ACOMPANHE-NOS    
DEZEMBRO, QUINTA  02    CAMPO GRANDE 29º

Capital

Locais públicos e turísticos são marcados pelo vandalismo

Por Nyelder Rodrigues | 10/02/2013 14:16
Na Orla Morena, além dos muros, sobrou até para o espaço de lazer nos pergolados (Foto: Luciano Muta)
Na Orla Morena, além dos muros, sobrou até para o espaço de lazer nos pergolados (Foto: Luciano Muta)
Na Joaquim Murtinho, pichação em muro de residência é toda formada por símbolos (Foto: Luciano Muta)
Na Joaquim Murtinho, pichação em muro de residência é toda formada por símbolos (Foto: Luciano Muta)

Centro, bairro, não importa onde você vá em Campo Grande, você vai encontrar depredações. As principais são os muros pichados, mas há também partes de pontos turísticos abandonados e destruídos.

Na Orla Morena, bairro Cabreúva, as pichações muitas vezes se emaranham entre grafites e confundem a cabeça de quem vê, que não sabe mais o que é arte e o que é criminalidade.

Próximo a pista de skate, além da própria pista, os muros dos fundos da Escola Estadual Maria Constança de Barros Machado foi completamente tomado pelas pichações, que vão desde sinais estranhos até palavrões e ofensas direcionadas a grupos ou determinadas pessoas.

Ainda na Orla Morena, mais depredação. Em um dos espaços com estruturas de pergolado e bancos, as pichações também tomaram conta dos muros artísticos construídos ali.

Segundo o presidente da Associação dos Amigos da Orla Morena, Ricardo Sanches, são feitas campanhas em colégios para conscientizar os jovens a não pichar, e também projetos junto a grafiteiros para desestimular a pichação. Recentemente, alguns pontos da Orla Morena foram pintados, mas logo pichados novamente.

“A gente pede que tenha mais fiscalização para evitar tal situação. A gente pede para pintar, mas se não houver fiscalização, não tem como evitar que isso aconteça. Mas o que dificulta e deixa todos de mão atadas é a lei é branda com quem faz isso”, opina Ricardo.

Centro da Capital - Já no centro de Campo Grande, o que não falta são locais pichados. São muitos, com diferentes símbolos, formatos de letra, e até cores.

Muros de casas, prédios públicos, construções, fachadas e portas de lojas, tudo serve de “painel” para os pichadores, que conforme apurou a reportagem, podem se tratar de uma disputa recente entre três gangues da cidade.

Próximo ao Mercadão Municipal, no cruzamento da rua 26 de Agosto com a Anhanduí, nem a altura é do edifício construído ali é empecilho para a depredação. Logo lado, o muro do colégio Osvaldo Cruz também foi pichado.

Entre uma pichação e outra no caminho, a reportagem foi até a Praça dos Imigrantes, no cruzamento da Joaquim Murtinho com a rua Rui Barbosa. Lá, as grades dos box de venda de artesanatos também estão todas pichadas. Os símbolos sem nexo, segundo revelou uma pessoa que trabalha com a segurança da região, estão lá há pelo menos quatro anos.

Nem a altura do prédio em construção é obstáculo para os vândalos (Foto: Luciano Muta)
Nem a altura do prédio em construção é obstáculo para os vândalos (Foto: Luciano Muta)
Na Cidade do Natal, portas, muretas, cercas e janelas foram danificadas (Foto: Luciano Muta)
Na Cidade do Natal, portas, muretas, cercas e janelas foram danificadas (Foto: Luciano Muta)

Perto dali, na Joaquim Murtinho, há várias pichações em muros de casas, todas com símbolos semelhantes aos de outros locais da Capital. A fachada da loja do Paulistão da Rui Barbosa está toda pichada.

Já na Orla Ferroviária, há poucas pichações na parte em que cruza a rua Dom Aquino. Alguns lugares contam com lixeiras, enquanto em outros há os suportes e as tampas, mas não há os cestos.

Destruição na Cidade do Natal – O ponto turístico que encanta muitos durante o Natal, definitivamente, está abandonado e a mercê de vândalos. Várias estruturas dos quiosques estão danificadas e as cercas de madeiras e muretas de concreto da entrada foram quebradas.

No interior da casa do Papai Noel, há desde vidros de janelas quebrados até garrafas de bebidas alcoólicas. Para entrar no local, os vândalos quebraram a porta, arrancando a fechadura.

Confira a galeria de imagens:

  • Pichação na Joaquim Murtinho faz referência a drogas (Foto: Luciano Muta)
  • Fachada do Paulistão também foi alvo de vândalos na Rui Barbosa (Foto: Luciano Muta)
  • Histórico colégio Osvaldo Cruz, e que fica em região crítica da cidade, teve muro depredado (Foto: Luciano Muta)
  • Na Praça do Imigrante, as pichações já tem pelo menos 4 anos (Foto: Luciano Muta)
  • Na Orla Ferroviária, há lixeiras totalmente instaladas, e lixeiras já sem o cesto (Foto: Luciano Muta)
  • O muro da também histórica escola Maria Constança é quase um "mural" de pichadores (Foto: Luciano Muta)
  • Ao lado do Maria Constança, há vários locais da Orla Morena também pichados (Foto: Luciano Muta)
  • Porta da casa do Papai Noel, na Cidade do Nata, foi arrombada e teve a fechadura arrancada (Foto: Luciano Muta)
  • Restos de garrafa de bebidas alcoólicas são encontradas no interior da casa do Papai Noel (Foto: Luciano Muta)
  • Além da mureta, vândalos também quebraram cerca de madeira da Cidade do Natal (Foto: Luciano Muta)
  • Na parte dos fundos da Cidade do Natal, é fácil encontrar garrafas de bebidas alcoólicas já vazias (Foto: Luciano Muta)
  • Portal na Orla Morena não escapou do vandalismo (Foto: Luciano Muta)
Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário