A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 23 de Junho de 2018

03/05/2011 08:53

Erosão no bairro Dr. Albuquerque ameaça asfalto e casas vizinhas

Ana Paula Carvalho

O que era um córrego, acabou transformando-se em uma enorme cratera que já chegou à calçada.

Erosão que começou há 2 anos começa a atingir asfalto na região do Dr. Albuquerque (Foto: Simão Nogueira)Erosão que começou há 2 anos começa a atingir asfalto na região do Dr. Albuquerque (Foto: Simão Nogueira)

A erosão que começou há aproximadamente dois anos tem deixado moradores da região do Dr. Albuquerque preocupados. O córrego que fica entre a Avenida Interlagos e a Rua Portuguesa começou a desbarrancar com as chuvas fortes de março desse ano. “Antes era só um “córregozinho”, mas em março abriu esse buracão porque chovia todos os dias”, afirma a auxiliar de serviços gerais Maria Janilma, 40 anos.

Para ela, passar pela Rua Portuguesa em dia de chuva torna-se uma missão quase impossível. “Quando chove não dá para passar, eu tenho que dar a volta e andar mais quatro quadras para pegar o ônibus. Isso aqui fica parecendo uma lagoa”, diz.

O buraco já chegou à calçada e ameaça chegar ao asfalto se continuar cedendo, mas mesmo assim moradores continuam utilizando a calçada e o tráfego de veículos é intenso. “Toda vez que chove isso aqui aumenta um pouco mais. Daqui alguns dias vai chegar ao asfalto”, afirma a auxiliar de serviços gerais.

Quem precisa passar todos os dias para voltar para casa também tem medo. O operador de caixa Alan Lacerda Oliveira, 18 anos, utiliza a Rua Portuguesa como trajeto para chegar a casa no Bairro Pioneira.

“Tem um ano que eu passo por aqui e, toda vez que chove o buraco aumenta. Quando está chovendo eu não passo por aqui, não. Vou lá por cima”, diz.

A erosão já invadiu o terreno que separa o buraco de um condomínio habitacional e os moradores temem que ele continue aumentando. A estudante Jéssica dos Santos, 18 anos, mora no condomínio com um primo há cinco meses.

Quando ela mudou-se o buraco já existia, mas não havia chego ao terreno que fica ao lado de onde a estudante mora. “Quando mudei para cá a erosão já existia, mas não era tão grande. Tenho medo, mas não tem o que fazer”, afirma.

Moradora mostra estragos em local onde só existia pequeno córrego.Moradora mostra estragos em local onde só existia pequeno córrego.
Sem identificação, baleado no Jardim Colibri morre na Santa Casa
Morreu na Santa Casa de Campo Grande, homem encaminhado depois de ter sido baleado, esta noite (22) na Rua Carricá, no bairro Alves Pereira, região d...
Suspeito é atingido por pelo menos três tiros no Jardim Colibri
Suspeito, ainda não identificado, foi baleado com pelo menos três tiros, esta noite (22) na Rua Carricá, no Alves Pereira, região do Jardim Colibri, ...


mas não há muito o que a prefeitura fazer a não ser interceder por nós junto ao governo federal, que não está liberando verba para seu ninguém. A erosão do Nova Lima vai custa R$ 10 milhões, o prefeito já foi várias vezes à Brasília passar o chapéu e nada. Estamos reféns da presidente. Ai é que me pergunto: vendo o drama dos campo-grandenses, porque nossa bancada de deputados federais e principalmente dos senhores senadores não pressionam a União pela liberação desse dinheiro?
 
Bruna Barem em 04/05/2011 11:59:01
Passo todo dia por esse local. Já estive pensando em colocar, por conta própria, uma faixa perguntando ao órgão responsãvel: " O que estão esperando acontecer para tomarem providências ?". Resposta: uma tragédia, para justificar os gastos.
 
José Renil dos Santos em 03/05/2011 03:42:05
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions