ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, QUINTA  13    CAMPO GRANDE 28º

Capital

Chuva de meteoro é vista em Campo Grande, mas fenômeno ainda pode ser visto hoje

Chuva de meteoros Delta Aquáridas começou no dia 12 de julho, mas entrou no ápice ontem à noite

Por Silvia Frias | 29/07/2020 09:09
Partícula de meteoro vista ontem à noite, em Campo Grande (Foto/Reprodução: Exoss MS)
Partícula de meteoro vista ontem à noite, em Campo Grande (Foto/Reprodução: Exoss MS)

Quem olhou para o céu ontem à noite em Campo Grande pode flagrar a passagem de chuva de meteoros, que ainda pode ser vista , conforme calendário de eventos astronômicos. O fenômeno observado é resultado de partículas dos cometas Marsden e Kracht, iniciado em 12 de julho, e que terá seu ápice esta noite.

De acordo com dados do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), os cometas são feitos de gelos de diferentes substâncias e grãos de poeira. Quando os cometas aproximam-se do sol, aumenta a temperatura da sua superfície e parte do seu material "evapora", formando a cauda.

A órbita da Terra intercepta a órbita de alguns cometas. Os grãos de poeira são atraídos pela força gravitacional da Terra e penetrarão na alta atmosfera, quase todos ao mesmo tempo, provocando a chuva de meteoros. Este fenômeno tem um instante de máximo, quando a Terra está no ponto exato onde intercepta a órbita do cometa.

A chuva de meteoro foi capturada pelas câmeras da Exoss MS, projeto que se dedica ao monitoramento desses fenômenos. Giovanni Rescigno, integrante da Exoss em Mato Grosso do Sul flagrou a passagem de três partículas de cometas. Esses equipamentos estão posicionados na região oeste de Campo Grande e capturaram as imagens a partir das 20h.

A chuva de meteoros Delta Aquáridas já estava no calendário astronômico. É vista anualmente, quando a Terra cruza a órbita dos cometas Marsden e Kracht, encontrando seus detritos. Começou no dia 12 de julho e vai até 23 de agosto, com ápice entre os dias 28 e 29 deste mês.

Fenônomeo atinge seu ápice em dois dias de julho, podendo ser visto hoje à noite (Foto/Reprodução: Exoss MS)
Fenônomeo atinge seu ápice em dois dias de julho, podendo ser visto hoje à noite (Foto/Reprodução: Exoss MS)

Rescigno explica que, somente ontem, os equipamentos capturaram a passagem de 320 meteoros, acima da média regular de 100 a 120 meteoros. Essa chuva pode produzir cerca de 25 meteoros por hora com velocidade estimada de 41 km por segundo.

Em seu site, Giovanni Rescigno dá dicas para quem ainda quer ver a passagem da chuva de meteoros, o que ainda é possível hoje à noite. A melhor forma é procurar lugar escuro, a partir das 22h.

A constelação de Aquário onde está localizado o radiante desta chuva, começa a surgir e ficar visível ao leste, onde nasce o sol.

Esse ano a lua vai estar na fase crescente, o que significa que ela estará refletindo mais brilho dificultando a observação a olho nu nas primeiras horas da madrugada. A observação fica melhor mais próximo do amanhecer já sem interferência lunar.

Imagem capturada da passagem da chuva de meteoro (Foto/Reprodução: Exoss MS)
Imagem capturada da passagem da chuva de meteoro (Foto/Reprodução: Exoss MS)