A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

12/01/2014 08:08

Invasão aumenta sem controle em área de preservação ambiental

Viviane Oliveira
Enquanto nada é feito, as ocupações tem se multiplicado a cada dia como forma de pressionar os órgãos públicos por moradias populares. (Foto: Cleber Gellio)Enquanto nada é feito, as ocupações tem se multiplicado a cada dia como forma de pressionar os órgãos públicos por moradias populares. (Foto: Cleber Gellio)

Centenas de famílias estão vivendo em área de preservação ambiental às margens do córrego Lageado, na Rua Osvaldo Aranha, no bairro Colibri II, saída para São Paulo, em Campo Grande. Inconformados, os moradores da região reclamam da situação e cobram providência por parte da Prefeitura.

Enquanto nada é feito, as ocupações tem se multiplicado a cada dia como forma de pressionar os órgãos públicos por moradias populares. As famílias no local alegam que por necessidade e falta de condições de pagar aluguel foram obrigadas a invadir o espaço. A área verde foi destruída para dar espaço aos barracos e os terrenos divididos no tamanho 10 por 20. A água é improvisada e a energia elétrica clandestina.

O pedreiro Juscelino Bambil, 23 anos, morava em Coronel Sapucaia e há pouco mais de 1 ano se mudou para Campo Grande em busca de oportunidades. Ele conta que não conseguiu pagar aluguel e foi obrigado a montar um barraco no local, que estava começando a ser invadido. “Nós queremos que a Prefeitura regularize os lotes para vivermos com dignidade”. diz.

Juscelino mora no local há 10 meses. (Foto: Cleber Gellio)Juscelino mora no local há 10 meses. (Foto: Cleber Gellio)
José diz que por falta de opçãoresolveu se mudar com a família para a área. (Foto: Cleber Gellio)José diz que por falta de opçãoresolveu se mudar com a família para a área. (Foto: Cleber Gellio)
O pastor João tem uma casa e uma igreja no bairro Moreninhas, no entanto, diz que pretende montar mais uma igreja no lote invadido. (Foto: Cleber Gellio)O pastor João tem uma casa e uma igreja no bairro Moreninhas, no entanto, diz que pretende montar mais uma igreja no lote invadido. (Foto: Cleber Gellio)

Por outro lado tem gente que aproveita da situação para se beneficiar, como por exemplo, o pastor João Moreira de Souza, 54 anos. Ele tem uma casa e uma igreja no bairro Moreninhas e invadiu o local porque pretende montar mais uma igreja. “Nesta região tem muita gente que precisa ser liberta”, justifica.

O vendedor José Francisco Lima, 47 anos, conta que morava de aluguel na região do aeroporto e sempre passava pelo local, quando viu os barracos sendo montados. Por falta de opção, segundo ele, resolveu se mudar com a família para a área. “Todos os lotes aqui estão ocupados”, afirma, dizendo que é um dos representados dos moradores da área invadida, que acabou ganhando o nome de Cidade de Jesus.

Há 7 anos na região, um morador do bairro Colibri reclama da invasão e diz que fica revoltado com a destruição que as famílias estão causando no local. “Eles estão acabando com as árvores e jogando tudo quanto é tipo de sujeira no córrego. Aqui não é lugar de jogar lixo”, lamenta.

Os moradores afirmam que no local será construída uma avenida para a Rua Osvaldo Aranha, que liga a Avenida Gury Marques ao bairro Cohab, virar uma via de mão dupla. “Pelo menos é o que a Prefeitura promete há anos”.

A Prefeitura foi procurada pelo Campo Grande News, mas até o fechamento desta matéria não havia se pronunciado.

Guarda oferece palestra sobre prevenção e combate às drogas em Uneis
Jovens da Unei (Unidades Educacional de Internação) Dom Bosco e da Unidade de Internação Feminina Estrela do Amanhã, em Campo Grande, receberam pales...
Cadastramento biométrico é oferecido pela Carreta da Justiça em Anhanduí
Desde o início desta semana a Carreta da Justiça está realizando atendimentos da biometria no distrito de Anhanduí, no município de Campo Grande, gra...


Concordo com vc Francis, estas pessoas estão querendo é tirar vantagem, e para isto não se preocupam em destruir a natureza. E este falso pastor que evoca o nome de DEUS, tenho certeza que DEUS ñ aprova a destruição do que ele criou como a natureza. A prefeitura tem que tirar estas pessoas com ordem judicial e passar o trator em tudo, se não vai virara uma bagunça esta area ambiental.
 
Ramão Rodrigues em 13/01/2014 09:03:55
A Obra da futura Avenida,foi concebida pelo Ex Pref.Nelsinho Trad,dando continuidade na gestão do Girotto,caso ganhasse a eleição,inclusive já estava com a via demarcada e com o estudo topografico em dia.Na atual gestão,essa avenida,não sai tão cedo.
 
Alexandre Rodrigues em 13/01/2014 02:44:54
Horas, moradia tem custo, assim como comida. Ou se paga aluguel, ou se junta dinheiro e compra um imovel. Invadir uma área, pior ainda: area de preservação, e exigir que a prefeitura doa o terreno é o fim da picada. Deveriam colocar todo este povo na cadeia!
E este pastor deve ler com um pouco mais atenção Mat. 22: 15-22. ("Dai, pois, a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus"). O proprio Jesus ensinando que aqui na terra se tem que respeitar as leis às quais está submetido.
 
Marcos da Silva em 13/01/2014 02:06:56
É bem verdade que existe um defict de moradias em nossa cidade, mas ocupar logo um local em que sabe-se que haverá uma avenida, é um pouco suspeito!
 
José Antonio em 12/01/2014 22:19:28
O cara não é pastor coisa nenhuma! A bíblia, diz pra sermos irrepreensíveis em tudo, e ele começa a igreja invadindo terras alheias. Que ensinamento ele tem para seus pretensos seguidores? A prefeitura tem que tirar todo mundo do local e responsabilizá-los judicialmente.
 
Valter Oliveira em 12/01/2014 13:11:36
“Nesta região tem muita gente que precisa ser liberta”, tem que começar pelo senhor. De certo modo usando Deus para ter benefício próprio. Que falta de vergonha na cara.
O outro vem de Coronel Sapucaia, invade terreno e exige da prefeitura que o mesmo seja regularizado.
A prefeitura tem que tomar uma atitude rápido e arrancar todo mundo desse lugar.
 
Francis P. Lucas em 12/01/2014 12:01:59
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions