A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 23 de Abril de 2019

24/01/2019 09:58

Estudante de 16 anos poderá cursar Direito após aprovação em vestibular

Escola negou a liberação do aluno, mas liminar autorizou emissão do certificado de conclusão do ensino médio

Danielle Valentim
Em princípio, família solicitou à escola o certificado de conclusão de curso para que o jovem pudesse matricular-se na universidade, mas teve o pedido negado pela direção. (Foto: TJ/MS)Em princípio, família solicitou à escola o certificado de conclusão de curso para que o jovem pudesse matricular-se na universidade, mas teve o pedido negado pela direção. (Foto: TJ/MS)

Um estudante de 16 anos poderá ingressar na faculdade e cursar Direito após aprovação no vestibular. A sentença de primeiro grau tinha indeferido o pedido com a justificativa de que o adolescente não havia concluído o ensino médio. No entanto, a família entrou com recurso e os desembargadores da 4ª Câmara Cível, aceitarem, por maioria.

Conforme o processo, que correu em sigilo, o adolescente é estudante do 1º ano do ensino médio em um colégio particular de Campo Grande. Ele foi aprovado em um vestibular para o curso de Direito de uma universidade privada da Capital.

A família solicitou à escola o certificado de conclusão de curso para que o jovem pudesse matricular-se na universidade, mas teve o pedido negado pela direção, com a alegação de que estudante não terminou o ensino médio. Diante disso, o fornecimento do certificado foi pedido por liminar.

Decisão de 1º grau negou pedido liminar, mesmo com a aprovação no vestibular e prova da capacidade emocional para o ingresso na universidade. Além do ensino médio incompleto, os magistrados se basearam no parecer psicológico que comprovou condição para ingressar na universidade, no entanto, pontuou que o adolescente dependeria de acompanhamento psicológico, já que a vida acadêmica e a preparação para uma carreira exigem um mínimo de experiência de vida.

A defesa do adolescente alegou que não é cabível o indeferimento do mandado de segurança, já que há decisões recentes em casos semelhantes e pediu a anulação da sentença de primeiro grau e a concessão da segurança, ou seja, da imediata emissão do certificado de conclusão do ensino médio.

O advogado argumentou ainda que, a maturidade emocional não é requisito para seu ingresso no ensino superior, bastando a capacidade intelectual. A Procuradoria-Geral de Justiça manifestou-se a favor do recurso.

Em seu voto, o 1º vogal, Desembargador Odemilson Roberto Castro Fassa, afirmou que os fundamentos do juízo de primeiro grau para o indeferimento da inicial se deram por razões de mérito, como se fosse um julgamento antecipado do feito, e não pelos fundamentos autorizadores previstos no artigo 10 da Lei nº 12.016/09.

Para o desembargador, a sentença deve ser anulada para que o ato tenha regular processamento. “Diante disso, com licença do nobre relator, considero insustentável a sentença de primeiro grau e determino o regular processamento do feito”, finalizou.

Motorista de aplicativo 'arranca' com veículo e foge com celular de passageira
Uma mulher de 50 anos procurou a polícia na noite de segunda-feira (22) após ter o celular furtado por um motorista de aplicativo em Campo Grande. O ...
Homem será julgado 15 dias após matar colega com golpe de 'picareta' na cabeça
Quinze anos depois de ter matado Olegário Gimenes com um golpe de picareta na cabeça, Amilton Maidana, de 65 anos, será julgado nesta terça-feira (23...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions