ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEXTA  24    CAMPO GRANDE 24º

Capital

Invasor de santuário presta depoimento e garante que não queria destruir santo

Junto com comparsa, o homem invadiu templo religioso na Vila Carvalho no mês passado

Geisy Garnes e Bruna Marques | 10/05/2021 10:42
Com a queda, a cabeça do santo ficou destruída. Dupla também levou o cajado que estava nas mão de São Judas (Foto: Paulo Francis)
Com a queda, a cabeça do santo ficou destruída. Dupla também levou o cajado que estava nas mão de São Judas (Foto: Paulo Francis)

Investigações da 5° Delegacia de Polícia Civil de Campo Grande conseguiram identificar a dupla que invadindo templo religioso na Vila Carvalho, destruiu e furtou partes de imagem do santo São Judas Tadeu, no mês passado. Em depoimento um dos suspeitos afirmou que não queria danificar a imagem, mas “precisava” tirar a parte de metal que achava ter valor comercial.

Conforme o delegado Gustavo de Oliveira Bueno Vieira, responsável pelo caso, os suspeitos foram identificados e levados a delegacia para prestar esclarecimento. Os homens de 32 e 38 anos, confessaram ter invadido o santuário.

Um deles é morador de rua e afirmou que nunca teve a intenção de destruir o santo, mas o derrubou ao tentar tirar uma parte de metal, a réplica de um cajado, que achava ter valor. A cena foi registrada por câmeras de segurança do local. No vídeo é possível ver o momento em que o suspeito se aproxima, retira o objeto das mãos de São Judas Tadeu e o deixa cair.

Após cerca de 13 minutos no local, a dupla fugiu com o cajado de ferro. A destruição do santo gerou revolta nos fieis. Na época, o zelador do santuário, Luiz Carlos, de 58 anos, contou que o santo estava no local há 20 anos, mesmo período em que a paróquia se tornou santuário. “O valor maior aqui é o sentimento e a falta de consideração. Quer roubar, rouba, mas não precisava destruir”, afirmou em entrevista ao Campo Grande News.

Os dois homens foram indiciados por três crimes: furto, invasão e alterar o aspecto ou estrutura em razão de seu valor religioso.

Nos siga no Google Notícias