A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

20/06/2013 17:59

De 2 ou 4 rodas, a pé e até de cadeira de rodas, manifestantes comparecem

Helton Verão e Jéssica Benitez
A cadeirante Gleice Carvalho, de 27 anos, diz que não tem nada a reclamar sobre o transporte público. (Foto: Cleber Gellio)A cadeirante Gleice Carvalho, de 27 anos, diz que não tem nada a reclamar sobre o transporte público. (Foto: Cleber Gellio)

Não importa como você vai, mas vá. Os campo-grandenses foram com os mais diferentes meios de transporte ao protesto, seja a pé, sob duas rodas, quatro e até de cadeiras de roda. Cada um foi com seus motivos para reivindicação. 

Quem foi de bicicleta, na sua maioria para protestar contra o transporte público da Capital. São ciclistas de várias idades que vieram dos mais diferentes e distantes bairros da cidade.

O garçom de 23 anos, Jockson Pedroso, mora no Aero Rancho veio de bicicleta como forma de protesto com o transporte público da Capital. “A bike é um lazer pra mim. Mas tem que ser revista essa questão do transporte público da Capital”, lembra.

Sobre o valor da passagem ter ganhado um desconto, confirmado hoje pelo prefeito Alcides Bernal, Jockson responde: ”Ele não fez mais que a obrigação dele”.

Morador da Vila Marli, o senhor Valdir Ferreira Maciel, de 62 anos veio de bicicleta para além de protestar contra o transporte público, também do alto valor cobrado em sua conta de água.

“Sou aposentado, ganho R$ 640 por mês e pago uma média de R$ 290 por mês. O serviço é muito precário e minha aposentadoria vai mais da metade com isso”, comprova com as contas em mãos Valdir.

“Vou seguir na manifestação de bicicleta e minhas contas estão aqui para quem quiser ver”, finaliza Ferreira.

Outro lado – Sobre o transporte público a atendente de telemarketing Gleice Carvalho, de 27 anos, ainda não tem nada a reclamar. Detalhe, ela é cadeirante e considera os ônibus da Capital em bom estado para suprir sua necessidade.

“Vim do bairro Santa Mônica, transporte publico é um dos melhores do Brasil no sentido de acessibilidade”, ressalta Gleice.

O motivo da cadeirante protestar é pelo contexto nacional. “Meu protesto é em contexto nacional, gostaria que o Renan Calheiros saísse do senado, sou contra a PEC 37, a saúde do estado está precário”, cita a atendente.

Gleice pede justiça e cadeia para os responsáveis do escândalo da saúde. “Meu sonho é ver quem roubou o Hospital do Câncer na cadeia”, revela.

Por fim ela apresenta uma solução para o Brasil: “Que a população vote em candidatos com ficha limpa na próxima eleição. Afinal de contas, quem vota no Tiririca quer mudar o quê?”.

A pé - Caminhando compareceu o bacharel em direito, Gilson Martins, de 58 anos, ele mora perto do clube Estoril e após 4,5 km percorrido. “O que motiva protestar é pelo escândalo da saúde, desvio de verbas do Hospital do Câncer e se ninguém faz nada, a população tem que fazer”, pede Martins.

Quatro rodas - De carro chegou à manifestação Rita Cristina Colombo, de 35 anos, ela mora no Sirio Libanes II e estacionou seu veículo na rua Pedro Celestino. A expectativa dela é por um manifesto pacifico e que ninguém depredar nada.

“Está gostando pois o clima é tranquilo. Mas se saírem andando pela cidade não vou porque tenho medo de deixar meu carro aqui”, comenta Rita.

Ainda não há uma estimativa de quantas pessoas estão participando da manifestação.

 

Prefeitura e TJ prorrogam renegociação de dívidas ajuizadas até 3ª
O programa de refinanciamento de dívidas da Prefeitura de Campo Grande foi prorrogado até o dia 19 de dezembro, a próxima terça-feira, no Centro de C...
Homem tem corpo queimado em acidente doméstico e morre na Santa Casa
Após dois dias internado, José Loureiro da Cruz, 49 anos, morreu por volta das 6h30 desta sexta-feira (15) na Santa Casa em decorrência de acidente d...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions