ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUARTA  21    CAMPO GRANDE 25º

Capital

Famoso na luta por Justiça, pai de Brunão morre de parada cardíaca

Luana Rodrigues | 26/06/2015 10:32
João Márcio Escobar, pai de Brunão (Foto: Marcos Ermínio)
João Márcio Escobar, pai de Brunão (Foto: Marcos Ermínio)

O funcionário público João Márcio Escobar, 44 anos, pai de Jefferson Bruno Escobar, o Brunão, que foi morto quando retirava um cliente de uma casa, morreu na manhã desta sexta-feira(26), após sofrer uma parada cardíaca, devido a complicações causadas por uma bactéria que estava alojada em sua perna.

João se tornou uma pessoa conhecida, por lutar pela condenação de Cristhiano Luna de Almeida, acusado de matar o filho dele a socos. Cristhiano era lutador de jiu-jitsu e, deu um golpe fatal, no peito de Bruno que teve costelas quebradas e não resistiu, morreu no local da agressão.

Na época em que o crime ocorreu e também no período do julgamento, João organizou várias manifestações pela cidade. A intenção era não deixar o crime cair no esquecimento e pedir para a população acompanhar o andamento do processo e alertar sobre a violência em geral “A gente quer sensibilizar a população sobre a violência que está cada dia mais presente”, declarou João.

Conforme a tia de João, Marisete Escobar, ele ficou internado por 24 dias. "Começou sentindo uma dor na pena, na altura do quadril, procurou um médico que pediu pra fazer massagens e só depois quando sairam o resultado dos exames soubemos que era uma bactéria", explicou.

Marisete conta ainda que João foi mantido em coma induzido por 15 dias, e passou por várias cirurgias, mas depois apresentou melhora. "Ficamos muito surpresos porque a melhora dele foi muito grande, mas o coração não aguentou", lamentou.

O velório de João será realizado na Avenida Bandeirantes, 795, bairro Amambaí, Campo Grande. O enterro está marcado para às 17h de hoje, no cemitério Memorial Park.

Luta por justiça - Brunão foi morto quando retirava Cristhiano da casa noturna, após ele ter se envolvido em uma confusão com um garçom no local. A acusação afirma que o autor matou a vítima a soco.

Testemunhas de acusação disseram em juízo que o réu já havia se envolvido em confusão na casa, e em outros lugares, e que agrediu Brunão e o matou intencionalmente.

Ele foi preso horas depois do crime e indiciado por lesão corporal seguida de morte. A Polícia Civil ouviu mais testemunhas e analisou imagens do caso e mudou o indiciamento para homicídio doloso.

Cristhiano foi solto por determinação do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, mas, tem que cumprir algumas regras entre elas: não ingerir bebidas alcoólicas, não frequentar casas noturnas e clubes de luta e não chegar em casa após às 22 horas.

Na Justiça, o advogado diz que a denúncia contra ele tinha duas qualificadoras, motivo fútil e recurso que teria dificultado a defesa da vítima, que foram retiradas aqui, no Tribunal de Justiça. "O promotor não recorreu dessa decisão, aceitou. Contudo recorreu o assistente da acusação, o advogado que representa os familiares da vítima", descreve Ricardo Trad. As qualificadoras estão sub judice no Tribunal Superior de Justiça, em Brasília.

O pai de Brunão aguardava o julgamento do acusado há quatro anos, e chegou a espalhar outdoors por toda a cidade e também em linhas de ônibus em busca de justiça.

Nos siga no Google Notícias