ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEGUNDA  27    CAMPO GRANDE 15º

Capital

Com 66 acidentes em avenida, motoristas dizem que ninguém respeita sinalização

O limite de velocidade para a via é de 50 km/h, mas os condutores não respeitam o limite de velocidade

Por Viviane Oliveira e Antonio Bispo | 20/04/2024 09:17
Ciclista andando na contramão na faixa destinada a ônibus (Foto: Henrique Kawaminami) 
Ciclista andando na contramão na faixa destinada a ônibus (Foto: Henrique Kawaminami)

De janeiro até agora, foram registrados 66 acidentes de trânsito, 1 caso a cada 2 dias, ao longo da Avenida Duque de Caxias, em Campo Grande, conforme dados do BPMTran (Batalhão de Polícia Militar de Trânsito). A sinalização não inibe os condutores mais apressados, que teimam em desrespeitar as regras em nome da pressa e da imprudência.

Na sexta-feira (19), por exemplo, um carro colidiu na traseira do outro. Não houve feridos, apenas danos materiais. Este ano, a reportagem do Campo Grande News registrou outros acidentes, um deles com morte na avenida.

A Duque de Caxias tem cerca de 4 quilômetros de extensão, fluxo intenso, dá acesso aos quartéis, ao Aeroporto Internacional da Capital e a vários bairros, onde moram mais de 100 mil habitantes, na saída para Aquidauana, região do Imbirussu.

O serralheiro Edson Francisco da Silva, de 54 anos, disse que a avenida, apesar de ser bem sinalizada e ter um radar, é muito insegura. “Aqui tem placa de 50 km/h mas você vê as pessoas a 100. Ninguém respeita nada. Sempre tem acidente envolvendo motocicleta, passo nessa avenida todo dia”, reclamou.

Segundo ele, além de não respeitar a sinalização, os motoristas trafegam na faixa que é exclusiva para ônibus. Tenho carteira há 15 anos, mas nunca sofri acidente”.

Avenida dá acesso a vários bairro e ao Aeroporto Internacional de Campo Grande (Foto: Henrique Kawaminami) 
Avenida dá acesso a vários bairro e ao Aeroporto Internacional de Campo Grande (Foto: Henrique Kawaminami)

Conforme o motorista de aplicativo Luiz Paulo Vilhena, de 46 anos, o asfalto é bom, mas os motoristas correm demais. Ele também afirma que os condutores não respeitam as placas de trânsito na via. “De dia aqui já é perigoso, de madrugada é muito pior, porque vira pista de corrida”, afirmou.

Na manhã de sexta-feira, além do acidente flagrado pela equipe de reportagem envolvendo dois carros, havia um ciclista trafegando na contramão na faixa destinada a ônibus. No começo do mês, um andarilho foi atropelado na avenida por carro, no sentindo aeroporto. Em fevereiro, motorista de um Volkswagen Gol perdeu o controle da direção, arrancou semáforo e o carro capotou, na Vila Serradinho.

Carro envolvido em colisão na avenida, desta vez, sem feridos (Foto: Henrique Kawaminami)
Carro envolvido em colisão na avenida, desta vez, sem feridos (Foto: Henrique Kawaminami)

Em janeiro, adolescente de 16 anos morreu após a motocicleta que ocupava colidir contra grade de proteção de bomba de um posto de combustíveis, na Avenida Duque de Caxias com a Rua Itatiaia, no Jardim Vera Cruz, região do Bairro Santo Antônio.

A reportagem entrou em contato com a Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito) para saber se há algum planejamento para diminuir os acidentes na via. Por meio de nota, o órgão informou que o setor de educação para o trânsito realiza abordagens educativas nas escolas com acesso a avenida, e está disponível para qualquer empresa ao longo da via, escolas, associações, entidades, condomínios e grupos de moradores que desejam obter informações e assistir às palestras sobre o tema.

Conforme a Agetran, essas ações de educação para o trânsito promovem também a conscientização, ajudam a sensibilizar os motoristas, pedestres e ciclistas sobre os riscos e consequências dos comportamentos inadequados no trânsito, como excesso de velocidade, desrespeito às sinalizações, uso do celular ao dirigir, entre outros.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias