ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, TERÇA  28    CAMPO GRANDE 18º

Capital

Condenado a 18 anos jovem que matou ex-mulher com 10 tiros

Pena de 18 anos e oito meses de prisão deverá ser cumprida em regime fechado

Por Clayton Neves | 27/05/2022 15:34
Hércules durante julgamento na manhã desta sexta-feira (27). (Foto: Henrique Kawaminami)
Hércules durante julgamento na manhã desta sexta-feira (27). (Foto: Henrique Kawaminami)

Após julgamento que se estendeu por toda a manhã e parte da tarde desta sexta-feira (27), maioria do conselho de jurados considerou Hércules Alves de Souza culpado por matar a ex-namorada, Yasmin Beatriz Almeida Guedes, morta com 10 tiros, no dia 29 de setembro de 2020. A pena deverá ser cumprida em regime fechado.

Pelo crime de feminicídio qualificado pelo recurso que dificultou a defesa da vítima, o réu recebeu pena de 16 anos, no entanto, o tempo foi aumentado em um terço por causa do histórico e reincidência criminal do acusado, aumentando a soma para 18 anos e 8 meses.

“A conduta social mostra-se em desajuste com o que se espera de uma convivência em sociedade”, considerou o juiz Aluízio Pereira dos Santos, da 2ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande.

Hoje, durante julgamento, o criminoso negou que tivesse matado Yasmin e alegou que a vítima foi morta por dívida de droga.

Conforme a denúncia do MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul), o denunciado foi indicado como autor do crime pelas testemunhas ouvidas na fase de investigação. As amigas da vítima disseram que pouco antes de morrer, Yasmin saiu dizendo que iria se encontrar com Hércules.

Ela chamou um motorista de aplicativo para levá-la ao encontro com o ex. Como não tinha dinheiro para pagar toda a corrida, Hércules a encontraria, de motocicleta, no meio do caminho. A jovem saiu de casa levando o seu capacete cor-de-rosa. Testemunhas afirmaram que a jovem foi morta pelo rapaz que a levava na motocicleta. Ele a mandou descer em uma rua escura e a matou com 10 tiros. A jovem foi encontrada ainda com o capacete na cabeça.

Segundo Cairo Frazão, advogado de Hércules, a tese é a negativa de autoria. “Porque a defesa entende que houve várias falhas na parte de investigação. Segundo as amigas da vítima, ela tinha outros companheiros, mas direcionaram a investigação para quem era o mais provável”, disse.

Para a polícia, não há dúvidas de que Hércules planejou a morte da jovem depois de descobrir que ela tinha um novo relacionamento. Os dois marcaram de se encontrar e a caminho do local combinado, ele disparou vários tiros nela.

Nos siga no Google Notícias