A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

03/05/2011 08:53

Erosão no bairro Dr. Albuquerque ameaça asfalto e casas vizinhas

Ana Paula Carvalho

O que era um córrego, acabou transformando-se em uma enorme cratera que já chegou à calçada.

Erosão que começou há 2 anos começa a atingir asfalto na região do Dr. Albuquerque (Foto: Simão Nogueira)Erosão que começou há 2 anos começa a atingir asfalto na região do Dr. Albuquerque (Foto: Simão Nogueira)

A erosão que começou há aproximadamente dois anos tem deixado moradores da região do Dr. Albuquerque preocupados. O córrego que fica entre a Avenida Interlagos e a Rua Portuguesa começou a desbarrancar com as chuvas fortes de março desse ano. “Antes era só um “córregozinho”, mas em março abriu esse buracão porque chovia todos os dias”, afirma a auxiliar de serviços gerais Maria Janilma, 40 anos.

Para ela, passar pela Rua Portuguesa em dia de chuva torna-se uma missão quase impossível. “Quando chove não dá para passar, eu tenho que dar a volta e andar mais quatro quadras para pegar o ônibus. Isso aqui fica parecendo uma lagoa”, diz.

O buraco já chegou à calçada e ameaça chegar ao asfalto se continuar cedendo, mas mesmo assim moradores continuam utilizando a calçada e o tráfego de veículos é intenso. “Toda vez que chove isso aqui aumenta um pouco mais. Daqui alguns dias vai chegar ao asfalto”, afirma a auxiliar de serviços gerais.

Quem precisa passar todos os dias para voltar para casa também tem medo. O operador de caixa Alan Lacerda Oliveira, 18 anos, utiliza a Rua Portuguesa como trajeto para chegar a casa no Bairro Pioneira.

“Tem um ano que eu passo por aqui e, toda vez que chove o buraco aumenta. Quando está chovendo eu não passo por aqui, não. Vou lá por cima”, diz.

A erosão já invadiu o terreno que separa o buraco de um condomínio habitacional e os moradores temem que ele continue aumentando. A estudante Jéssica dos Santos, 18 anos, mora no condomínio com um primo há cinco meses.

Quando ela mudou-se o buraco já existia, mas não havia chego ao terreno que fica ao lado de onde a estudante mora. “Quando mudei para cá a erosão já existia, mas não era tão grande. Tenho medo, mas não tem o que fazer”, afirma.

Moradora mostra estragos em local onde só existia pequeno córrego.Moradora mostra estragos em local onde só existia pequeno córrego.
Concurso recebe inscrições para 83 vagas técnico-administrativas
Seguem abertas as inscrições para o concurso que oferece 83 vagas para técnico-administrativos em Educação na UFMS (Universidade Federal de Mato Gros...
Vice-governadora visita projeto em que detentos reformam escolas
O projeto "Pintando e Revitalizando a Educação com Liberdade", desenvolvido pelo Poder Judiciário estadual, foi conhecido e elogiado na sexta-feira (...
Crianças do Vespasiano Martins recebem Papai Noel e ganham presentes
As crianças do loteamento Vespasiano Martins, na periferia de Campo Grande, receberam a visita especial do Papai Noel neste sábado (16). Foram distri...


mas não há muito o que a prefeitura fazer a não ser interceder por nós junto ao governo federal, que não está liberando verba para seu ninguém. A erosão do Nova Lima vai custa R$ 10 milhões, o prefeito já foi várias vezes à Brasília passar o chapéu e nada. Estamos reféns da presidente. Ai é que me pergunto: vendo o drama dos campo-grandenses, porque nossa bancada de deputados federais e principalmente dos senhores senadores não pressionam a União pela liberação desse dinheiro?
 
Bruna Barem em 04/05/2011 11:59:01
Passo todo dia por esse local. Já estive pensando em colocar, por conta própria, uma faixa perguntando ao órgão responsãvel: " O que estão esperando acontecer para tomarem providências ?". Resposta: uma tragédia, para justificar os gastos.
 
José Renil dos Santos em 03/05/2011 03:42:05
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions