ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, DOMINGO  25    CAMPO GRANDE 22º

Capital

Juiz mantém prisão do dono de bar por morte de cliente que não pagou cerveja

Marta Ferreira | 30/03/2021 18:59
Jobes, dono de bar no Vespasiano Martins, que está preso pela morte de cliente que não pagou conta. (Foto: Reprodução das redes sociais)
Jobes, dono de bar no Vespasiano Martins, que está preso pela morte de cliente que não pagou conta. (Foto: Reprodução das redes sociais)

A defesa tentou, mas não conseguiu ordem de soltura para Jobes de Lima Jaques, 48 anos, preso desde a semana passada pelo assassinato de Frank de Lima Alvisso, de 45 anos, em meio a cobrança de dívida de cerveja. Além de “Jobis”, como é conhecido, o filho dele Rafael Gonçalves Jobes, 24 anos, e mais três homens foram presos por equipe da DEH (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Homicídios) de Campo Grande

Provocado pela defesa, o juiz Carlos Alberto Garcete, titular da 1ª Vara do Tribunal do Júri, entendeu haver motivos para manter a prisão temporária do acusado por 30 dias, como foi solicitado pela autoridade policial, o delegado Carlos Delano. A ordem foi cumprida no dia 22 de março.

O comerciante é dono de bar no Bairro Vespasiano Martins, onde toda a situação teria começado.  A vítima era acostumada a frequentar o lugar e “pendurar” a conta.

No 3 de março, depois de ficar desaparecido,  Frank foi encontrado morto, Rua Rua Engenheiro Paulo Frontin, região do Jardim Los Angeles, em Campo Grande,  a caminho da BR-262.

Antes de ser morto a tiro, o cliente teria sido agredido no boteco e depois transportado para uma casa, no veículo de “Jobis”, um Chevette.  Os outros envolvidos têm, segundo o trabalho investigatório, ligações com o PCC (Primeiro Comando da Capital).

O crime - As apurações policiais apontam que o crime envolveu, ainda, o filho de “Jobis”, Rafael Gonçalves Joves, de 24 anos, Simei Fonseca de Araújo, "Tico", 30 anos, proprietário da arma de foto utilizada para matar a vítima, Gleyson de Souza Rocha, 23,  conhecido como “Cabelo Duro”, o atirador, além de Rayson Medina da Silva, apelidado de “Ray”, 21 anos, responsável por esconder a arma do crime.

"Tico" foi preso em flagrante no dia da ação por estar com arma irregular. Também é alvo de duas investigações na 5ª Delegacia de Polícia Civil, uma delas por assassinato, com ordem de prisão deferida.

No pedido de liberdade provisória, a defesa de “Jobis” afirma que a prisão dele foi baseada “apenas” em uma denúncia anônima, por ser dono do bar onde a vítima esteve antes e houve discussão pelo pagamento de dívida. Afirma não haver provas efetivas da participação dele no assassinato.

Decisão judicial - O juiz entendeu diferente. “Ao contrário do que a Defesa aduz, o ora requerente não foi preso temporariamente apenas por ser o dono do estabelecimento onde ocorrera discussão anterior entre ofendido e possíveis executores. Trata-se de situação complexa, a indicar participação, inclusive, de integrantes do "PCC", o que demanda, por óbvio, grande atenção investigativa por parte da autoridade policial”, afirma o magistrado.

Garcete anota, ainda, “que a prisão temporária tem como escopo elucidar melhor a investigação, sendo que não há notícias de parte da autoridade policial de que a medida não seja necessária neste momento”.

O filho do comerciante também tenta ser liberado. No caso dele, a alegação é de que está preso por ter ligado para a esposa de Frank cobrando o valor devido ao pai. Observa ter trabalho e residência fixa e não oferecer risco à investigação. O juiz não apreciou essa peça processual ainda.

Nos siga no Google Notícias