consegui nada, se eu estivesse essa oprtunidade eu jamais ia vender . é preciso analisar melhor para quem vão dar essas casas.
 
fatima sene em 24/03/2012 07:30:09
Isso é uma vergonha. eu estou cadastrado a cinco anos na emha e agehab, nesse tempo presenciei pessoas que não necessitam das casas, mas mesmo assim as recebem. apenas por conhecerem politicos e furarem as filas. muito triste. gostaria que o presidente da emha realmente retomasse essas casas e distribuisse para quem realmente precisa delas.
 
brenon magalhães em 24/03/2012 07:21:50
Essa estória que a caixa beneficia baixa renda é uma sacanagem total. Minha renda familiar esta em 1800,00 e a caixa não aceitou eu entrar nas moradias.... Eu preciso de uma casa e não quero para venda e sim para cuidar da minha familia pois hoje moro nos fundos da casa de meu pai para economizar no aluguel. Porém a CAIXA tira de mim a oportunidade de realizar meu sonho e coloca esse povo.
 
Antonio carlos em 24/03/2012 06:20:12
15 anos de inscrição, olha q sou portadora de deficiencia fisica, ganho um salario, pago alugue é qm precisa ñ tem..........
 
Elaine de Almeida em 24/03/2012 06:20:00
realmente um desrespeito as pessoas q precisam, infelizmente no nosso país não é só os politicos q são corruptos esta gente é como dar pérolas aos porcos.
 
regiane yasmim em 24/03/2012 05:01:00
verdade realmente precisamos de organização tem gente que nem precisa ,e ganha reforma um pouquinho vende ou aluga, enquanto muitos sofre em um baraco de madeira
autoridades precisamos mais fiscalização nessa haria.vale abraço
 
rodrigo ibanhes em 24/03/2012 04:52:18
na verdade essas casas só saem pra quem tem algum conhecido com influencia,quem precisa de casa pra morar paga aluguel,já passou da hora do poder publico mudar a forma da seleção dos beneficiarios,não são só nesses residenciais mais em muitos em toda a cidade...uma vergonha...
 
lisiane barreto em 24/03/2012 04:43:52
Além das vendas, existem as melhorias feitas em tão pouco tempo... casas da Emha com melhorias luxuosas feitas da noite para o dia... será que realmente precisam de casas populares????
 
Fernanda Abreu em 24/03/2012 04:21:28
Deveria haver uma rígida fiscalização por parte do Poder Público para fazer cumprir com o objetivo do Programa, mas não há! Sendo assim, creio que não deveria mais ter casas populares; cada um que se vire de alguma forma se quiser ter casa própria! O Governo facilita demais a vida para o cidadão, mas o cidadão não valoriza!
 
Carlos Renato Lopes em 24/03/2012 04:20:24
Porque não fazem uma matéria sobre essa política pública de dar uma casa de esmola para os pobres para mante-los como presidiários na periferia? Afinal eles fazem as melhorias e se precisarem mudar de endereço se tornam "criminosos" ao resgatarem o que investiu ou perdem tudo.
 
Marcelo Nascimento em 24/03/2012 04:15:49
Tenho vários conhecidos que estão com suas inscrições feitas inclusive a minha e nada de sair este sorteio.É necessário uma seleção mais rigorosa e depois visitas surpresa nas casas e confirmação dos proprietários.
 
Ana Cristina Lopes em 24/03/2012 03:30:19
Eu trabalho desde os meus 14 anos de idade, e consegui minha casa própria aos 44, mas nao ganhei de nenhum governo, comprei com meu suor. Infelizmente o que a gente percebe é que os governos estão dando casas de graça para aqueles que, na maioria, não são todos, nem ao menos trabalham. E ai resolvem vender aquilo que ganhou de graça, para depois, invadirem propriedade alheia.... Tudo pelo social..
 
Paulo Souza em 24/03/2012 02:59:43
moro de aluguel a muitos anos ate agora a minha casa nao saiu so promessas enquanto quem nao merece pega e vende atrapalhando realmente a necessidade de quem precisa de um teto para morar e sair do aluguel .
 
rosana nascimento pereira em 24/03/2012 02:20:20
Ja faz muitos anos que eu tento conseguir uma casinha dessas pr poder sair de alugueis e passar a pagar uma coisa que sei que é minha, mais a burocracia e outras coisas arrajadas sempre passam a frente, ai vem umas pessoas, conseguem as casas e logo depois vendem e voltão para fila e as vezes conseguem outra vez. Quando isso vai mudar?
 
nikko flores em 24/03/2012 02:02:17
Isso acontece muito, mais acho que as autoridades ou tem preguiça de verificar ou fazem vistas grossas aos acontecimentos. Para ser sincero, fico com as duas opções!
 
Marcelo Max em 24/03/2012 01:14:53
Sr responsavel pela Emha,por favor,nos explique como pode na mesma familia mais de uma pessoa conseguir casa e a maioria que tem apenas uma inscrição continua a pagar aluguel???Como é realizado esse sorteio???
 
jucilene cristaldo em 24/03/2012 01:14:43
CARA SALVADOR VIEIRA CUIDADO COM O QUE ESCREVE, VOCÊ ESTA "MATANDO" A LÍNGUA PORTUGUESA. E EM RELAÇÃO COM ESTES PROCEDIMENTOS A EMHA OU A CEF TEM QUE FISCALIZAR ESTES CASOS, IR NA JUSTIÇA, POIS ESTAS CASAS SÃO PARA AS PESSOAS QUE PRECISAM MESMO, QUE NÃO TEM CONDIÇÕES FINANCEIRA E NÃO PARA FAZER COMÉRCIO SE APROVEITANDO DA OCASIÃO, IGUAL AO SEM TERRA, QUE GANHAR AS TERRAS E DEPOIS VENDEM..
 
João Paulo em 24/03/2012 01:12:56
por isso que minha incriçao ja tem um decada ,minha sonhada casa fica só no sonho, concordo plenamente isso é injustiça pra quem realmente precisa de moradia...
 
Aline de Souza em 24/03/2012 01:11:39
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions