ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, DOMINGO  03    CAMPO GRANDE 29º

Capital

Marquinhos promete medida emergencial para removidos de favela

ONG "sem teto" tina convênio de R$ 3,6 milhões para construir casas

Aline dos Santose Mayara Bueno | 02/01/2017 10:28
ONG sem sede deixou casas inacabadas no Pedro Teruel (Foto: Simão Nogueira)
ONG sem sede deixou casas inacabadas no Pedro Teruel (Foto: Simão Nogueira)
"Desejamos a continuidade de construção das casas", diz Marquinhos. (Foto: Fernando Antunes)
"Desejamos a continuidade de construção das casas", diz Marquinhos. (Foto: Fernando Antunes)

O prefeito Marquinhos Trad (PSD) afirma que vai adotar medida emergencial sobre a situação dos removidos da favela Cidade de Deus, que foi transferida em 2016 para quatro loteamentos. “Vou adotar alguma medida emergencial para resolver o mais rápido possível. Desejamos a continuidade de construção das casas”, afirma o prefeito, que foi empossado ontem.

Segundo ele, ainda não como detalhar o que será feito em relação a esse programa de habitação porque a fase é de levantamento sobre a prefeitura. Marquinhos afirma que houve problema de repasse de informações na fase de transição.

Em 30 de dezembro, a dois dias do fim do mandato do prefeito Alcides Bernal (PP), a administração informou o fim do convênio 175, firmado em junho do ano passado com a ONG Morhar Organização Social, e abertura de tomada de contas especial. Segundo a nota de esclarecimento da prefeitura, das 300 casas , somente 42 foram concluídas. O valor total era de R$ 3,6 milhões.

OCampo Grande News mostrou que a ONG tinha uma situação peculiar. Apesar de contratada para construir imóveis, não tinha nem mesmo um teto para si. Na ocasião, a reportagem consultou endereços e telefones disponíveis na consulta por CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica) e na internet, mas não conseguiu localizar a sede da ong (organização não governamental).

Conforme o ex-titular da área de finanças, planejamento e controle, Disney Fernandes, foram liberados recursos em duas fase. A primeira correspondeu a 53% do convênio, portanto R$ 1,9 milhão. A convenente prestou conta e foi liberado mais recursos. Porém, desta vez, não houve a prestação de contas. A reportagem não conseguiu contato com a Morhar.

Mudança para pior – No dia 29 de dezembro, o Campo Grande News foi aos loteamentos e os moradores relataram que “a vida piorou muito”. Em março de 2016, as famílias foram removidas da Cidade de Deus, no bairro Dom Antônio Barbosa, para o Vespasiano Martins, Pedro Teruel (região do Dom Antônio), Jardim Canguru e Bom Retiro (região Vila Nasser). Somente as casas do Vespasiano foram concluídas.

Nos siga no Google Notícias